#TheGame23 - Enter the Rabbit Hole








Project 00AG9603 - #TheGame23 mod 42.5 level 5

"00A G9603 develops as a self-organizing organism, connects with the virtual environment through its hosts (admins) by arranging the surroundings randomly for its own autonomous purpose" - Timóteo Pinto, pataphysician post-thinker

"00A G9603 se desenvolve como um organismo auto-organizativo, conecta-se com o ambiente virtual através de seus hospedeiros (admins) organizando os arredores randomicamente para seu próprio fim autônomo" - Timóteo Pinto, pós-pensador patafísico



sexta-feira, janeiro 23, 2015

ANUNNAKI



INTERAÇÃO HUMANÓIDE

Humanos interagem de varas formas. A conversa entre dois seres humanos é na maioria superficial. Conversas sobre futebol, música, relacionamento, novelas, etc...
A verdade é que humanos pensam (alguns parecem que não...) e dentro de suas mentes apenas si próprio sabe o que se passa e o que sente. Cada ser humano é um universo com suas próprias leis e regras. Como saber se o que se passa dentro da própria mente é normal ou não? Sabendo o que passa dentro de outra mente. Para isso serve a conversa ou a interação.
Seres humanos sentem a necessidade de saber o certo (ou pelo menos o que pensa ser) e para buscar isso precisa saber de outros, coletar informações e assim tirar suas conclusões. Parece até uma forma robótica.
A interação é uma ferramenta de coleta de dados e nada mais. O divertimento é diferente, geralmente é superficial.
Quando se entra no próprio abismo a incerteza toma conta e muitas vezes o que se passa dentro de si mesmo pode levar a loucura, até perceber que isso ou aquilo acontece de forma coletiva.
O normal é aquilo que ocorre de forma coletiva. Se 95% dos humanos fossem mudos, quem conseguir emitir som ou falar poderia cometer suicídio. Porém se encontrasse outras pessoas que também falassem poderia conviver com a anomalia, pois não se sentiria sozinho (talvez).

Se me equivoco é porque o texto foi mal escrito. Ou não.

terça-feira, janeiro 13, 2015

O Caminho do Palhaço Sagrado: Onde o Trickster e o Xamã convergem

"Se o tolo persistisse em sua tolice, ele se tornaria sábio. " - William Blake



A maioria de nós estão familiarizados com os palhaços prototípicos: palhaços de nariz vermelho, bobos da corte, e tolos do Tarô.

Mas palhaços sagrados levam os palhaços a um outro nível.

Os Ne'wekwe "lama-eaters" eram o equivalente Zuni de um palhaço sagrado. Os Cherokee tem palhaços sagrados conhecidos como Boogers que realizaram "Danças Booger" em torno de uma fogueria comunitária.

No budismo tibetano é chamada de Louca Sabedoria, em que o Guru adota a fim de chocar seus alunos para fora dos padrões culturais e psicológicos fixos. Mas talvez o mais popular tipo de palhaço sagrado é o equivalente Lakota de Heyoka, um xamã trovão, que ensinou através do humor reverso.

Quase todos os tipos de palhaços sagrados combinam o espírito trickster com sabedoria xamânica para criar uma espécie de palhaçada sagrada que mantém o espírito da época em cheque. Seus métodos são pouco convencionais e tipicamente antiéticos ao status quo, mas extremamente eficaz. Eles indiretamente re-impôem os costumes da sociedade, aplicando diretamente o seu próprio senso de humor poderoso na dinâmica social. Eles mostram pelo mau exemplo de como não se comportar.

A principal função de um palhaço sagrado é esvaziar o poder do ego, lembrando os que estão no poder a sua própria falibilidade, ao mesmo tempo, lembrando que aqueles que não estão no poder que o poder tem o potencial para corromper se não for equilibrado com outras forças, ou seja, com humor. Mas palhaços sagrados não derivam de fora simplesmente. Eles não são comediantes, per si, embora possam ser. Eles são mais como trapaceiros, abrindo buracos em coisas que as pessoas levam muito a sério.

