quinta-feira, abril 13, 2017

A circunferência que havia chego na ilha na noite anterior, onde foi recepcionada pelos moradores da vila que já previam a chegada da mesma, acordou. Ao notar que sua primeira notação do dia não ocorrera, se transformou numa circunferência curiosa, e buscando por uma resposta, olhava para dentro de si. A vila dos lápis, naquela manhã, descansava. Durante a festa de comemoração da invenção da grande serra, via-se, espalhados pela superfície das arvores, os lápis recém nascidos. Desde a fundação da vila, aquilo nunca havia ocorrido, e nunca antes os lápis se preocuparam com os insetos a lhos perseguir, a fim de se alimentar dos brotos que passaram a se projetar para fora do lápis, formando galhos. Nos fins de tarde, espalhados pela praça, e na casa de familiares, os lápis trocavam uns com os outros informações acerca dos novos lápis-broto, tentando entender as implicações e as causas, escrevendo na história da vila um novo ambiente onírico, onde coisas como "A Maldição da Serra Dentada" e "A Deixa do Vendedor de Repelentes" buscavam o caminho para sair do imaginário e criar raizes no panorama da vila. Na época eu era apenas um um fio de silício que havia ficado preso na pata de um libélula, que na tentativa de se livrar do incomodo causado pela minha estadia ali acabou por perder 4/5 das asas, e não fosse a atração eletromagnética, eu mesmo teria saído, pois a ultima vez que fiquei preso em um inseto, fui abocanhado por um pássaro, de onde só pude sair depois de ele ter morrido, apodrecido e se tornado poeira. O sol não era comum naquela época do ano, e este dado não correspondia a verdade do orvalho, que se integrava na cachoeira para os céus enquanto se acumulava no rio fora da curva.
O líder da vila era um crayon verde musgo, e este, apesar de não ser feito de madeira, também era palco de transformação, sob uma cortina de fungos.
-Estou sem o meu centro!- disse a circunferência, apontando a causa de sua notação não ocorrida. Um lápis, reconhecendo o certo ar da circunferência, notou que algo à surpreendia, e tentando descobrir, surpreendeu-se com o que acontecia no outro lado da rua, pois bem, naquele instante, um gato corria pelos arredores da vila, atrás da sombra de um corvo. Um lápis-broto, logo a frente da sombra. Instalou-se na vila, uma apreensão, fazendo vibrar as mãos da natureza do medo sobre o papel da história da vila. Dentre a nação dos lápis, já se sabia de longa data, mais longa que o próprio idioma, que os corvos eram animais perigosos se não fossem devidamente treinados. Eram demasiado inteligentes e naturalmente avessos a qualquer coisa diferente, ou outras formas de vidas: mas não atacavam enquanto lhos interessasse. Haviam rumores de vilas inteiras que foram dizimadas pela ação de um único corvo, que usava de truques sofisticados para pegar lápis por lápis. Outros, usavam verdadeiras armadilhas, usando iscas de uma forma elaborada, para pegar muitos de apenas uma vez. Alguns eram tolos, e eram abatidos antes que conseguissem pensar num plano. Outros, aprendiam a contribuir, e alguns eram inteligentes, e ao mesmo tempo, abobados, pois davam em troca dos nossos bens, muito mais do que precisávamos, e indiscutivelmente não merecíamos. Mas respeitamos o senso de valor do corvo. Até mesmo por que nos convém, mas será que é honesto ele não saber?
Bem, eu assumo que ele saiba. Até mesmo porque nós não fazíamos a menor ideia do nosso significado para ele. Alguns tempos depois, essa dúvida, acabou gerando uma vontade de recompensa tão grande, que todos começaram a pensar que o Corvo era um Deus. Ai, tivemos o primeiro grande colapso, gerando frequências de degeneração social, pois nossas vidas tranquilas, e antes, relativamente segura dos corvos, começaram a confundir, o perigo que o animal representava, com o senso de obrigação moral que lhos ligava aos animais: era uma ação primariamente defensiva, e então, uma relação de simbiose entre as raças, o que poderia lhas tornar amigas, talvez. Mas essas perguntas silenciosas, como que sombras sobre um mundo algoz, ocupava o tempo e a o senso de decisão dos lápis, e assim, começava a recuar para além do agora, a riqueza e a beleza da interação entre os lápis e os corvos, trazendo o agora, para uma vestimenta de fatos aos quais os lápis começaram a enxergarem no corvo uma bomba relógio, e, CARALHO! - naquele momento, o corvo pousou logo afrente de lápis broto! E o gato, pulou por cima d'ambos.
Algumas pontas se quebraram, e, como que um trovão sobre uma novena, foi a docilidade da cena sobre o ímpeto de horror dos lápis expectadores - que desesperados, já haviam pulado de seus respectivos lugares, como se fossem afugentar o que tanto temiam. O pequeno lápis, demonstrava, com inspiradora assertividade nos modos, como podia ser bom um corvo e um gato, se você soubesse educa-los. O garoto tirava um inseto de suas costas, o qual ele havia impedido de sugar-lhe o néctar, e o segurava com uma das mãos, e na outra, ficava com um pedaço de noz (era o objeto que ele queria em troca), fazendo um jogo de manipulação espacial, ele aprendeu a manipular a atenção do animal, de uma tal forma, que ele conseguiu relacionar a proximidade do inseto e da noz, dando o inseto logo depois de comer a noz, depois, usava o inseto de longe para o corvo perceber a noz, e então, depois de comer a noz, entregava o inseto, logo em seguida, tentou ensinar para o corvo que ele podia usar a noz para conseguir o inseto. Foi aumentando cada vez mais, e então para compensar, aumentou o número de insetos, e número de noz. Aos poucos foi dando tempo para o corvo, sem gerar estresse. E ali estavam, neste meio tempo o lápis o ensinou o corvo a receber uma espécie de carinho como sinal de aprovação - ele não tinha certeza o que isto significava para o corvo, mas certamente um pouco de proximidade seria seguro! E o corvo também o ensinou muita coisa "através da qual nós nos compensamos" pensava o jovem lápis. "E tudo de maneira saudável. Esse gato é um amigo, ele gosta de mim porque eu posso deixar marcas em lugares. Ele me dá uns negócio massa que ele encontra em troca de umas marcações aqui e ali".
O âmbito dos ares diferentes da circunferência não foi notado, e a mesma nem se quer notou o que havia ocorrido ali fora, um evento histórico que significava uma nova era para espécie, ela estava compenetrada na sua bolha de descentralização.

