#TheGame23 - Enter the Rabbit Hole








Project 00AG9603 - #TheGame23 mod 42.5 level 5

"00A G9603 develops as a self-organizing organism, connects with the virtual environment through its hosts (admins) by arranging the surroundings randomly for its own autonomous purpose" - Timóteo Pinto, pataphysician post-thinker

"00A G9603 se desenvolve como um organismo auto-organizativo, conecta-se com o ambiente virtual através de seus hospedeiros (admins) organizando os arredores randomicamente para seu próprio fim autônomo" - Timóteo Pinto, pós-pensador patafísico



sexta-feira, dezembro 25, 2009

Todos os Baiacus merecem o céu

por Pedro Ivo Resende

O Caio ganhou um Nintendo, o Flavinho um autorama do Piquet. E eu, bem, eu rasguei o meu embrulho, abri a caixa e descobri que ganhara um baiacu morto. Junto vinha um manual de instruções, com apenas uma frase: “Produto não comestível”. Também pudera: o bicho já estava podre, com os olhos brancos. Fedia pra cacete. Não sabia o que fazer com aquilo. Achei melhor levá-lo até o meu pai e perguntar isso para ele.

- Pai, ganhei um baiacu de natal. O que eu faço?
- Bem, ele está morto?
- Sim.
- Então devemos organizar um funeral apropriado para ele. É o que há de decente a ser feito.

Meu pai me deu um tapinha nas costas e explicou o propósito do presente. Segundo ele era algo para me ensinar a lidar com a morte, com a perda. E sabe, até que não era tão ruim. Enquanto o Flavinho encaixava as pistas do seu autorama do Piquet, eu montava o caixão do baiacu com tábuas de compensado.

- Pai, existe um céu para os baiacus?

Chamei todos para comparecerem ao meu pequeno funeral, mas a família inteira estava ocupada demais com a ceia e os presentes. O único que se dispôs a ir foi o jovem papai-noel, que se sentia meio deslocado na festa. Ele olhou todos os preparativos e abaixou a cabeça, com pesar. Estava visivelmente emocionado quando comecei o meu discurso.

- Um sonho interrompido, cortinas que se fecham em meio a um ato. Alguém que tinha a tanto a oferecer e partiu tão cedo...

O papai-noel fajuto - contratado pra festa - resolveu também participar.

- Baiacu honesto, nunca fez mal a ninguém.
- Isso! Sempre que precisávamos de um companheiro, lá estava ele com uma palavra amiga.
- Bem-humorado, piadista... Era um fanfarrão, mas não mexia com a mulher dos outros.
- E mesmo assim, partiu. Por que, por quê?!

Ajoelhei-me no chão, fechei os olhos e fingi que estava chorando. Quando me levantei, vi que o papai-noel tinha retirado o baiacu do caixão e o segurava pelo rabo. Ele passava os olhos pelo peixe com um olhar curioso.

- Ei, garoto, isso daqui não é um baiacu.
- Como assim?
- É um bacalhau. E está gelado, cheio de tempero. Seu pai deve ter tirado ele da geladeira.

Jogamos o peixe no mato e voltamos à festa. Nos confraternizamos com os convidados, comemos, dançamos; tudo isto com um espírito revigorado. Porque além do nascimento do Deus-menino, tínhamos muito a comemorar naquela noite. Afinal, o baiacu não morrera.

- Um brinde ao baiacu, aquele peixe sapeca.
- Sempre nos pregando uma peça. Tim-tim!

domingo, novembro 22, 2009

Aforismo 001

no mundo temos flores e feras. beleza e destruição. nascimento e morte. porém ele não é esses opostos, e nem sequer eles são opostos. nós apenas os percebemos assim. toda destruição possui em si um devir-beleza, um devir-criação, a morte um devir-nascimento. olhando mais de perto podemos ver que são apenas manifestações diferentes da mesma realidade poliédrica da Trama, poliedricamente irregular, nunca opondo uma face a outra. ou olhando de outro jeito, essas faces nem sequer o são. o ser supõe uma negação, e é isso que cria a ilusão binária. se dissolver o conceito artificial de Ser, de Objeto, revela-se a Potência, que não é una nem plural, pois não é quantificável. somos nós que, com a ilusão do Ser e da busca da Essência, lhe damos forma e número e CPF. lha damos um nome, um rótulo, uma definição. recortamos a realidade e a fragmentamos.

ao dizer que algo nasce, atribuimos a um devir uma existência objetiva, a recortamos de todo o restante da realidade e negamos a existência de outros devires contraditórios. o mesmo ao dizer que algo morre. a morte e o nascimento não são substantivos, não possuem em si substância, fora de nosso próprio mapa de realidade. somos nós que lhes atribuimos sua substância fantasmagórica, "A Morte", "O Nascimento", memes, grades de janelas. as percepções humanas inventam a dualidade, mas o mundo tampouco é uno. a própria unidade é fruto de nosso quantificar. a realidade não possui quantidade, não sendo substância, não possui adjetivo.

então o leitor pensa "mas eu sou! eu estou lendo este texto, portanto eu existo, o que eu experencio é real". pois sim. você é real, eu sou real, este texto é real. mas não por si próprios, porém apenas em experiência. quando a experiência cessa, cessa a realidade. a memória é uma continuação da experiência. sonhos são reais, eles acontecem.

distinção entre material e ideal não faz sentido neste mapa de realidade. alguns dizem que o material, o concreto, é que define a consciência. mas o que é o concreto, pergunto-lhes eu. seria o concreto a economia, como dizem? como eu gostaria de chutar a cotação do dólar! ou seria o concreto a fome, a dor, as sensasões físicas? mas sensações não são produto da mente, relações abstratas? e pensamentos abstratos não se expressam em mudanças concretas na realidade, não são eles próprios também reações químicas e biológicas? onde, no fim das contas, está a oposição entre abstrato e concreto? uma coisa está tão imbricada na outra que querer separá-los e opô-los gera o sentimento de falta que marca nossa civilização. dividimos o mundo e tentamos viver o dia-a-dia em metade dele e buscamos a outra metade em religiões e prazeres e entretenimento.

mas não se trata simplesmente de negar a dualidade em favor de uma unidade essencial de todas as coisas. sendo aí a própria negação o gérmen de nova dualidade, a afirmação de uma verdade superior. dissolvo a dualidade em favor do nulo. no nada não há negação, nem afirmação, apenas há. o nada não é ausência de algo, nem o contrário. é a totalidade da existência, o saldo de todas as equações. não há verdade, pois esta é mais uma relação de sentido, e a realidade não tem sentido.

via O Zenarquista

quinta-feira, agosto 27, 2009

Pastor Timóteo esteja convosco: Ele está no meio de nós!