Através de atos de sátira e exibições vistosas de blasfêmia, palhaços sagrados criam uma dissonância cultural nascida de sua sabedoria da loucura, de que a ansiedade é livre para entrar em colapso sobre si mesma na gargalhada. Seriedade sagrada se torna ansiedade sagrada que então se torna riso sagrado. Mas sem a sátira corajosa do palhaço sagrado, só voltaria a ser excessivamente sério, estado prescrito de condicionamento cultural.

Para que nós escrevamos nossas vidas para fora de tais estados estagnados, devemos nos tornar algo que tem o poder de superar-se perpetuamente. O palhaço sagrado tem esse poder. Cristo era um palhaço sagrado, zombando da ortodoxia. Buda foi um palhaço sagrado, zombando do ego. Mesmo Gandhi era um palhaço sagrado, zombando de dinheiro e poder.

Como Thomas Merton escreveu, "Em um mundo de tensão e desagregação, é necessário para aqueles que procuram integrar suas vidas interiores não evitar a angústia e fugir dos problemas, mas enfrentá-los em sua realidade nua e em sua simplicidade." Palhaços sagrados são o epítome de tal integração.

Heyokas, por exemplo, lembram ao seu povo que Wakan tank, o grande mistério, está além do bem e do mal; que sua natureza primordial não corresponde a platitudes humanas de certo e errado. Heyokas atuam como espelhos, refletindo as dualidades misteriosas do cosmos de volta para seu povo. Eles andam a Estrada Vermelha, seguindo as pegadas de sangue deixadas para trás por seus irmãos Heyoka.

Eles vão para a frente, para aquele lugar onde o vazio está cheio, a plenitude vazia. "Como representante do Pássaro do Trovão e do Trickster,", escreve Steve Mizrach, "O heyoka lembra seu povo que a energia primordial da natureza está além do bem e do mal. Não corresponde às categorias humanas de certo e errado. Nem sempre seguir os nossos preconceitos do que é esperado e adequado. Realmente não nos preocupamos com nossos problemas e preocupações humanas. Como a eletricidade, pode ser perigoso, ou aproveitado para grandes usos. Se formos demasiados estreitos ou paroquiais na tentativa de compreendê-lo, ele vai nos dar um tiro no meio da noite ".

Palhaços sagrados são adeptos a unir alegria com dor, agindo sobre os imperativos mais altos e inescrutáveis ​​do grande mistério. Eles tendem a governar transição, introduzir paradoxo, limites-borrão, e misturar o sagrado com o profano. Eles são chamados a restabelecer a ponte entre os mundos físico e espiritual. Eles se atrevem a fazer as perguntas que ninguém quer respondidas.

Eles são os avatares incontroláveis ​​do arquétipo Trickster, lembretes constantes da contingência e da arbitrariedade da ordem social, botando buracos em qualquer coisa levada muito a sério, especialmente qualquer coisa assumindo o disfarce de poder. Eles são um canal para as forças que desafiam a compreensão, e por seu absurdo, comportamento reverso, eles estão apenas mostrando o irônico, dualidades misteriosas que existem dentro do próprio universo.

Palhaços sagrados entendem que seres humanos falham, e a falha significa que às vezes é preciso mudar. Eles nos lembram que o objetivo não é manter sempre o mesmo caminho, mas para abraçar as vicissitudes da vida e descobrir novos caminhos e coragem que leva para se adaptar e superar. Levando em consideração o universo profundo, deixando-o ser, e, em seguida, deixá-lo ir, é muito superior ao apego a uma "crença" e ficar preso em uma visão particular. Palhaços sagrados percebem que a maior sabedoria reside neste tipo de descolamento contra-intuitivo, em aceitar que nada permanece o mesmo, e, em seguida, ser pró-ativo sobre o que significa mudar.

Mais importante, eles nos ensinam que não há tal coisa como um mestre iluminado. Estamos todos espiritualmente tolos. O mais próximo que se pode chegar a ser "iluminado" é simplesmente entender que somos ingênuos a isso, e depois rir sobre isso juntos, como uma comunidade. Palhaços sagrados têm a capacidade de plantar esta semente de humor sagrado. Eles são constantemente no meio de uma metanoia, perturbar o imperturbado, confortando o desconfortável e liberando o não libertado. Eles nos lembram, como fez Rumi, que "o ego é apenas um véu entre o homem e Deus."