---------------------------------------------------------------------

"E esta foi a minha história."
Disse o camundongo por dentre o guardanapo, que assim como seus companheiros de almoço, usava para limpar-se. "Esta cenoura estava uma maravilha!" "Sim!" concordaram e saíram, cada um para um lado, subiram por uma parede, percorreram o forro e sumiram por lugares que apenas eles conhecem.

O pingo e a poça.





-Ali.
Olhou. Confusão. -Nessa pocinha de barro?
Sorriu. -Isso!



-------------------------------------------
Pouco antes
-------------------------------------------



A chuva cessa. As arvores e coisas secam pouco-a-pouco com a gravidade, fricção de ar e vibrações. Vibrações. Vez ou outra uma seca abruptamente e outras não tem tempo de ficarem secas, pois pinga mais nelas do que pingam delas para o além. -Só agora que você chega?- apontando para o tapete encharcado. -Pois é... mas...- aviva-se com algo. -Ahm? que foi?- Perto de uma das extremidades do tapete havia uma protuberância paralelepipédica. Coisa recém-notada pelo recém-chegado, que tão logo foi notada, fez com que o velhinho que estava limpando seu cachimbo deixasse seu ofício de lado e caminhasse até a cena. -Que foi ai? Ah, não me digam que acharam o meu tabaco mais gostoso?- olham-se, num olhar de quebra-cabeças, onde pedaços de sem-jeito e pedaços de compaixão natural se entrelaçam em pedaços de agonia com pedaços de curiosidade. E rapidamente piscam: -Oh, não...- como um vento que espalha. O velhinho sorri um riso triste, se vira num sinal de quase-fazer-o-que e volta para seu cachimbo, parando antes num baú, de onde tira um pacote de tabaco qualquer. 2 á 3 e então 3 á 2 novamente. Olhava o velhinho enquanto voltava para onde estavam -...mas então, vamos ver o que é isso?- perguntou para o recém-chegado, que não estava ali. Apenas o tapete, só que agora, além de encharcado, dobrado pelo descuido e pela pressa. Ela se vira, e ele corria, de costas para ela, segurando alguma coisa ao peito. Quando por fim, chegou naquela poça...








----------------------------------------------------------------------------------------

terça-feira, janeiro 31, 2017

"Somos as últimas gerações dessa porra toda, podemos tudo."

quarta-feira, janeiro 25, 2017

open login / reality glitch hack manifesto — by ÐŲMп委 ال — DaðŲ Miners психический 工人委 - remixed by Timoteo Pinto







Individuals are encouraged and controlled into limiting their responses more and more through social media — limiting their circles of influence and friendships — by hardening character armour and becoming cliches, shallow and representations of themselves. In other words social media
 encourages individuals to close their minds.

The multiple user name / open login project is designed to do this:

Firstly we intervene on the General Intellect: by sharing identities we disrupt the surveillance of social media. tagging ourselves as Tae Ateh, Timóteo Pinto, TimóTae Pinteh, Paz Sword (or other shared identities) we disrupt the facial recognition algorithms used to identify us. Using a login shared also disrupts the algorithms used to predict and influence behaviour both online and offline.

Secondly we manifest as the Human Species Being: by sharing our production we, as workers, become able to empathise more with each other. By sharing identity we can take on each others manners, habits, intimate thoughts and therefore transcend as well as share our own.

Thirdly we can identify more with non-human workers — namely the internet and technology that we are using and is being used to use us. Data moshing and data bending is like the chaos acting on the perfektion of the computers.

Since identities are Binaries and Hex codes, that put together makes reality. Or at least a digital version of it. The spectacle. The idea of moving some binaries some 1s and 0s from one place do another, in order to glitch identity and making it look chaotic, is like a Golden Apple from modernity.

Some instructions in challenging times:

1. Don’t use your name;
 2. Remember your ego is a regime and is much more dangerous than any entity or organisation in the perceived external world;
 2b. Remember the external world is a regime and is much more dangerous than any entity or organisation in your perceived ego;
 3. Focus on awareness, not your mental state;
 4. Keep your message fnord; the ego wants you to be this and not that because this is the soil from which your sense of self identity will grow;
 5. No more helpless/hopeless talk. No more; no less.
 6. Support artists and the arts;
 7. Be careful when you spread fake news. Check it. Is it real? Is it lulzworthy?
 8. Take care of yourselves.
 8a. Nothing is real. Everything is permitted.
 8b. Keep your laser handy!
 9. Resist the temptation to believe in all this bullshit!
 10. At the end of the day, ALL YOU HAVE is your S.H.I.T. , so use it wisely.

The following accounts use various different open names — including Tae Ateh. We choose Tae Ateh because it is non gender or nation specific.