Por Crownedvic!

Olha ali! Vê aquele homem de bom coração que consegue, há 5 anos, com doces palavras, PROVAR que a vida é bela, que Deus existe, e que ser feliz é simples e fácil? E aquele ali, aquele ingênuo voluntário que abriu um blog (hoje cheio de assinantes) só pra dar esperança às pessoas que se sentiam desamparadas e carentes, e que as tem conseguido convencer que suas vidas só são difíceis e complicadas porque elas é que estão fazendo tempestade em copo d'água? E aquele ali, aquele famoso autor de livros de auto-ajuda que estão no topo da lista dos mais vendidos? E aquele outro, um exímio sedutor na área da lei da atração? - Cuidado!!! Por baixo de um daqueles benévolos sorrisos que transmitem tanta segurança, pode haver, ardilosamente oculto, o sorriso de um... Pastor Timóteo!!!


PASTOR TIMÓTEO VIVE!


Ele nasceu para pregar a harmonia, a ordem, a estabilidade emocional e a concórdia neste mundo tão caótico e perigoso! Ele está no meio de nós, cumprindo sua nobre missão! Ele está em todos os lugares! Ele é todos nós, assim como está em lugar nenhum e não é eu e nem você.


Há muito se vem falando que, no fim dos tempos, o lobo-mau sairá justamente de dentro da vovozinha menos suspeita. Por baixo de quais peles se esconde Pastor Timóteo? - Quem é, e por onde andará... Timóteo Pinto?


Será Zíbia Gasparetto um Pastor Timóteo que arrebanhou milhares de fiéis e, quando chegar o momento derradeiro, lançará impiedosamente uma maçã sobre todos eles? Ou será o padre da esquina um Pastor Timóteo que, após conquistar toda a comunidade na palma da mão, apenas esperará pelo momento oportuno pra dar um peteleco nesse seu rebanho e mandar todos pro fundo do abismo?


Pastor Timóteo está à solta! Pastor Timóteo, nosso sorrateiro Loki; Pastor Timóteo, o maestro! Em qual vovozinha o povo poderá confiar, a partir de então? - Já não se pode mais seguir demagogos com segurança, Pastor Timóteo pode ser um deles... E agora?????


Pastor Timóteo já está, neste exato momento, realizando brilhantes cultos no Reino dos Céus, à direita, e à esquerda, de Deus-Pai-Todo-Poderoso. Pastor Timóteo já tem seu trajeto traçado, e algum dia pegará todos os anjos de surpresa - quando, finalmente, cairá de volta, juntamente com todos eles, nas profundezas do inferno!!!...


Pastor Timóteo esteja convosco; Ele está no meio de nós!

quinta-feira, agosto 06, 2009

The Aftermath Games! Pós-Математика Games!

Atenção, discordianos de todo o Brasil e do mundo!

Estávamos nós, pessoas (e não repolhos) diversas numa conversa pelo IRC e rolou uma ideia interessante: vamos fazer a primeira olimpíada discordiana (e por que não freak em geral? Parrachianos, shiminianos e whatever sintam-se à vontade) de mindfucks! Oh yeah!!!

A idéia (por enquanto) é a seguinte: várias categorias (como a clássica AFUNDE!!) e a competição dividida por cidades - ou seja, podemos jogar em grupos, por cidades. Como definimos o vencedor? Da seguinte maneira:

Supomos que temos o grupo da cidade A, o da cidade B e o da cidade C. O da cidade C fez um mindfuck legal. O da cidade B fez um mindfuck massa. mas o da cidade A fez um mindfuck MUITO foda, desses que você olha e pensa "porra, demais..." - e é esse reconhecimento que vai fazer de A o vencedor. Ou seja: ganha aquele que merecidamente impressionar os outros a ponto dos outros reconhecerem-no como vencedor =)

A data pensada pra ser o início de tudo - com algum tipo de cerimônia de abertura - é dia 20 de Outubro, que é o dia primeiro de consequências - os jogos seriam justamente os jogos pra comemorar essa estação, que é o fim da tediosa estação de burocracia.

Tudo isso é um resumo do brainstorm da conversa; nada aqui está decidido e tudo está aberto a pitacos!! Há inclusive uma ideia de fazer a cerimônia de abertura na Oktoberfest, se a coisa virar e o pessoal for pra lá.

Façam comentários com ideias, twittem com a hashtag #aftermath (mesmo que o nome depois não seja esse), espalhem, etc etc etc



Links Olímpicos Pós-Matemáticos:

Blog dos Jogos

Artigo na Discordiapédia: aqui

:::

quarta-feira, agosto 05, 2009

O vento de espíritos antigos vai soprar no asfalto...

quarta-feira, maio 13, 2009

O funk, minha gente, é o futuro do movimento social

Por Ari Almeida & Marcelo Träsel

o bonde do tigrão vai anarquizar o bananão

Eu acho funk carioca o máximo.

Um bando de analfabetos funcionais miseráveis e sem o menor refinamento se junta, aprende a operar aparelhos até certo ponto sofisticados, apropria-se de peças da indústria cultural e avacalha com tudo, transformando-as em um batidão irresistível pontuado por letras que falam de suas próprias vidas. Cultura popular é isso aí.

Mais do que isso, estes jovens criam um mercado próprio para sua música, inventam festas que reforçam os laços comunitários — muito embora isso em geral envolva tomar posição contra outras comunidades — e criam um sistema de distribuição de renda e ascensão social próprio das favelas.

De acordo com reportagem da revista Carta Capital de 20 de abril, por Pedro Alexandre Sanches, não são raros os funkeiros que faturam mais de R$ 10 mil por mês. Além disso, sua música tem um sistema de distribuição independente de fato, passando longe das grandes gravadoras e até mesmo dos impostos cobrados pelo governo.

Os intelectuais de plantão, quando poderiam enxergar no funk a manifestação de uma imensa criatividade que, bem canalizada, poderia gerar música popular de excelente qualidade, preferem desqualificar o estilo com base em padrões eruditos. É óbvio que o funk é ruim. Difícil é esperar de excluídos semi-analfabetos que façam música que siga alto padrão, com a qual nunca tiveram contato.

Critica-se também a "mensagem" do funk. Mas ora, não se passou décadas exigindo uma cultura verdadeiramente popular no Brasil? Pois aí está ela. As letras falam da vida daquelas pessoas: assassinato e tráfico no horário comercial, sexo e drogas à noite para relaxar. Talvez algumas personalidades mais delicadas sintam nojo ao ver a falta de perspectivas daquela juventude exposta assim, nuazinha.

