terça-feira, abril 17, 2007

Alice & Buda

por Elijah Mú Shion

"Em que inferno de realidade caí?!", Alice exclamou, enquanto o gato louco em cima da árvore desapareceu mais uma vez.

"Bichano estranho...", pensou irritada. "Eu não sou louca, por mais que digam. Não sou, não sou, não sou!", esbravejou sentando sob a árvore, completamente emburrada.

Buda estava de passagem por ali, e notou Alice, pensando "Há poder nessa daí". Alice observou o jovem esbelto, muito belo e perguntou: "Pareço uma louca para o senhor?", ao que Buda respondeu: "A mim você me parece é uma fofura!", e piscou. Alice suspirou, pelo jeito ninguém via o sofrimento que era cair num lugar muito esquisito, onde todos eram loucos, e ninguém entendia nada, muito menos um careca bobão que nem aquele.

Alice perguntou: "O senhor se considera louco?", Buda sentou ao seu lado, sob a árvore, e respondeu, num tom de conquistador: "Eu era. Mas descobri que tudo é dor, e resolvi deixar de ser louco. As vezes me arrependo...". "Porque o senhor se arrepende?", Alice diz, verdadeiramente curiosa. "Eu era um louco e vivia feliz, mas então saí da casa de meus pais e conheci este mundo que agora vemos, com todas suas atribulações, e me tornei uma pessoa engajada em deixar as pessoas ainda mais loucas. Eu prego que quando ficarmos realmente loucos, e sairmos de nossa cabeça, vamos deixar de sofrer. Na verdade também vamos deixar de SER, mas isto é detalhe...". "Puxa!", disse Alice com os olhos arregalados, pensando para si: "Este daí é o mais louco de todos..."

Foi então que o Gato voltou e disse: "Vou dar uma volta, não comam nenhuma das minhas frutinhas, ou vocês se arrependerão!". Alice e Buda se assustaram com a reverberação produzida pela última palavra, não sabiam que o Gato era fã de filmes bíblicos, e tinha uma central de efeitos para produzir um Jeová bem furioso, do jeito que as pessoas costumavam gostar, na época do antigo testamento.

O Gato saiu para caçar uma pomba e uma serpente, como era costume dos seus antepassados no Egito Antigo, que por sinal eram mais bem tratados que os Judeus . Encontrou uma serpente, pagou a gorjeta de praxe e disse: "Seguinte... vai ali na Árvore e tenta aquela menina. Faz ela comer o fruto proibido". Ao que a serpente respondeu: "Ok, Gato Doido, mas tenta me explicar o porquê disso tudo antes...". O Gato sacudiu a cabeça enquanto pensava em uma desculpa qualquer para a peça que iria pregar e soltou esta: "Ahh... é que meus descendentes, os Leões, vão ser bem alimentados por causa disto...". Pensou depois: "Serpente burra. Não entende nada de teologia ou biologia!", e riu para si.

Alice, que não havia percebido as frutinhas antes (mesmo porque elas não existiam alguns segundos atrás de qualquer forma, quando o Gato criou a Árvore) começou a salivar ao vislumbrá-las. Pegou uma delas, deu uma mordida e ofereceu para Buda, que disse: "Não, não... não estou a fim de uma grande discussão dogmática com cristãos fundamentalistas, é melhor não misturar as religiões...", mas Alice parecia tão tentadora, que ele não resistiu. Alice pensou: "Ele é chato, mas até que é bonitinho."

A esta altura, o Gato havia encontrado a Pomba, e pedido a ela que suspirasse de leve no ouvido de Buda, aconselhando-o a não comer a frutinha.
A Pomba não perguntou nada, já que estava acostumada a transmitir mensagens, e não exigiu pagamento.

Quando a Serpente chegou, Alice já tinha comido a frutinha. A cobrinha então teve que passar para o plano B, ou teria que devolver o dinheiro...
Começou a encarar Buda, e colocou bastante Desejo em seu coração. Buda olhou para Alice com fogo nos olhos, e pensou em matar seu desejo, saciando-se . A Pomba viu a cena, e comentou no ouvido de Alice: "Este aí está fisgado!".

Não preciso dizer que foi neste dia que Alice virou mulher e Buda alcançou o Nirvana. A Serpente, que foi enganada por Buda e acabou tentando Alice, como ele Desejava, acabou perdendo o dinheiro para a Pomba no poker, que por sua vez, em plena e vergonhosa caridade cristã, doou para um mosteiro budista. O Gato riu-se tanto do desfecho da história que a ditou para alguns profetas malucos, que não entenderam metade do que ouviram. Isto causou alguma confusão.

Um comentário:

.'.Shion.'. disse...

Arte como Crime, Crime como Arte!

Bajavaija!