This document is written by REproductiVe wOrkers and Lovers indUsTrIal uniON (REVOLUTION) — a one-person organisation with only one member: Tae Ateh — a Multiple-User name begun in Belarus by the Asemic International but spread to Brazil, England and beyond. And later remixed, glitched, mindfucked, copywronged by Timoteo Pinto, a Multiple-User name originated from the Brazilian Discordian Society, MultiCabal of the Very Confused.


Contact Tae Ateh:
dx antisystemic.org
 00 44 (0) 7947 734 736
 CLASS, Arjuna, 12 Mill Road, Cambridge CB1 2AD


OPEN LOGINS/ MULTIPLE USE NAMES:>>>>>>

mail.com email address
 ========================
email: taeateh [A] asia.com
 password: DesaKalaPatra
gmail / youtube/ blogger
 ========================
Email post religious.com
 Password unionBastards
vk.com
 ======
post [A] religious.com
 password: obshchina#
dx [A] antisystemic.org
 ddddxxxx
facebook
 ========
Email post religious.com
 Password trans/post/a-
Email therealkareneliot gmail.com
 Password karen❤eliot
Email charlesjurgis gmail.com
 Password manifesto12
Email xasimx yahoo.com
 Password qweeer000
soundcloud
 ===========
Email dx antisystemic.org
 Password ddddxxxx
Email inqalab antisystemic.org
 Password 1nqalab
porn sites
 ===========
uesername: taeateh
 password: ta3ta3ta3
archive.org
 ===========
 taeateh [A] tutanota.com
 password: dashloss
نحن أنا تاي عطوة. تصبح تاي عطوة
ताए आहताए
 泰一啊泰
 тая атэх
 تهئ عتهئ
 タイあタイ
すべてを すべてを すべてを
生産的労働者
 生産労働者があります
 精神的な労働者
 破壊的な労働者
 死んだ労働者
 非生産労働者
 家の労働者
إلى جميع إلى جميع إلى جميع
العمال المنتجين
 هم العمال المنتجين
 عمال نفسية
 عمال المدمر
 عمال ميت
 العمال غير منتجة
 العمالة المنزلية
所有 所有 所有
生产工人
 是生产工人
 心理工作者
 破坏性工人
 工人死亡
 非生产工人
 家务
सभी को सभी को सभी को
उत्पादक श्रमिकों
 उत्पादक श्रमिकों हैं
 मानसिक कार्यकर्ताओं
 विनाशकारी कार्यकर्ताओं
 मृत श्रमिकों
 गैर उत्पादक श्रमिकों
 घर श्रमिकों
ВСЕ ВСЕ ВСЕ
продуктивные рабочие
 являются продуктивные работники
 психические работники
 деструктивные работников
 непроизводственных работников
 работники дома
عرس مبارک
देश काल पत्र
الكثرة
 الوحدة
internet memes, détournement, plagiarism
 الميمات الإنترنت ،اختلاس, الانتحال
 網絡迷因,挪用,剽竊
 Интернет мемы, хищение,присвоение, плагиат
общи́на
黑色镜面折射出黑色太阳
 未来如黑曜石,黑色镜面折射出黑色太阳
في الأسبوع الماضي، أقرّت المحكمة في البحرين الاحكام على قادة النقابات العمالية،
 وحكمت على تهئ عتهئ و تهئ عتهئ بالسجن لمدة خمس سنوات و ستة أشهر على التوالي.
그 리고 또한 우주에서 자본가 계급과 하층 사회의 : 클래스에서 가능한 단 2 아이덴티티가있는 경우 동쪽이나 북쪽과 남쪽.에게 또한 시간 : 과거와 미래. 이미 당신은 공간, 시간이 텍스트의 클래스의 확장을 목격하고 있습니다. 나는 쓴 당신은 읽어보십시오. 하지만 우리는 공간, 시간과 수업에서의 확장의 일부 있습니다 — 그것을 선행과 공간 시간과 수업 시간에 컴퓨터 등을 생산 노동자가 있습니다. 우리가 이후에 읽어 않으며 다른 공간, 시간과 수업 시간에 올 사람 근로자가 있습니다.
泰一啊泰 是名字有可能是西方或东方,因為一個名字的 泰一啊泰 不會出現特定語言的優勢。我們都知道,在這種方式中,它優於以往任何多重身份的。
اللقب تهئ عتهئ له ميزة واحدة التي قد تنتمي إما إلى أوروبا أو أفريقيا على
 اللقب تهئ عتهئ له ميزة واحدة التي قد تنتمي إما إلى أوروبا أو أفريقيا، منذ أن تهئ عتهئ كاسم الأول لا يبدو أن لغة معينة. وبهذه الطريقة فإنه متفوقة على أي هوية متعددة السابقة ونحن على علم.
 تهئ عتهئ هو الاسم الذي يشير إلى إنسان فرد الذي يمكن أن يكون أي شخص. يتم إصلاح الاسم والشعب استخدامه ليسوا كذلك.
इश्क़, दिलकशी, उन्स, मोहब्बत, अक़ीदत, इबादत, जूनून, मौत
生育工作,心理工作的,破坏性的工作 超图,心理,心理学,地理学, 造影,间图表,超,图形,元 图形 现场 造影 假 逻辑 脑病 舍米 情况 合一,多种 空间,时间,类 reproductive work, psychic work, destructive work hypergraph psycho geography graphy meta graph hyper graph meta graph situation situ graphic pathical logical phonical chemical linguary oneness multitude space time class العمل الإنجابي العمل نفسية العمل المدمر الخط الطبيعي مريض نفساني جغرافي الرسم البياني ميتا فرط رسم بياني ميتا رسم بياني الموقع بياني كاذب منطق الم كيميائي حالة وحدانية كثرة الفضاء مرة الفصل репродуктивного работа, психическая работа, работа разрушительная гиперграф психо география графия мета график гипер график мета график ситуация Ситу графический логический химическая единство множество Время класс пространство internet memes, détournement, plagiarism الميمات الإنترنت ،اختلاس, الانتحال 網絡迷因,挪用,剽竊 Интернет мемы, хищение,присвоение, плагиат
ताए आहताए
 泰一啊泰
 тая атэх
 تهئ عتهئ
 タイあタイ