Assim como se chocam ao escutar meninas pedindo para serem "atoladas no cuzinho" ou coisa que o valha. Acham que isso mostra a exploração sofrida pela mulher nas rudes vielas onde mora a escória. Estranho não passar pela cabeça da gente de bem que elas possam realmente gostar disso e, na verdade, estejam levando o feminismo a um ponto mais alto, mostrando que podem encarar o sexo de maneira tanto quanto ou ainda mais fisiológica do que os homens.

O principal, no entanto, é que eles parecem estar se divertindo. E muito. No fundo, toda a grita contra o funk pode ser preconceito contra o fato de pobres estarem se divertindo. Da direita — porque, audácia! A ralé não tem o direito de se divertir! — ou da esquerda — porque eles deviam estar sofrendo com suas condições de vida subumanas e preparando a revolução, ou ao menos rendendo material para o Sebastião Salgado.

Acho o funk carioca o máximo não tanto como estilo musical — embora admita curtir um pancadão bem pegado em certos momentos —; acho o máximo mais como instituição. O funk, minha gente, é o futuro do movimento social.

:::

http://musicaoriginalbrasileira.blogspot.com/

:::

segunda-feira, maio 04, 2009

Apresentando James Hillman

por Carlos Bernardi

Nota editorial: capítulo da dissertação de mestrado intitulada "Senso Íntimo: Poética e Psicologia, de Fernando Pessoa a James Hillman, defendida em 1995 na Universidade Federal Fluminense.

Igualmente difícil é apresentar a obra e a pessoa de James Hillman. Em primeiro lugar, é uma obra vastíssima que caminha nas mais variadas direções, escrita em vários estilos, com uma profusão de notas de rodapé, tudo com a intenção de fazer justiça à riqueza e pluralidade do psiquismo, e por um autor que confessadamente diz adorar escrever. Em segundo lugar, ele traz à tona formas e maneiras de se conceber o mundo e o homem que, de certa forma, são bastante estranhas ao pensamento atual, tentando, em suas palavras, recapiturar uma antiga direção. Em terceiro lugar, no que diz respeito à sua biografia, os dados que temos são em número ínfimo, porque, segundo Hillman, as idéias são mais importantes do que o homem. Além do mais, não acredita em biografia explanatória, preferindo falar das coisas em que esteve envolvido, num uso quase que parabólico dos eventos e das experiências vividas.

Em seu livro "Entre Vistas" cita como modelo de "biografia" a que Carl Gustav Jung publicou com o título "Memórias, Sonhos e Reflexões", onde o mais importante não são os fatos, mas as experiências. Isto será melhor compreendido quando, mais adiante, estabelecermos a diferença entre estes dois termos, fato e experiência, crucial para o bom entendimento do pensamento de James Hillman.

Importante para nosso trabalho é situar sua formação profissional. Novamente nossa fonte é seu livro "Entre Vistas". Estudou jornalismo, artes, literatura, filosofia ocidental e oriental, nos vários países em que viveu: Estados Unidos, seu país de origem; França; Irlanda; Índia; Suíça. Em Zürich, no ano de 1953, entrou para o Jung Institute, lá permanecendo por quase vinte anos. Nas grandes e ingênuas classificações da Psicologia, James Hillman é, portanto, "encaixado" como Junguiano. Sua postura, entretanto, não é nada ortodoxa. A atitude re-visionista e iconoclasta de suas idéias o impede de aderir dogmaticamente a qualquer corrente de pensamento.

De qualquer maneira, na grande lista das influências que a Psicologia Arquetípica recebeu, o nome de Carl Gustav Jung é colocado em primeiro lugar. O conceito dos arquétipos, padrões básicos e estruturais da psique, é um dos principais empréstimos. Contudo, uma discussão mesmo superficial sobre os arquétipos — conceito muitíssimo mal compreendido pelos críticos, extremamente mal formulado pelo próprio Jung, literalmente entendido por apressados estudantes e leitores da vasta obra de Jung — está fora de questão aqui. Iremos apenas citar, por sua clareza, um pequeno trecho do livro "The Passion of the Western Mind", de Richard Tarnas. Comparando o conceito de arquétipo com o conceito de "semelhanças familiares" formulado por Wittgenstein, Tarnas chega à seguinte formulação "pós-moderna" da idéia original de Jung:

Nesta concepção, os arquétipos são reconhecidos como padrões ou princípios duradouros que são inerentemente ambíguos e multivalentes, dinâmicos, maleáveis e sujeitos a diversas inflexões culturais e individuais, embora possuam uma distinta e subjacente coerência formal e universalidade.2

James Hillman, além do mais, faz uma pequena, mas fundamental modificação da classe gramatical na qual os arquétipos são tradicionalmente colocados. Quando, por exemplo, fala-se em "imagem arquetípica", as posturas clássicas junguianas entendem esta expressão como um indicativo de que esta determinada imagem está associada a um determinado arquétipo. Esta imagem passa a ter uma natureza diferente de outras imagens que não estejam associadas a um arquétipo. É este arquétipo substantivo que dá substância à imagem. Hillman pensa diferente. Ao invés de arquétipo como substantivo, ele concentra-se exclusivamente no arquetípico, em sua capacidade adjetiva. Toda imagem passa a ser arquetípica contanto que a ela seja associada uma idéia de valor. A intenção desse ato valorativo é tornar a imagem mais profunda, mais elaborada, mais envolvente, mais rica e mais necessária. Arquetípica é uma operação que dá importância e fecundidade a qualquer imagem. Arquetípico é algo que fazemos com a imagem e não algo que está na imagem.

A arte é uma terrível missão que deve ser cumprida "monasticamente", por isso só se pode escrever sinceramente, não no sentido menor de identidade ou correspondência entre poema e poeta, mas no sentido maior de escrever algo que contenha profundidade e importância. Nas palavras de Fernando Pessoa: "A finalidade da arte é elevar".3 No célebre oitavo poema do Guardador de Rebanhos, Alberto Caeiro demonstra, em suas andanças com o fugido menino Jesus, o que é esta sinceridade, através de uma atividade que as crianças e os deuses sabem fazer como ninguém, o jogo, misto de ficção e verdade profunda.