Fonte: Fractal Enlightenment

UMA NOVA CONCEPÇÃO DO DISCORDIANISMO

UMA NOVA CONCEPÇÃO DO DISCORDIANISMO
DISCORDIANISMO COMO RPG?

Meus irmãos, creem na Deusa? O que é o discordianismo? Que é ser discordiano (ou discordianista?). Perguntas e perguntas e o que trarei aqui é uma nova abordagem...
O Discordianismo é um jogo de RPG. Sim! Um jogo de RPG de mesa. Num jogo de RPG de mesa há um livro que dita as regras e o nosso livro do jogo é o tão comentado e apreciado Principia Discórdia (PD).
Somos jogadores de um grande jogo de RPG de mesa, porém não precisamos de dados e nem de ficheiro. Há a vantagem de não precisarmos nos encontrar fisicamente para jogar.
Criamos nossos personagens e montamos um perfil com o decorrer do tempo. As histórias épicas que criamos não diferem dos de um jogo de RPG de mesa, somos livre para criar a história que queremos e as regras se encontram no PD. Estão lá os conceitos (cabala, polipadre, papa, guardião do Cao Sagrado, etc) e as regras (nonsense, função, etc). O narrador é a própria vida.
Somos dotados de simbologia para o jogo no entanto não somos obrigados a seguir fielmente, criamos novos símbolos e conceitos e montamos os grupos ou “raças” dentro do jogo. Isso se baseia em algum seguimento.
Discordianismo é o jogo de RPG de mesa mais sofisticado da atualidade, ele não precisa de mesa e nem de dados (como eu havia dito antes), o tabuleiro é a vida (lembra os campos de batalhas de Yu-gi-oh). Somos nossos personagens dentro do discordianismo e vivemos num mundo “real” e no virtual. Despojamos nossas ideias para todo mundo ver e interagimos uns com os outros. Isso é uma grande brincadeira.
Discordianismo quebrou todos os paradigmas criando um jogo sem regras. Deixou uma programação livre dentro do jogo e vemos inúmeras cabalas, Igrejas, pensamentos, conspirações, contos, etc...
Discordianismo deixou de ser uma religião e passou a ser jogo também. Qual religião tem esse nível de liberdade e divertimento onde dá gosto de fazer parte? Qual religião prega a liberdade como um todo? Temos a total liberdade e respeitamos uns aos outros (pelo menos foi o que vi até agora... ou há caso de morte entre discordianos? ) Não lutamos entre nós porque não há liderança. O que há é no máximo facções da qual se cria novas cabalas...
A vida é um jogo e PD abriu um portal de um jogo para a vida, ou a vida para um jogo. Ainda acho que o Discordianismo seria religião perfeita para quem é ateu, pois sua concepção ateia seria uma cabala própria... Sei lá!

Algum tempo atrás Timóteo P chegou a cogitar a possibilidade de um outro texto meu (Discórdia Absoluta) em ser um pós discordianismo. Se há ou haverá um pós discordianismo, poderia ser isso! A transmutação de uma religião para um Jogo de RPG de mesa. Ou não.

(não tiro a possibilidade de isso tudo ser uma viagem da minha imaginação fertil)