domingo, novembro 13, 2016

As lições que aprendi no Discordianismo

Estava refletindo aqui em frente ao espelho e de repente obtive uma luz. Era a lâmpada que havia acendida para poder me ver.
Que tipos de lições pode-se a prender com o Discordianismo?
Uma "religião" que apenas um grupo seleto da elite fnordiana conhece (ou pensa conhecer). Para o mundo é apenas uma inexistência barata.
Eu levo discordianismo como filosofia de vida e decidi expôr aqui algumas lições que aprendi e que eventualmente um discordiano de fora possa aprender também.
Lição de número 1
Não leve as coisas tão a sério. Sua vida é uma  piada!
Lembro quando lia o Principia Discordia pela primeira vez. Foi uma experiência foda! Eu tinha iluminações sucessivas. Foi esclarecedor.
Eu tive sensação similar quando estava lendo reflexões sobre o universo por um físico quântico. As coisas no fundo são triviais. 
Os problemas são solucionáveis.
Os problemas que não possuem solução, já estão resolvidas.
Lição de número 2
Nada é real. Tudo é verdadeiro
O jeito contraditório dessa religião é justamente para mostrar que ela pode ser uma farsa. Uma mentira. 
Diga uma mentira:" Eu minto".
Os paradoxos nos mostram que escolhemos nossas realidades. Então não se desespere se sua realidade está uma merda! Apenas desconstrua ela e crie uma realidade nova.
(Sem contar que isso é uma chave fundamental para fazer magia)
Lição de número 3
Eu sou livre. O que me prende são as grades que me rodeia
No discordianismo aprendemos que conceitos são como grades em nossa visão. Vemos para determinada situação de forma diferente quando comparamos com outra pessoa. Isso por que nossas grades possuem formas e não deixa vermos a coisa por completo.
Você é livre. O que lhe prende são essas grades (conceitos) que você usa. Nem sempre elas foram colocadas por você. Nem sempre são ruins. Mas cabe a você percebê-las quando elas te atrapalham e retire de sua janela.
E lembre-se... mesmo que consiga tirar todas as grades da janela, sempre haverá as bordas.
Sem bordas não há mais janelas.
Lição de número 4
O caos governa o universo
Isso já sabia de alguma forma. A segunda lei da termodinâmica fala sobre isso. O mais natural o caos se manifestar. A desordem é natural. Deixe uma xícara de café cair no tapete novo da sua mãe e verás o CAOS que tua mãe vai fazer na sua vida nos primeiros dias.
O universo é caótico e tentamos colocar ordem nele. Deixe tudo arrumadinho, crie várias pastas na área de trabalho para diminuir o caos, o simétrico é mais bonito para o nosso cérebro, etc. É da natureza humana impor ordem ao nossa redor. 
As coisas dão erradas e acusam do Universo consPirar contra ele. Mas na verdade é o SER HUMANO que vai contra o Universo.
Lição de número 5
Fnord
Com certeza a lição mais valiosa para mim foi FNORD. Mas que demônios é Fnord? Alguns sabem que não é um repolho. Outros já viram, mas esqueceram de como ele é Ai não conseguem reconhecê-lo.
Fnord é um catalisador mental para tirar as pessoas da inercia. Eu uso constantemente fnord para provocar as mentes alheia. o TODO é mente e fnord é o seu elixir.
Fnord é aquilo que ele não é.
Fnord é um catalisador de questionamentos.
Mas será que vale realmente a pena questionar certas coisas? Não sei. Eu não me importo. E também não faz a diferença. Nada é real no fim das contas.
Dark Night
.:23:.

quinta-feira, novembro 03, 2016

Quadrângulo do Pertubado

:::

Sistema Parracho-mágicko onanástico completo da sociedade The Hermetic Disorder of the Golden Apple

Estes são os elementos indispensáveis para a prática da parrachia onanástica:



Você está autorizado a imprimi-lo e colocá-lo na parede do seu quarto. É um ótimo exercício de visualização mágicka.

O Mago Rei Louco Weslley Soares recomenda: "Tomei o quadrangulo do pertubado entre meus despojos. Logo pude notar um up nos meus poderes slackronedicos."


Uma criação do mago Rodrigo Kesselring

domingo, junho 19, 2016

A CAPTURA DOS ANUNNAKI NO ESCURO

Texto Originalmente copiado do Le Discordia

Há muito tempo, quando os unicórnios viajavam pelos arco íris feito de açúcar, um bode chinês sempre alertava sobre a infestação de elefantes na cidade. Não que isso fosse mudar a concepção sobre os unicórnios, mas era importante falar sobre isso. O bode chinês era um Anunnaki, e por falar verdades mentidas, ele era perseguido pelos androides. Os robôs de carne invocavam o sábio chinês para lutar verbalmente contra o bode. O sábio dizia: “Não se pode enxergar no escuro!”. Então o bode tinha que se defender: “ O escuro não foi feito para ser enxergado”. O sábio olhou espantado e reargumentou: “ Então o escuro verá!”. O Bode olhou encurralado e finalizou: “O escuro é visto apenas pelo cegos”.

O vácuo se formou e os unicórnios foram engolidos por Anunnakis no meio da escuridão e junto com eles os números primos.