Ao anoitecer brincamos as cinco pedrinhas
No degrau da porta da casa,
Graves como convém a um deus e a um poeta,
E como se cada pedra
Fosse todo um universo
E fosse por isso um grande perigo para ela
Deixá-la cair no chão.4

A importância do jogo é afirmada em todo seu extremismo, é um universo. Porém, mesmo assim, não deixa de ser um jogo. Se uma pedra cair, o máximo que acontecerá é deus e poeta porem-se a rir. A partícula ficcional "como se" está presente no poema. O "como se" é uma "complexa conjunção"5 que revela as ficções que existem em variados graus em todas as ciências, na opinião de Hans Vaihinger, autor do livro "A Filosofia do 'Como Se'". James Hillman mostra que, dos três fundadores da psicanálise, Sigmund Freud, Carl Gustav Jung e Alfred Adler, é justamente este último que mais relações estabelece entre Psicologia e a filosofia do "como se". Em seu estudo dedicado a Alfred Adler, Hillman vê no autor austríaco um precursor da "consciência pós-moderna", na medida em que substitui os sistemas "metapsicológicos" de Freud e de Jung por uma atitude que busca revelar as ficções dos sistemas, desliteralizando-os, apontando a perda da capacidade destes sistemas perceberem seus próprios "como se". É também interessante percebermos que, para Adler, o grau de loucura caminha lado a lado com um aumento do literalismo de suas crenças. Para Adler a pessoa normal é aquela que mantém uma postura metafórica diante de princípios e metas. O neurótico, por sua vez, substantiva estes princípios. Já o psicótico eleva-os à categoria de dogmas. Hillman comenta esta equação sanidade, loucura, ficção e dogma.

Se a progressão da sanidade em direção à saúde mental é distinguida pelos graus de literalismo, então a estrada terapêutica que conduz da psicose para a sanidade é aquela que retorna pela mesma passagem hermenêutica — desliteralizar. Para sermos sãos devemos reconhecer nossas crenças como ficções, e perceber as nossas hipóteses como fantasias.6

A atitude de Fernando Pessoa diante de sua obra caminha nesta mesma direção. O poeta se esforça em impedir que seus escritos transformem-se em verdades dogmáticas, abandonando, com isso, a perspectiva ficcional. Vemos, inclusive, dois sentidos para a palavra "sinceridade" em Fernando Pessoa. O primeiro, que discutimos mais acima, diz respeito ao valor do que escreve. Um segundo sentido surge na resistência de Fernando Pessoa em identificar literalmente o conteúdo de um poema com aquilo que o poeta, por ventura, esteja sentindo.

A sinceridade é o grande obstáculo que o artista tem a vencer. Só uma longa disciplina, uma aprendizagem de não sentir senão literariamente as cousas, podem levar o espírito a esta culminância.7

A necessidade de disciplina que o poeta aponta é fundamental para se manter a atitude do "como se", porque é muito difícil aceitar o sentido ficcional das nossas crenças. Acreditar, aceitar, acolher e prestar atenção à retórica das ficções é uma habilidade não encontrada com facilidade. Hillman gosta muito de citar o poeta americano Wallace Stevens que, certa vez, escreveu:

A crença definitiva é acreditar numa ficção, que você sabe ser uma ficção, nada mais havendo. A bela verdade é saber que é uma ficção e que você acredita nela de boa vontade.8

Insistimos nesta questão da diferença que Fernando Pessoa estabelece entre poema e poeta, por ser ela fundamental aos nossos estudos. Da mesma forma, será fundamental não esquecermos o "como se" para apresentarmos a segunda grande influência sofrida pela Psicologia Arquetípica. Trata-se de Henry Corbin, um dos maiores estudiosos do pensamento islâmico, em especial do sufismo e de seus filósofos-místicos Avicenna e Ibn 'Arabi. Coincidentemente, Henry Corbin já foi citado em um estudo sobre Fernando Pessoa. Dalila Pereira da Costa utiliza inúmeras vezes os ensinamentos do estudioso francês em seu livro "O Esoterismo de Fernando Pessoa". Contudo, a diferença que mencionamos mais acima, reaparecerá também na utilização diferente que James Hillman faz de Henry Corbin. Uma vez mais a literalidade do esoterismo será confrontada com a metaforicidade da ficção. Escreve a autora.

A posição ontológica, existencial e gnoseológica do poeta, em perfeita unidade de pensamento, aquela que imediatamente desponta nos anos de sua juventude, é a posição partilhada no esoterismo: o mundo visível é o invólucro do invisível, o que nós vemos é a imagem do escondido. Ao real sensível, corresponde sempre um outro transcendente, que cumpria atingir... O essencial para Pessoa, não está no primeiro plano da realidade.9

Concordamos que Fernando Pessoa tem um interesse num além do real, mas este além não é o além de que falam as religiões e posturas esotéricas. Nem este outro lado é revelado como numa espécie de delírio místico visionário, embora o próprio poeta confesse ter tido algumas experiências deste tipo. Mesmo assim, acreditamos que Fernando Pessoa desfaz suas próprias inclinações a este respeito, como se nunca permitisse que o ficcional escapasse de suas mãos. Fernando Pessoa foi muita coisa, mas nunca deixou de ser poeta, um poeta com interesses filosóficos. Portanto, se há semelhanças entre as experiências místicas e as experiências poéticas e psicológicas, elas irão limitar-se aos seus conteúdos, mas não às formas com que estes conteúdos serão experimentados. A Psicologia aceita o místico, para dele retirar o metafórico. Nas palavras de Hillman:

Quando Jacques Lacan advertiu, como é dito, que a psicanálise desapareceria caso a religião triunfasse, compreendo-o dizendo que a psicologia é impossível sempre que os significados literais triunfam, sempre que o teologizar rompa suas conexões com o psicologizar. Entretanto, essa ameaça está sempre presente.10

Retornando a Henry Corbin, muitas são suas contribuições. A principal delas é mais do que um simples empréstimo de palavra, já aparecida no capítulo anterior. Trata-se do conceito de imaginal, cunhado por Henry Corbin para traduzir a expressão alam-al-mithal, o lugar onde as visões e as histórias simbólicas aparecem, segundo o sufismo. A escolha de "imaginal" por Corbin possui seus motivos, pois negou-se a utilizar a palavra imaginário por ela carregar fortes sentimentos de irrealidade. Corbin não quis trair a experiência descrita pelos sufis, daí sua escolha por imaginal e não imaginário, visto que as imagens encontradas nestas experiências místicas são puramente reais, o que não quer dizer que sejam literalmente reais. "O imaginário pode ser inócuo; o imaginal nunca o pode ser".11

Este mundo de imagens, também chamado por Corbin de mundus imaginalis, é um intermédiário entre o mundo apreendido pelos sentidos e o mundo apreendido pelo intelecto. É um mundo que só pode ser "percebido" pela Imaginação Criativa que, segundo Corbin, não é apenas uma função mental, mas um verdadeiro órgão dos sentidos. Por seu intermédio, "o espiritual toma corpo e o corpo torna-se espiritual".12 Este duplo movimento é, para James Hillman, a essência do que denominou "a base poética da mente", pois seu esforço consiste em dar corpo às imagens e buscar as imagens nos corpos. Em um dos seus primeiros artigos críticos, intitulado "A Nova Poesia Portuguesa no seu Aspecto Psicológico", o jovem Fernando Pessoa raciocina de maneira muito próxima a Corbin e Hillman.