segunda-feira, janeiro 12, 2015

FNORD, A NOVA ORDEM MUNDIAL

É absolutamente verdade que não há o absoluto. Para tal criou-se uma trama de emaranhada consistência de conhecimento desconhecido pelo público. Essa verdade que você lerá revelará o que tem por trás das mais poderosas organizações.
Um pouco da história da civilização
Você já deve ter ouvido sobre Anunnakis. Se não, leia esse textículo.
A Terra teve uma civilização muito antiga chama Suméria. Lá eles escreviam em tábuas de argila e os arqueólogos de hoje encontraram e traduziram. Nas tábuas de argila havia textos e textos referenciando deuses que vieram dos céus e que voavam em coisas faiscantes. Seus desenhos lembram foguetes.
Esses deuses na maioria dos textos são uma orla celestial onde os protagonistas são Enki e Enlil. As duas teorias é que Enlil criou o jardim do Édem e o depois Enki criou o Homem. A segunda teoria é de que Enlil criou o jardim e o Homem (com H maiúsculo) e Enki aperfeiçoou. De qualquer forma eles criaram a raça andônica derivada dos primatas.
Enki era geneticista. Enlil era comandante e administrador. Ambos tinham conflitos, pois Enlil não aceitava a ideia de misturar DNA (que chamam de marca Anunnaki) em terráqueos.
Eles precisaram fazer isso porque eles vieram para cá em busca de ouro monoatômico para restabelecer o ecossistema de Nibiru. Os GIGI, operários Anunnakis, estavam estressados por trabalhar sendo que poderia ser colocado os próprios terráqueos para trabalhar por eles. O problema é que os primatas não obedeciam ordens e não eram inteligentes. Assim surgiu a necessidade da miscigenação.
Depois disso
Os conflitos entre Enki e Enlil foram demasiado grande por causa do desenvolvimento humano. Eles adquiririam depois conhecimento espirituais e como manipular matéria. Isso levou divergências entre os dois levando a decisão de “limpar” a Terra com cataclismo. Isso é uma longa história. Vou pular para era egípcia.
Era Egípcia
 Enki ficou com o domínio das terras onde desenvolveu os egípcio. Enki ensinou a arte da construção (porque Enki era mais que geneticista, era cientista e engenheiro). Logo depois deixou a cargo o seu filho Toth para ensinar o povo e contruir as pirâmides.
Criou uma sociedade secreta denominada Sociedade das Serpentes, pois Enlil estava de olho no quanto os humanos sabiam do conhecimento supremo dos Anunnakis.
Toth foi o deus da sabedoria para os antigos Egipcio. Foi Hermes Trismegisto que ensinou a arte Hermética empregada hoje em dia nas ordens iniciáticas. É dele a famosa frase: “O que está em cima é o mesmo que está embaixo”. Com os ensinamentos desse semideus (sim! Não se sabe ao certo se foi homem, viveu mais que o homem comum) três iniciados escreveram o livro Caibalion que ensina os princípios herméticos, onde diz que o Todo é mente.
Anunnakis Hoje
Hoje em dia há especulações de que os Anunnakis governam a Terra sutilmente tendo conciliações com os grandes governos da Terra. Quando começou a surgir as ordens secretas, como a dos Illuminatis da Bavária, foi a intenção de romper o domínio da Igreja. FNORD foi o termo usado pelas primeiras ordens secretas, muito antes dos illuminatis, maçonaria, O.T.O, etc...
Não se sabe ao certo quanto tempo depois da Sociedade das Serpentes, mas imagina-se que foi uma derivação dessa. O termo FNORD representava a senha dos membros para filtrar as pessoas.
Atualmente FNORD foi generalizado e usado como meme tecnológico. O grupo discordiano originado entre 1958 e 1960 a partir do livro base Principia Discórdia usa o termo como símbolo de zoação simbolizando uma paródia de cumprimento.
Teoria alternativa

Há uma suposta alternativa de teoria onde afirma que FNORD é usado pelos discordianos para desviar a atenção do verdadeiro grupo. Discordianos, Illuminatis, Maçons e algumas ordens iniciáticas, como a Golden Dawn, têm relações mútuas. Nem todas as lojas maçônicas fazem parte do grupo, mas há interesses comuns de estabelecimento de uma nova ordem mundial onde esse padrão de domínio se rompa. As ideias diferentes seriam uma forma de ampliar as possibilidades e a criação de pequenos grupos seria o passo inicial em busca dessa nova era.

A Partícula Fnord

Olá! Meu nome é Jeridir Dubahim e sou professor pesquisador da universidade de Oklahoma na Índia.
O LHC (aquele aparelho enorme de diâmetro de 27 km que fica na Europa, o acelerador de partículas) detectou uma partícula estranha. Hoje em pleno século21 quando a ciência moderna busca aplicações de todo seu conhecimento recente, vemos descobertas que nos deixam confusos.
Essa partícula apareceu de uma colisão entre dois próton superacelerados com eletroímãs poderosos (isso é o LHC) e “fotografias” então é feita e então observamos os traços de subpartículas.
Normalmente observamos os quarks, alguns neutrinos, etc. Mas dessa vez vimos algo além do esperado. Não sabemos ao certo o que é! As partículas devem seguir uma linha contínua e organizada, previstas por equações matemáticas. Essa partícula simplesmente fez um loop e desapareceu. Depois notamos que a sua carga energética ficou retida no equipamento e agora todos os experimentos até agora realizadas têm interferência direta.