No escuro eu tenho a glândula pineal fortificada e posso ver a sua escuridão luminosa.
Não que se possa ver, mas sim, ver.
Entendeu? É igual a matemática. Sinfonia de fogo etc...
Pôneis.


quinta-feira, junho 02, 2016

Meu Amigo Russo

SOBRE O DISCORDIANISMO RUSSO E ESTRATÉGIAS FNORDIANAS
"Um empreendimento que se seguiu desde o começo do ano de 2016"

russo
Sempre fui de realizar MindFuck. Sempre gostei de conspirar e de enlouquecer os que me rodeavam. Por que? Não faço ideia!
Com o passar dos aprimoramentos nas táticas fnórdicas, observando e experimentando, foi que tive uma ideia. E essa ideia começou na KSTXI.
KSTXI foi/é uma ideia FNORD que tive para colocar o discordianismo na lista dos conspiradores. Ok, o discordianismo já está inserido na lista, mas eu queria uma lista que não fosse underground. Tentando elaborar algumas ideias com meus amigos da Ordem, criando vídeos, etc... Foi então que decidi fazer um perfil anônimo para que pudesse ele depois espalhar a ideia.
Eu fiz um perfil do Timóteo Pinto em meados janeiro, mudei a foto para um azul e pronto. Conta no facebook feito.
Então comecei a montar um personagem enigmático. Ele seria estrangeiro. Mas de onde? O que seria o mais incomum?
Rússia! O meu personagem será russo!
Após fazer o personagem, postei algumas frases em russo com a ajuda do tradutor e assim fui. Solicitei entrada em alguns grupos discordianos brasileiros e principalmente grupo russos para dar consistência ao personagem. Foi então que surgiu a pergunta:
“Existe discordianos na Rússia?”
Essa questão ficou na minha mente por alguns dias. E o mais interessante é que eu não tinha ideia de como achar um.
Por que eu queria achar um russo discordiano? Para poder saber como eles são e agir como eles... Assim eu daria mais “vida” ao personagem.
Perguntei ao Brenton, o mesmo do Chasing Eris, que viaja conhecendo discordianos por ai. Perguntei se ele conhecia algum, mas ele não pode me ajudar. Aliás, disse que até se interessava, mas nunca conseguiu encontrar um.
Nos grupos disco dos EUA procurei por alguns, mas sem sucesso. Poucas interações e apenas isso.
Me perguntei: “como vou achar um russo discordiano? Um discordiano já é difícil, imagina um russo discordiano. Quais as probabilidades??
Foi então que comecei minha empreitada.

Por favor... baixe o arquivo Meu Amigo Russo, da qual contém a história toda. Julguei ser melhor deixar no arquivo PDF por causa das conversas copiadas, que não deu de salvar em imagem.

Mais informações e o Principia Discordia em Russo, em Error23

quarta-feira, maio 11, 2016

A moda dos Spirits Vapeurs

por Seba Cares
O Discórdia Diário

Eles decoram as roupas com papel alumínio, calçam botinas de camurça e fazem penteados militares. Os Spirits Vapeurs são a cara dos Millennials, mas com um algo a mais. Um sonoro algo a mais.

Nascidos entre 1990 e 1998, o grupo (ou a moda) já conta com milhares de adeptos. Diz Santos Jo sobre o assunto: Ser Spirit Vapeur é ter certeza de que o problema é o problema. E que todo problema só o é por começar com Pro de Pró. O "blema" só complica se for profissional.

E é na música que decidem exorcizar o "Pró". Um ritmo roubado de outros ritmos. Um sassaricando a música de outrem. Depeche Mode com Banda Uó, etc e tal; já fizeram isso muito com o saudoso "Mashup" dentro do KAaza.

Mas o que é diferente agora? Para o moderno da coisa, incrementam pajelança sonora com Discordianismo. Como diz Juan A Maris A.

"Sempre me perguntam: "Akuma?" e eu só sei que joguei Street Fighter suficiente para responder com "Hadouken". É como comer algo prestes a estragar, mas com os ouvidos, antes que "Kaduken" (Ela fez o golpe no ar para nosso jornalista). Acho que já vi isso em algum lugar. "É, dizem muito isso".

O quê, afinal, você deve estar se perguntando, quer dizer Spirits Vapeurs? É uma ode moda-música que prega a Disnomia com o roubo intelectual saudável e suicida.

Bem vindos, Spirits Vapeurs


quarta-feira, abril 27, 2016


Quirk Town Revisited - Bed Ted

Bed Ted era um cara legal que se fosse exposto a qualquer documento de texto ele jamais seria o mesmo, absorvido pelo seu conteúdo, que a priori foi absorvido por sua cabeça, por isso ele andava cuidadosamente pela rua das notícias em Quirk Town e pela rua dos textos e também pela rua dos poemas, pois todo mundo podia, mas Bed Ted não se dava ao luxo de ser arrebatado com milhões de significações e ressignificações a um trigésimo de segundo... Um cara com sua cabeça já não estaria mais vivo se não fosse pelo traje protetor HudaahBrobroconit, um traje super caro desenvolvido por aviadores paus-mandados para se proteger de exposições de idéias.

Bed Ted começou a vida numa cama de ursos desmiolados, ele era um cara muito sanguinolento, pois gostava de comer muita carne mal passada, porém um belo dia ele estava no meio da lama pois descobriu que tinha Orongolopotóide, uma doença raríssima (apenas 2 casos no universo, mas o TOPA EM TUDO Doutor Majel com seus trambolhos mecânicos "Onisciência de Doença" - detectores universais de anomalias extremamente nocivas aos corpos e mentes de sua raça de origem - conseguiu detectá-la e classificá-la). Logo correu para o consultório do Doutor Majel e então este arregalou os olhos, só menos do que dakela vez em que descobriu a doença em si, e recebeu a notícia de que deveria comprar o traje urgentemente.