Para o poeta, a nova poesia que estaria surgindo, anunciando um Supra-Camões, seria uma mescla de poesia subjetiva e poesia objetiva. Por um lado é poesia da alma, poesia da vida interior, uma poesia complexa que busca "encontrar em tudo um além";13por outro lado, é uma poesia que se preocupa constantemente com a Natureza, uma poesia que se inspira na Natureza, daí ser também uma poesia objetiva. Estes dois elementos, Alma e Natureza, interpenetram-se produzindo, ao mesmo tempo uma "espiritualização da Natureza" e uma "materialização do Espírito",14 formulações quase sinônimas do título de um dos livros de Henry Corbin: "Corpo Espiritual e Terra Celestial". A esta mistura Fernando Pessoa denominou "transcendentalismo panteísta".

O trancendentalismo panteísta envolve e transcende todos os sistemas: matéria e espírito são para ele reais e irreais ao mesmo tempo, Deus e não-Deus essencialmente. Tão verdade é dizer que a matéria e o espírito existem como que não existem, porque existem e não existem ao mesmo tempo. A suprema verdade que se pode dizer de uma coisa é que ela é e não é ao mesmo tempo. Por isso, pois, que a essência do universo é a contradição — a irrealização do Real, que é a mesma cousa que a realização do Irreal —, uma afirmação é tanto mais verdadeira quanto maior contradição envolve. Dizer que a matéria é material e o espírito espiritual não é falso; mas é mais verdade dizer que a matéria é espiritual e o espírito material. E assim, complexa e indefinidamente...15

Que fabuloso jogo de oposições e contradições! Os famosos oximoros de Fernando Pessoa impedem que as coisas fiquem tranqüilamente definidas em seus lugares. Tudo se torna móvel e fluido. Dessa forma, não podemos dizer que os heterônimos existem, mas também não podemos afirmar que não existem. A saída deste impasse é se prender a ele, é nunca tentar escapar dele. Isto é feito através do jogo ficcional que o poeta chamou de fingimento, assunto, contudo, de outros capítulos.

Henry Corbin ainda nos ensina que as pessoas não possuem a mesma capacidade de discernimento. Alguns homens se prendem ao aspecto material e literal das coisas, o zahir; enquanto outros buscam um entendimento simbólico, o bastin. Podemos afirmar que tanto Fernando Pessoa quanto James Hillman buscam criar uma disciplina do batin, denominada pelo poeta de "senso íntimo" e pelo psicólogo de "cultivo da alma".

Por ora estamos satisfeitos com esta reflexão sobre Henry Corbin. Vamos continuar, pois, com o estudo das fontes da Psicologia Arquetípica. Iremos agora para a Grécia, ao encontro de um de seus obscuros habitantes. Como Fernando Pessoa, também repleto de contradições, paradoxos, oposições e oximoros: Heráclito de Éfeso.

De todos os fragmentos encontrados do filósofo, um deles é utilizado por James Hillman quase como epígrafe da sua psicologia.

Por mais que caminhe em todas as direções, jamais descobrirá os limites da alma, tão profundo é seu logos.16

Hillman comenta que, neste fragmento, Heráclito une alma (psyche), profundidade (bathun) e a complexa palavra logos num único período, tornando-as ligadas e necessárias umas às outras. Alma e profundidade estão intimamente relacionadas. O logos da alma, psico-logia, na opinião de Hillman, é a capacidade de penetrarmos na profundidade das coisas.

Outro fragmento importante para a Psicologia Arquetípica é o de número 123.

A real constituição de cada coisa está acostumada a ocultar-se.17

Para Hillman, a inclinação da alma pelo profundo expressa-se nesta busca pelo oculto, na busca do além, segundo Fernando Pessoa. Porém, não devemos esquecer que por oculto devemos entender todo um trabalho que deve ser realizado sobre as coisas enquanto reveladas através de suas formas. Além de uma nova poesia, nascida da união entre poesia subjetiva e poesia objetiva, temos igualmente uma nova psicologia, que surge no momento em que nos amigamos às imagens e nos prendemos ao seu texto como nos é revelado. Igualmente, não devemos esquecer que oculta não está a verdade do texto, mas suas possibilidades de leituras.

Por último, o próprio Hillman, num importante artigo, estabelece seus precursores. São três: Plotino, Marcílio Ficino e Gianbatista Vico. Os três filósofos pertencem a uma linhagem neo-platônica, cuja característica marcante é o movimento de ver através das realidades literal e pessoal. Estas realidades, imóveis em suas certezas, são substituídas por um jogo imagético-metafórico-retórico, embora o neo-platonismo se prenda muito a posturas alegóricas. Hillman está em busca do espírito do neo-platonismo, não das suas teses em si.

O que encontramos nos três filósofos é a importância dada à alma e à imagem. O conceito, em geral, vinculado à razão, fica em segundo plano. A psicologia que Hillman propõe é uma psicologia da alma e da imagem. Neste sentido, segue Carl Gustav Jung quanto este diz que psique=imagem. A própria palavra psicologia é decomposta em logos da psique para re-significar psicologia como estórias ou discursos da alma através das imagens. Hillman pega emprestado a idéia sufi de recital, a narrativa das experiências vividas no imaginal, como ensina Henry Corbin, para definir a Psicologia como a capacidade de ouvirmos o que as imagens estão a nos dizer.

Todos aqueles que se juntam a Hillman unem-se em torno da importância dessas duas palavras. Isto podemos perceber de maneira inequívoca quando Edward Casey, filósofo que habita este campo de pensamento, diz que imagem não é aquilo que vemos, mas sim como vemos. Para ver uma imagem não basta termos percepções. Algum processo psíquico deve se intrometer nesta atividade para que possamos dizer que estamos lidando com imagens e não com percepções. Este processo é a alma.

Embora não seja ainda o momento de nos aprofundarmos no que James Hillman entende por alma, é importante darmos mais algumas informações. Hillman reutiliza a partição tradicional do ser em espírito-alma-matéria para buscar fundamentar a essência da psicologia.

