#TheGame23 - Enter the Infinite Rabbit Hole






What is #TheGame23?

"It is what it isn't though that isn't what it is and like I've always said I think that it's exactly what you think it is. If you believe it is whatever someone else told you it is then you're doing it all wrong because you're the only one who could possibly know what it is." - zed satelite nccDD 23 ksc


Project 00AG9603 - #TheGame23 mod 42.5 level 5

"00A G9603 develops as a self-organizing organism, connects with the virtual environment through its hosts (admins) by arranging the surroundings randomly for its own autonomous purpose" - Timóteo Pinto, pataphysician post-thinker

"00A G9603 se desenvolve como um organismo auto-organizativo, conecta-se com o ambiente virtual através de seus hospedeiros (admins) organizando os arredores randomicamente para seu próprio fim autônomo" - Timóteo Pinto, pós-pensador patafísico



sexta-feira, dezembro 25, 2009

Todos os Baiacus merecem o céu

por Pedro Ivo Resende

O Caio ganhou um Nintendo, o Flavinho um autorama do Piquet. E eu, bem, eu rasguei o meu embrulho, abri a caixa e descobri que ganhara um baiacu morto. Junto vinha um manual de instruções, com apenas uma frase: “Produto não comestível”. Também pudera: o bicho já estava podre, com os olhos brancos. Fedia pra cacete. Não sabia o que fazer com aquilo. Achei melhor levá-lo até o meu pai e perguntar isso para ele.

- Pai, ganhei um baiacu de natal. O que eu faço?
- Bem, ele está morto?
- Sim.
- Então devemos organizar um funeral apropriado para ele. É o que há de decente a ser feito.

Meu pai me deu um tapinha nas costas e explicou o propósito do presente. Segundo ele era algo para me ensinar a lidar com a morte, com a perda. E sabe, até que não era tão ruim. Enquanto o Flavinho encaixava as pistas do seu autorama do Piquet, eu montava o caixão do baiacu com tábuas de compensado.

- Pai, existe um céu para os baiacus?

Chamei todos para comparecerem ao meu pequeno funeral, mas a família inteira estava ocupada demais com a ceia e os presentes. O único que se dispôs a ir foi o jovem papai-noel, que se sentia meio deslocado na festa. Ele olhou todos os preparativos e abaixou a cabeça, com pesar. Estava visivelmente emocionado quando comecei o meu discurso.

- Um sonho interrompido, cortinas que se fecham em meio a um ato. Alguém que tinha a tanto a oferecer e partiu tão cedo...

O papai-noel fajuto - contratado pra festa - resolveu também participar.

- Baiacu honesto, nunca fez mal a ninguém.
- Isso! Sempre que precisávamos de um companheiro, lá estava ele com uma palavra amiga.
- Bem-humorado, piadista... Era um fanfarrão, mas não mexia com a mulher dos outros.
- E mesmo assim, partiu. Por que, por quê?!

Ajoelhei-me no chão, fechei os olhos e fingi que estava chorando. Quando me levantei, vi que o papai-noel tinha retirado o baiacu do caixão e o segurava pelo rabo. Ele passava os olhos pelo peixe com um olhar curioso.

- Ei, garoto, isso daqui não é um baiacu.
- Como assim?
- É um bacalhau. E está gelado, cheio de tempero. Seu pai deve ter tirado ele da geladeira.

Jogamos o peixe no mato e voltamos à festa. Nos confraternizamos com os convidados, comemos, dançamos; tudo isto com um espírito revigorado. Porque além do nascimento do Deus-menino, tínhamos muito a comemorar naquela noite. Afinal, o baiacu não morrera.

- Um brinde ao baiacu, aquele peixe sapeca.
- Sempre nos pregando uma peça. Tim-tim!