Até chegar a este ponto, ele passou por diversas notícias e textos, tendo uma crise extremamente profunda de identidade que o fez mudar a forma de pensar e agir, e, consequentemente, seu próprio nome (não era "Bed Ted" e sim "Jeolungo de Atrozx").

Bem, acompanhamos até aki uma parte do drama que é a sua vida, ele por vezes é visitado por pessoas mudas que consideram sua mente pseudo-virginal como epítome da pureza, mas o que ninguém sabe é que é um indivíduo extremamente suscetível a infecção por bactérias meméticas, sedentas por território protegido por frágeis e falhas fibras (o material do traje que ele veste). 

Isso deixa o mundo agitado e todos que chegam perto da casa de Bed Ted sentem uma enorme compulsão em fazer "apenas uma visitinha", mas o que realmente ocorre é que suas bactérias mentais QUEREM SER TRANSMITIDAS!!! QUEREMOS SAIR DA SUA MENTE E PULAR PRO TERRITÓRIO TÃO FÉRTIL.

Eu rio quando ouço sobre pacotes de turismo para Quirk Town "venha conhecer essa adorável cidadezinha", mas por aqui também temos perigos, ou melhor, coisas inofensivas que levam a perigos, ainda que Zambi Inc., com sua reconhecível atenção especial a este lugarzinho único mantenha uma mão gigante invisível que destroça todos os demônios do Quinto Inferno (o Inferno onde a ironia e a esquisitisse ficam depositadas - pelo menos a versão infernal delas).

Veja então Bed Ted, dizendo um X para mais uma fotografia, mas quem garante que no flash não estarão injetados nanosugestões que se acoplam atrás da retina para quando o indivíduo dormir, elas passem imagens diversas durante a fase REM...

segunda-feira, abril 25, 2016

DISCORDIANOS... OS FALSOS ILLUMINATIS



Slide1

“Nem todo parágrafo foi justificado. Uns ficaram mais à esquerda, outros mais á direita, mas as citações ficaram CENTRALIZADAS…- Boa Leitura :)”
Desde a idade da pedra quando os primeiros humanos começaram a sofisticar suas ferramentas e usá-la para proteger o local de possíveis ameaças (animais selvagens) o mundo vem sofrendo uma batalha que iniciou milênios antes.
Há uma disputa muito forte entre dois estereótipos ideológicos cheio de arrogância que dura até os dias de hoje. De um lado, os Unicórnios e do outro, os Pôneis.
Se reparamos bem aos dois lados, da mesma moeda, os pôneis não diferenciam muito dos Unicórnios, e isso por que são de uma linhagem muito próxima. Surgiu o conflito quando o Unicórnio por apresentar um chifre sobre a testa, ganhou um presente antes do Pônei, que por ciúmes e inveja do Unicórnio traçou uma batalha sanguinária que perduraria por séculos.

Era 30 de abril de 1776 quando um grupo se reuniu pela primeira ver para beber café em um dos bares da cidade alemã. Nessa reunião surgiria a semente do renascimento dos Illuminati, chamado hoje em dia de illuminatis Bávaros.

“NÃO CONTE A NINGUÉM!ACIDENTES TÊM UM ESTRANHO JEITO DE ACONTECER COM PESSOAS
QUE FALAM DEMAIS SOBRE OS BÁVAROS ILLUMINATI!
CUIDADO com as IMITAÇÕES! Este é ORIGINAL e GENUÍNO!”

Os Illuminati existiram desde muito tempo nas remotas histórias esquecidas da sociedade humana, aproximadamente 18000 anos, estabelecendo por completo em Atlantis (Principia Discordia, pag 00072)
“Ilumine a OPOSIÇÃO!”.
-Adam Weishaupt
Grande Primus Illuminati
Os illuminati vem dominando boa parte da governabilidade mundial com apoio Anunnaki que se estabeleceram em terras Urantianas na época dos Sumérios, aproximadamente há 5000 anos.
Discordianos por natureza é Illuminati, estando em contato mútuo com os segredos de diversas Ordens Fraternais (como a OTO, Maçonaria, A.:.A, ONU, etc). Abaixo há um pequeno vídeo de um dos mais  “polêmico” illuminati do atual cenário político brasileiro, para causar repulsa aos irmãos da Discordia (Éris me permitiu com brilho nos olhos *.*)…

Discordianos são Illuminatis. Sempre estiveram dentro das maiores Ordens Fraternais (O.T.O, A.:.A, ONU, Maçonaria, etc) do globo comandando o caminho do Globo Terrestre.Sua influência política é nítida e estão na base da elite intergaláctica (pois possuem certificado de competência carimbado por Michael de Nébadon).
Alguns apoios à momentos nefastos da Terra se fez, como a era da Peste Negra (isso foi um ato terrorista para derrubar a monarquia que estava para romper o vínculo com os Illuminatis), o comunismo Soviético e a criação de uma oposição muito forte a direita com a o surgimento do Partido Nacional Socialista (neste período houve um equívodo da assembléia illuminati, registra-se a maior “mancada” já conhecida pelos Illuminati estagiário que errou os nomes dos candidatos ao partido).
Quam matou mais? Alexandre o Grande, Napoleão, Hitler, Lenin, Stalin, Mussolini (criador do estado fascista com direito a elogios de Lenin), Castro e sua ditadura Cubana, Ernesto Guevara, Ustra ou Jair Bolsonaro (o Illuminati “fascista” de direita opressor caracinza toturador homofóbico)? A questão é tortura ou lado ideológico? Os PÔNEIS FORAM QUEM MAIS MATOU E TORTUROU HUMANOS COM SUAS PERSUAÇÕES MALDITAS! PÔNEIS MALDITOS QUE ENGANAM O HOMO SAPIENS E AS MULHERES SAPIENS!
Recentemente uma tempestade em uma gota d’água virou uma tsunami e invadiu a esfera discordiana enraizando uma guerra ideológica desnecessária. Mais uma vez vou citar o Princípia Discordia (a constituição fnordiana discordiana):