A alma é vista como um terceiro, um intermediário entre o espírito e a matéria. A alma cria um intervalo de reflexão, um intervalo de leitura, entre as certezas espirituais e materiais. Ela permite o estabelecimento de um jogo, no sentido que Jacques Derrida entende esta palavra. Uma certa contradição poderia surgir aqui. Derrida mostra-nos que o jogo só é aceito por Platão mediante um severo controle pela ética e pela política. Com isso, passa a ser apenas um divertimento e só como divertimento ele pode ser aceito e permitido. Caso compartilhasse a argumentação platônica, a Psicologia Arquetípica destruiria sua concepção básica da autonomia da alma. Por mais que cite Platão e os Neo-Platonistas, James Hillman busca uma relação psicológica com suas idéias e não uma busca de verdades e explicações. Ele não está interessado na verdade de uma idéia, de uma concepção, mas está interessado nas fantasias subjacentes às idéias e concepções. Por este motivo podemos encontrar, em seus escritos, estudos sobre as relações das pessoas com os insetos, elocubrações acerca da concepção que a masturbação enfraquece a mente, tese difundida no século passado, mas que encontramos com facilidade ainda hoje e, só para utilizarmos mais um exemplo de muitos possíveis, as várias fantasias que alimentam as concepções ocidentais sobre o coração.

Podemos esclarecer dessa maneira a diferença entre estas três categorias. Aquilo que a perspectiva material afirma é uma verdade categórica. Um vaso de flores é apenas um vaso de flores. Está à minha frente e posso tocá-lo. Igualmente, o que a perspectiva espiritual afirma é também uma verdade categórica, literal. Um santo, em êxtase, pode voar. Esta afirmação não é uma imagem, é um fato. Espírito e matéria são inexoráveis em suas constatações. A alma entra transformando qualquer uma das duas realidades em imagens. O voar do santo não precisa ser verdadeiro. O jarro de flores diz mais do que ser um simples vaso de flores. A alma permite que joguemos com estas imagens, exatamente por transformá-las em imagens. Em resumo, a alma permite-nos um olhar poético sobre o mundo.

Um exemplo do embate entre matéria e espírito, podemos encontrar nas discussões e investigações entre cientistas e religiosos quando surge alguma imagem de Santa "chorando". É um choro verdadeiro? Um milagre, uma teofania, que transformaria o local em centro mundial de peregrinação? Ou as lágrimas não passariam de humidade absorvida pelo material poroso com que a Santa foi fabricada, expelida sob a forma de gotas? Charlatanismo? No meio desta luta encontram-se os fiéis, com sua teologia popular ávida e necessitada de milagres. Não pensam: "vamos supor que a Santa estivesse chorando, vamos jogar com esta possibilidade, vamos buscar respostas a este choro". Cada qual iria encontrar as suas. Cada qual iria fazer sua leitura do evento. Falta-lhes, contudo, a perspectiva da alma, que colocaria todos no modo ficcional, ou seja, na capacidade de criarmos ficções e acreditarmos nelas, capacidade que James Hillman denominou fé psicológica.

James Hillman retira a psicologia do modelo médico e positivista, com sua ênfase no eu e no desenvolvimento, para vê-la como uma forma de arte, cujo objetivo é cultivar a alma, cultivar uma relação cada vez mais intensa e profunda com ela. O movimento em direção à alma é um movimento de interiorização. Esta interiorização não deve ser entendida como o interior do homem, mas sim o interior das coisas, de todas as coisas. Hillman resgata a antiga idéia da anima-mundi, a alma do mundo, para mostrar que tudo possui alma, que em tudo é possível haver interiorizações. Cultivar a alma é, portanto, entrar gradualmente em contato com a base poética da mente, expressão utilizada por Hillman para apontar o caráter imagético do psiquismo. Poesia e mito são os meios genuínos de expressão da alma.

O dado com o qual a Psicologia Arquetípica tem início é a imagem. A imagem foi identificada com a psique por Jung ("imagem é psique" — CW 13, par. 75), uma máxima que a Psicologia Arquetípica elaborou para entender que a alma é constituída de imagens, que a alma é primariamente uma atividade imaginativa, nativamente e paradigmaticamente apresentada pelo sonho. Pois é no sonho que o próprio sonhador atua como uma imagem entre outras e onde pode legitimamente ser mostrado que o sonhador está na imagem em vez da imagem no sonhador.18

Retornamos, agora, à apresentação da contribuição dos três precursores, Plotino de Roma (século III d.c), Ficino de Florença (século XV) e Vico de Nápoles (século XVIII). Em todos eles alma, imagem e imaginação constituem temas centrais de suas filosofias. Plotino falava da multiplicidade de consciências habitando uma mesma pessoa. Ficino propunha uma contra-educação, por meio da qual ensinar-se-ia a "existência independente do funcionamento psíquico"19. Este funcionamento era considerado como ocorrendo separado do corpo. Hillman esclarece, contudo, que a idéia de corpo, na tradição neo-platônica, diz respeito a um modo de ver o mundo, ou seja, um modo literal, material, inconsciente de outros significados. Gianbatista Vico, o grande crítico de Descartes, anti-positivista, contribui para a Psicologia Arquetípica com suas elaborações acerca do pensamento metafórico. Para Vico, este tipo de pensamento é primário e se manifesta nas principais realizações culturais do homem. É interessante destacarmos que Vico mantinha diálogos imaginários com quatro grandes autores, Platão, Tácito, Grotio e Bacon. E via Homero como um estado mental, um estilo de consciência, ou, nas palavras de Fernando Pessoa:

Deve haver, no mais pequeno poema de um poeta qualquer coisa por onde se note que existiu Homero.20

Dada a importância central da alma na Psicologia Arquetípica, que levou James Hillman a estabelecer como os objetivos da terapia o cultivo desta alma, processo que denominou criatividade psicológica, o mito básico que informa e modela sua psicologia é o mito de Eros e Psique. Hillman vê a escolha, pela psicanálise, do mito de Édipo como o mito básico do psiquismo, condicionada mais a fatores históricos do que estruturais. Do final do século passado, quando a psicanálise foi inventada, até nossos dias, a atitude da cultura diante do psiquismo mudou bastante. Falar de desejos inconscientes, do complexo de Édipo, de conflitos e ansiedade tornou-se corriqueiro. Já não há tanta resistência a mergulharmos nas profundezas de nossas almas como havia no século XIX. Não é mais preciso que o psiquismo seja decifrado pelo esforço heróico da consciência. Já pode ser amorosamente buscado por esta mesma consciência. As épocas possuem seus respectivos mitos subjacentes.

O mito de Eros e Psique nos é apresentado por Lucius Apuleios, poeta helenístico do século II d.c., em seu livro "O Asno de Ouro". Ele conta a estória da bela Psique, filha de reis. Todos os homens a adoravam, tal a magnitude de sua beleza, chegando a dizer que ela era uma nova encarnação de Vênus, agora não mais nascida das águas, mas da própria terra.