Nós a chamamos de FNORD pela analogia discordiana da confusão. O nome serve bem para seu propósito. A partícula causou um alvoroço entre os físicos teóricos do CERN e os engenheiros elétricos do MIT que vieram tentar resolver o problema.
Meu amigo e colega, Stephen Peter (típico inglês), disse que estaríamos sendo punido por Deus por estarmos fuçando suas coisas como crianças curiosas (risos). S. Peter é físico teórico e trabalhou na busca do Bóson de Higgs. Sua pesquisa é fantástica. Seus trabalhos podem ser achados no Sciencedirect.com.

FNORD obteve bastante atenção durante essas três semanas (veja bem! Eu disse três semanas.) Três semanas sem trabalho é uma dádiva, mas as pesquisas ficam atrasadas e nossos fomentadores não querem saber se houve uma partícula brincalhona que nos atrapalhou.
A partícula foi estudada enquanto os peritos da manutenção (mestres e doutores da área de engenharia). Ela tem a propriedade de mutação. Ela aparece em três estágios nas primeiras 23 fotografias. No primeiro instante ela é apenas um neutrino qualquer, que não interage com qualquer matéria. Depois ela se transforma em um fóton (luz, energia) e depois disso não sabemos o que é. Ela não é detectada, mas sua presença é sentida quando ligamos o acelerador. Nas fotografias sempre vemos os traços de loop dela. É para ela sair de lá, pois a energia que foi usada para gerá-la foi muito maior que estamos usando.

Alguns físicos atômicos estão pensando em escrever artigos sobre a partícula. Isso que é tirar aproveito de um problema. Teorizam uma possível nova classe de partícula que pode fazer a interação entre matéria e anti-matéria. Poderia isso impedir a aniquilação mútua delas e assim armazenar antimatéria. Poderia ser uma fonte inesgotável de energia.
Se FNORD veio para causar problemas, pode ser que veio para salvar as cabeças de muitos cientistas que não sabem o que inventar para conseguir continuando a trabalhar.


Escrevi este artigo para desabafar sobre um problema interno que a mídia ainda não sabe. Depois da busca do Bóson de Higgs (a partícula de Deus) que viviam  anunciando que nós iríamos criar um buraco negro, agora eles podem até afirmar que estamos tentando inventar um portal para a dimensão 23 (risos estridentes de um cientista sátiro).

sexta-feira, janeiro 09, 2015

Musica Silenciosa

Fazendo amor com multidões
Gozando palavras sem sentidos
Amando tudo que me rodeia
Com os pés descalço olhando seus olhos negros
 
Filmes em câmera lenta
Gerando imagens de seu pudor, ó minha Deusa
Agora e sempre te amarei
Com toda minha inconsciência.
 
Dominando meu ego prostituto
Escondendo de mim mesmo
Dormindo em teus braços
Esperando outro beijo seu
 
 
Obs.: Cada inicial representa uma nota musical (por isso está negrito)
É um teste piloto para a revista Randõmica para Discordianos e não-Discordianos.
Ou somente um post qualquer...

quinta-feira, janeiro 08, 2015

A DISCÓRDIA NO PRINCÍPIO


Quando a raça Andônica se estabeleceu em Urântia, vosso indigno planeta, as raças de humanos que habitavam por ali eram subdesenvolvidos ainda. A raça Andônica proveniente de Nibiru  foram os que implantaram o Discordianismo nesse mundo. Eles procriaram dezenas de criaturas que logo, logo estariam andando pela Urântia espalhando a semente do conhecimento.

Um dos comandantes da missão, Enki, foi um dos primeiros a chegar nesse solo. Eles vieram com a missão de procurar ouro monoatômico para realimentar a maçã dourada que protege Nibiru contra as irradiações de seriedade provinda de um quasar próximo. Esse quasar altera magneticamente o comportamento das criaturas limitando o humor. A necessidade proveio de um grande número de suicídios.