“A raça humana irá começar a resolver seus problemas no
dia que cessar de se encarar tão seriamente.” (Principia, pag 00074)

Andei observando a exaltação ideológica por parte de discordianos conforme o cenário político brasileiro ia se aflorando. Embora alguns assumem que usam e usufruem do movimento discordiano para impor uma visão e ideal político abertamente, aparentemente uma imposição contrária a tais ações parecem-me, como diria o meu Guarda-Chuva, meio molhada.
Como assim? A expressão individualista sempre se manteve numa sociedade “democrática” e o Discordianismo (com D maiúsculo) sempre foi e não foi um movimento filosófico Areligioso (existe essa palavra produção?).
Slide2
ESTA FIGURA FOI ALINHADA À ESQUERDA
O PIPA, como foi citado por um membro, ensolarado que se estende a semanas, meses e anos até o calendário se exaurir, sendo “direitista”, da qual o partido não possui visão nem de Direita e nem de Esquerda, mas sim para o Alto, zoando com a política Global, foi oriundo de uma expressão individualista de outro membro do grupo.
O membro de esquerda tem o direito de exibir suas opiniões assim como o membro de direita, para que ao se encontrarem possam voar felizes para sempre em Neverland.
Um dos membros que apoia uma figura que apoia um apoio à tortura deveria ser expulso do discordianismo por alguém que apoia uma figura que apoia o apoio a tortura? A questão  que fica é de ser expulso de uma das religiões mais falsas e inexistente.
“Nós somos
Uma tribo
De filósofos, teólogos,
Mágicos, cientistas,
Artistas, palhaços
E maníacos similares
Intrigados
Com
ÉRIS
DEUSA DA CONFUSÂO
E com
Suas
Coisas” (Principia Discordia, pag 0001)  ====>>> Não há políticos nesta lista… Talvez estejam na classe dos Palhaços.
Mesmo que expulsarem, a cabala individual permanece. Há muitos discordianos que exercem o discorianismo “forever alone”.
O Discordianismo não foi criado para ser levado a sério…

QUEM FOI O CARACINZA?

CARACINZA
No ano de 1166 a.C., um cérebro-torto infeliz de
nome Caracinza, enfiou na cabeça a idéia de que o
universo era tão sem humor quanto ele, e ele
começou a ensinar que diversão era pecaminosa
porque ela contradizia os caminhos da Ordem
Séria. “Olhem para toda a ordem em volta de
vocês”, ele disse. E a partir disso, ele enganou
os homens honestos e os fez crerem que a
realidade era um negócio duro e direto e não o
romance feliz como os homens a conheciam.
Hoje em dia não se entende porque os homens eram
tão crédulos naquele tempo, porque absolutamente
ninguém pensou em observar toda a desordem em
torno e concluir justamente o inverso. Mas de
qualquer forma, Caracinza e seus seguidores
levavam o jogo de jogar com a vida mais a sério
do que eles levavam a própria vida e eram
conhecidos até por destruir outros seres vivos
cujas maneiras de viver eram diferentes das
deles.O infeliz resultado disso é que a
humanidade tem, desde então, sofrido de um
desequilíbrio psicológico e espiritual.
Desequilíbrio causa frustração, e frustração
causa medo. E medo dá uma viagem ruim. O homem
tem estado numa viagem ruim por um longo tempo.
Isso é chamado A MALDIÇÃO DO CARACINZA. (Principia Discordia, pag 00042)
Quem está certo num jogo onde “Todas afirmações são verdadeiras em algum sentido,
Slide3
ESTA FIGURA FOI ALINHADA À DIREITA DEVIDO A PARTICIPAÇÃO DE UM EXTREMA DIREITA
falsas em outro sentido, sem sentido em alguns sentidos, verdadeiro e falso em outros
sentidos, falsas e absurdas em outros sentidos e verdadeiras e falsas e absurdas em alguns sentidos.”

WTF DISCORDIANOS SÃO FALSOS ILLUMINATIS??

Caso alguém não entendeu do porque (por que, porquê, por quê… escolha a sua) discordianos são falsos illuminatis, é por que seria colocado outro título:
“Discordianos… Os Illuminatis Iludidos”
Discordianos são geradores de Caos e Discordia… uitos não entendem sarcasmo e nem curti ser contrariado. Parecem beberrões. Ou todos somos.
Discordianos são falsos illuminatis por que não se pode estar em todos os nichos ideológicos. É apenas um e acabou.
Discordianos são falsos Illuminatis por que os ETs esqueceram de por ervilha no cachorro-quente.
Discordianos são falsos illuminatis por que exigem do próximo serem iguais a si próprios…
Discordianos são falsos illuminatis por que deixam de estudar  para a prova e a dissertação para escrever bobagens na internet.
Discordianos são falsos illuminatis por que levam o Discordianismo a sério…
Cortesia da POEE

Mais Illuminatis
Illuminati Marcelo Adnet “alerta” GOLPE politico nas eleições de 2014. Ver Final do Video!!!
Eneas…

Illuminatis, capitalismo, socialismo, comunismo, consPiração e Illuminatis…


A Sociedade Fnordiana Discordiana manda informar que não haverá GOLPE por parte dos Discordianos Golpistas que usam o Discordianismo para movimentos políticos.
Deixem o Discordianismo para quem gosta de levar a vida menos a sério.