O mito conta que a ciumenta e violenta Vênus, deusa do amor, não gostando do que estava acontecendo, visto que o culto da nova deusa estava levando ao abandono de seus próprios templos, resolveu vingar-se de sua mortal concorrente. Chamou seu filho Eros, o jovem alado que espalhava alegria e terror entre homens e deuses, dando-lhe a tarefa de fazer Psique se apaixonar pelo mais vil dos homens.

Psique, para espanto da lógica, não tinha pretendentes. Enquanto suas duas irmãs, que nem de longe aproximavam-se de sua beleza, já se estavam casando.

Eros, pronto para cumprir o pedido de sua mãe, aproximou-se de Psique. Contudo, diante de tanta beleza, ele próprio ficou atordoado. Espetando-se em suas próprias flechas, intoxicou-se de amor, apaixonando-se perdidamente por Psique.

O rei, preocupado com o destino de sua filha, consultou os oráculos. Foi informado de que sua filha devia ser preparada para as núpcias da morte: teria que ser levada ao alto de um penhasco e ali deixada, pois um terrível monstro viria desposá-la. Ninguém sabia, mas o monstro chamava-se Eros.

Psique foi levada pelos ventos para a base do penhasco. Lá encontrou um palácio ricamente construído onde todos os seus desejos eram atendidos por vozes. À noite, Eros visitava sua esposa oculto pela escuridão e pelo anonimato. Amavam-se e Eros prometia a Psique que este paraíso duraria, contanto que ela jamais tentasse conhecê-lo.

Um dia, instigada pela inveja de suas irmãs, Psique preparou-se para descumprir o pedido. Percebendo que Psique desconhecia o marido, retrataram-no como uma serpente que iria devorá-la quando chegasse o momento propício. Armada de uma faca e de uma lamparina à óleo, Psique aguardou o amante. A noite mais uma vez o trouxe. Amaram-se como de costume. Após Eros ter adormecido, Psique começou a agir. Pegou o punhal para cortar a cabeça do monstro, como as irmãs haviam ensinado e acendeu a lamparina para melhor iluminar o caminho de seu gesto. Para seu espanto, ali deitado não estava um monstro, mas o próprio deus do amor, lindo e jovem. Psique encantada tentou beijá-lo. Com a inclinação do corpo, deixou cair uma gota de óleo sobre o ombro do amado. Eros acordou descobrindo-se traído. Pegou sua aljava e partiu voando, terminando sua relação com Psique.

Desesperada, vendo que era impossível alcançar o amante alado, tentou se matar jogando-se num rio. Mas o deus Pã impediu-a. Deu-lhe um conselho: feridas de amor só se curam com amor. Psique decidiu, então, procurar Vênus para tentar recuperar o Amor.

Por ordem da própria deusa, Psique foi torturada: beliscões, puxões de cabelo, espancamentos. Mas Vênus aceitou entregar-lhe seu filho, que neste momento se encontrava preso, contanto que conseguisse realizar quatro tarefas. Separar, no prazo de um dia, um monte de sementes de acordo com tamanho e espécie. A segunda tarefa era pegar alguns punhados de lã dourada dos violentos carneiros do deus Sol. A terceira, encher um frasco com a água de uma fonte que brotava no alto de um rochedo guardada por dois dragões. Por último, ir ao mundo dos mortos e pegar com Perséfone, a rainha do reino, uma caixa contendo a beleza da morte. Psique, ajudada por várias figuras, foi bem sucedida em suas três primeiras tarefas. Na quarta, tudo corria bem até que, de posse da caixinha com tão valioso conteúdo, a própria Psique pensou em ficar com esta beleza, ao invés de entregá-la a Vênus. Abrindo a caixa uma nuvem faz tombar Psique com um sono mortal.

Paralelamente à realização destas tarefas, Eros curou-se de sua ferida. Já fortalecido, conseguiu escapar de seu confinamento. Voando, encontrou Psique caída ao solo, derrotada pelo sono letárgico. Pegou uma de suas flechas e espetou Psique, que foi, dessa maneira, despertada pelo amor. Eros a conduziu ao Olimpo, pedindo que Júpiter intercedesse a seu favor. Com sua ajuda, pôde então, oficializar seu casamento com Psique. Mais tarde tiveram uma filha que recebeu o nome de Volúpia.

Estes são os aspectos principais do mito. Vejamos o que James Hillman tira de importância dele.

Em linhas gerais, o mito se refere ao despertar da alma (Psique) através do amor, reconhecendo a alma como o fator interno que leva às profundezas aludidas por Heráclito. Através da atenção amorosa dada ao psiquismo, como a que ocorre no processo psicoterápico, a alma começa a desenvolver-se e a revelar-se. Para Hillman, é o "mito fundamental da criatividade psicológica".21 O mito narra o que acontece entre as pessoas e dentro das pessoas. Mostra também que o desenvolvimento de Psique não ocorre num mar de rosas. Sofrimento, tortura, depressão, tentativas de suicídio, desânimo são vivências fundamentais de todo o processo. Eros, o amor, é retratado como um grande torturador e não como um querubim bondoso. É um processo difícil e cheio de obstáculos. O belíssimo poema de Fernando Pessoa, Eros e Psique, resume a problemática aludida.

Conta a lenda que dormia
Uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada.

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa Adormecida,
Se espera, dormindo espera.
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado.
Ele dela é ignorado.
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino —
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E, vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora.

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.22

O poema revela que tanto o eu como o outro são despertados pelo mesmo procedimento. O amor pela alma é o amor pela minha alma e pela alma do outro, descobrir um é achar o outro, mesmo que esse processo se dê, a princípio, inconscientemente. A imagem da estrada, obscura e cheia de muros, é especialmente importante, pois o que caracteriza a experiência da alma, para Hillman, é o fato dela não abdicar do sofrimento que encontramos em nosso caminhar pelo mundo. Portanto, mesmo tomando emprestado o termo de Henry Corbin, imaginal, Hillman o concebe de forma diferente daquela descrita por Corbin. O imaginal, na disciplina espiritual do sufismo, é habitado por imagens angelicais carregadas de emoções positivas. O imaginal, como ententido por Hillman, além dessas imagens, também é composto por imagens aflitas, grotescas, patologizadas, sofridas. Hillman não separa a experiência da alma de emoções e vivências das quais não gostamos muito: traição, suicídio, depressão, angústia, repetição, imutabilidade, imobilidade, morte são temas estudados por sua Psicologia, não em busca de sua cura, mas em busca de sua retórica. A poesia de Fernando Pessoa, principalmente a ortônima e a assinada por Álvaro de Campos, fornecem uma base poética a esta concepção de mundo, como neste poema.