********************************23*************************************


FNoRD

quarta-feira, abril 13, 2016

Éden - "O filme"

quinta-feira, abril 07, 2016

Sobre Aranhas Mariposas e Espaços fechados que se dividem em Ruelas

O sopro da rua dava espaço ao escuro da ruela, pois acabara de o pegar de volta dela, fazendo também um cartão postal de liberdade, sem dispensar cores, movimentos e risos espalhados num ambiente que parece ser um grande aglomerado gelatinoso, num oceano do tempo onde a liberdade é ser pó de gelatina, e as pessoas são confetes e outras geometrias doces e coloridas, flutuando sob molas invisíveis. E extasiado neste sentido particular de agora, mal pode notar, pois bem, o escuro também se esgueira. E as aranhas da ruela possuem pernas, que se correm por teias, que se projetam nos espaços... num lençol de movimentos que o põe estupefato no chão, já com o caderno se abrindo e as teias segurando a caneta. Assim a voz iniciou suas magias.

Mundo
a fora, neste exato momento vários detalhes, e eles estão acontecendo -ou só são detalhes ao ruir num lapso de acontecência?- (dá-te um pouco de liberdade, repousa no nada e para formar um buquê de passos, procura aos arredores a resposta para: que pode ser um detalhe?) sobre toda a sorte de coisas que você pode imaginar, em mentes de diversos tamanhos e formas, sobre diferentes passados e futuros, embrulhados e enfurnados por diferentes aspectos deste único agora. Em algum dos livros, que neste momento do texto acaricia o espaço com uma astucia compartilhada e construída junto a uma prateleira (que por sua vez acaba surgindo intuitivamente em algum paragrafo abaixo) de biblioteca, um personagem preparava-se para virar a chave do carro e pisar fundo, espalhando pelo mundo o fôlego com o qual pretendia salvar seus amados do perigo eminente. Em algum momento deste abrir porta, sentar-se, apertar botões e puxar coisas, ouviu-se do rádio uma frase "...encontrou já com os últimos amontoados de fumaça, então botou a mão na cabeça e disse -Maria, queimou o pão!- ela reclamou, e então começaram a rir, e a Maria já pegou a farinha, enquanto ele tirou o pão do forno e ia começar a limpar o..." e estas cenas só não foram vistas por eles, por que no momento exato em que Jo encostou no livro, uma mulher havia caído fazendo sorver pelo chão da biblioteca todas as suas coisas, e para seu chão interno, alguma coisa que a tornava vermelha, enquanto uns já se aprontavam preocupada e cuidadosamente para lha acudir, outros riam, uns achavam o riso impróprio mas eram apáticos ao que havia acontecido, outros jogavam uma raiva violenta na imagem dela, condenada a perturbar a paz de alguém que realmente precisa aprender isso antes que a noite chegue. Jo pegou outro livro, e já dispersa daquele fluxo ainda denso de atenção no local, sentaram-se juntos ao redor da mesa, e não se sabe encontrar o ponto em que as coisas começaram a se volatizar, enfim... tem-se ainda a sensação da coisa acontecendo, mas desconheço qualquer coisa sobre isto, isto é algo completamente novo sobre o que pode ser a vida para o meu comprador de livros interior... e num determinado quadro da lã-de-açúcar do tempo, apareciam assim...

-Enfim, de qualquer forma já estamos no corredor, e lá na frente pode-se ver a porta que nos leva para a sala dos cristais, mesmo que comecemos a conjuração agora não haverá tempo o bastante para a caixa materializar...- os semblantes iam de afogueado e vivaz para murcho e complacente.

Havia sido uma grande aventura, e neste instante, ninguém se lembrou do inicio de tudo, onde aos poucos a imagem da biblioteca ia se esvaindo aos seus arredores, até que por fim, viam-se realizados numa imagem que os mostrava na sala dos cristais, onde bem... eles estariam na sala dos cristais! Por outro lado, se lembraram do que veio após o inicio, onde conversavam euforicamente sobre os locais que o mapa mostrava, e os olhos a seguir os dedos a seguir as linhas, eventualmente erguiam-se, já com a voz a enunciar um detalhe dos tantos que brilhavam na imaginação deles, gerando fome para mente e mostrando os arredores, de onde ia chegar mais livros até a mesa, e neste transportar, com pernas de palavras a evocar luz em mistérios territoriais, iam descobrindo os possíveis percalços e maravilhas que se espalhavam por aquele espaço. O livro, quando aberto naquele lugar por pessoas que moram ali, geralmente, acaba por acionar um gatilho espiritual, que faz sorver consciência a dentro, ligações do real que assim que começou a chover, num levantar perturbado e então desajeitado por alguma espécie de medo, pode notar, com certo pesar um recorte dos fatos: rasgou-se a página, que caiu numa poça que já estava ali antes que a chuva. Era um dia em que o mundo parecia-lhe (ele, que apesar de não notar, também era um aranha-mariposa, para quem o mundo assim lhe aparecia), um espaço escuro com infinitos pisca-pisca, o mundo em que ele encontra abrigo num bar, onde encontra um amigo que há tempos não encontrava. Lembrou-se com certa ternura de uma frase, tão próxima quanto é quando é uma voz de uma pessoa real, mesmo quando a voz da pessoa real é tão próxima quanto é esta "a vida está ai fora" e na outra página "que é? vai querer discutir comigo agora?" sobre um livro. Um livro que lembra o leitor de que a vida está ai fora. E logo escorregou-se por cafés, texturas e sons e outras coisas misteriosas. E esta por ai...