Se te queres matar, por que não te queres matar?
Ah, aproveita! que eu, que tanto amo a morte e a vida,
Se ousasse matar-me, também me mataria...
Ah, se ousares, ousa!
De que te serve o quadro sucessivo das imagens externas
A que chamamos o mundo?
A cinematografia das horas representadas
Por atores de convenções e poses determinadas,
O circo policromo do nosso dinamismo sem fim?
De que te serve o teu mundo interior que desconheces?
Talvez, matando-te, o conheças finalmente...
Talvez, acabando, comeces...
E, de qualquer forma, se te cansa seres,
Ah, cansa-te nobremente,
E não cantes, como eu, a vida por bebedeira,
Não saúdes como eu a morte em literatura!

Fazes falta? Ó sombra fútil chamada gente!
Ninguém faz falta; não fazes falta a ninguém...
Sem ti correrá tudo sem ti.
Talvez seja pior para outros existires que matares-te...
Talvez peses mais durando, que deixando de durar...

A mágoa dos outros?... Tens remorso adiantado
De que te chorem?
Descansa: pouco te chorarão...
O impulso vital apaga as lágrimas pouco a pouco,
Quando não são de coisas nossas,
Quando são do que acontece aos outros, sobretudo a mor- te,
Porque é coisa depois da qual nada acontece aos outros...

Primeiro é a angústia, a surpresa da vinda
Do mistério e da falta da tua vida falada...
Depois o horror do caixão visível e material,
E os homens de preto que exercem a profissão de estar ali.
Depois a família a velar, inconsolável e contando anedo- tas,
Lamentando a pena de teres morrido,
E tu mera casusa ocasional daquela carpidação,
Tu verdadeiramente morto, muito mais morto que calcu- las...
Muito mais morto aqui que calculas,
Mesmo que esteja muito mais vivo além...
Depois a trágica retirada para o jazigo ou a cova,
E depois o princípio da morte da tua memória.
Há primeiro em todos um alívio
Da tragédia um pouco maçadora de teres morrido...
Depois a conversa aligeira-se quotidianamente,
E a vida de todos os dias retoma o seu dia...

Depois, lentamente esqueceste.
Só és lembrado em duas datas, aniversariamente:
Quando faz anos que nasceste, quando faz anos que mor- reste.
Mais nada, mais nada, absolutamente mais nada.
Duas vezes no ano pensam em ti.
Duas vezes por ano suspiram por ti os que te amaram,
E uma ou outra vez suspiram se por acaso se fala em ti.

Encara-te a frio, e encara a frio o que somos...
Se queres matar-te, mata-te...
Não tenhas escrúpulos morais, receios de inteligência!...
Que escrúpulos ou receios tem a mecânica da vida?

Que escrúpulos químicos tem o impulso que gera
As seivas, e a circulação do sangue, e o amor?
Que memória dos outros tem o ritmo alegre da vida?
Ah, pobre vaidade de carne e osso chamada homem,
Não vês que não tens importância absolutamente nenhu- ma?23

Este poema, aqui citado longamente, mas não em toda sua extensão, lembra-nos os ensinamentos do mestre Alberto Caeiro, mas com uma dosagem muito maior de angústia, enquanto que em Caeiro parece mais uma aceitação. Este é uma das experiências fundamentais a que a obra de Fernando Pessoa nos conduz, a experiência da morte e da nossa delicada situação existencial. Se as leituras esotéricas de sua obra apontam ou enfatizam momentos em que o poeta versifica o desejo de um além, poetiza uma continuidade post-mortem, ele o faz por estar absolutamente consciente da morte, sem quaisquer certezas ou seguranças. O poema que acabamos de citar nos esmaga, revelando nossa insignificância. A morte é um quarto golpe ao narcisismo do homem, que junto com os de Copérnico, Darwin e Freud, une-se para formar a base a partir da qual alguma coisa pode efetivamente ser construída.

A experiência da morte é absolutamente necessária para o cultivo da alma. É um dos temas mais freqüentes na obra de James Hillman. Pensar na vida é igualmente pensar na morte, pois uma só tem sentido em relação com a outra. Mas isto constitui, para Hillman, uma de nossas grandes dificuldades. Em um de seus livros escolhe o suicídio como objeto de estudo, por ele ser uma das situações mais extremas que podemos encontrar para experimentarmos a morte. É claro que Hillman enfatiza a importância da experiência da morte e não a morte literal, embora admita que para termos a primeira, muitas vezes é preciso corrermos o risco de nos deparar com a segunda. A morte se apresenta para pensarmos profundamente a vida, o que nem sempre ocorre.

O impulso para a morte não necessita ser concebido como um movimento anti-vida; pode ser uma demanda por um encontro com a realidade absoluta, uma demanda por uma vida mais plena através da experiência da morte.24

A morte nos leva a preocupar-nos com coisas essenciais. O envolvimento poético de Fernando Pessoa com o mundo revela este interesse pelo essencial, como já tivemos a oportunidade de mostrar.

A morte é uma grande metáfora que, como toda metáfora, aponta em várias direções. Ele próprio ofereceu algumas possibilidades. Por morte entende o Hades da mitologia grega, com seus dois aspectos. Por um lado riqueza: o Hades é rico em imagens. Por outro lado, estas imagens não se transformam em ação. Elas revelam uma perspectiva puramente psíquica, pois as imagens não têm corpo concreto. São capazes de contar estórias, mas são incapazes de agir. Toda a literatura pode ser avaliada por este ponto de vista. Por isso, Fernando Pessoa sente-se aliviado em relação a Álvaro de Campos, pois sua poesia é uma experiência psíquica que não é concretizada em ações no mundo exterior, caso contrário, "cada poema de Álvaro de Campos (o mais histericamente histérico em mim) seria um alarme para a vizinhança".25 Por isso, James Hillman, ao comentar que o problema do suicídio é seu literalismo, conclui que o "literalismo é suicida".26Quem morre é o ser poético, mesmo literalmente, como aconteceu com Mário de Sá-Carneiro, o grande amigo do poeta.

A ausência de ação, a busca de imagens (e não percepções), a associação entre mundo dos mortos e invisibilidade, todos estes atributos são encontrados no poema dramático "O Marinheiro" de Fernando Pessoa. O drama se passa num castelo antigo. Uma donzela morta é velada por outras três donzelas. Este culto da morte se dá num quarto circular, onde há apenas uma estreita janela. Por ela, entre dois montes, pode-se ver um pequeno trecho de mar. É noite e tudo está absolutamente imóvel. Uma das veladoras começa a contar um sonho que teve. Um marinheiro perdeu-se numa ilha longínqua, sem condições de voltar à sua terra natal. Como sofria toda vez que se lembrava de sua pátria, pôs-se a inventar uma que nunca teve. Sonhava esta nova pátria em todos os instantes por vários anos. "Todos os dias punha uma pedra de sonho nesse edifício impossível...".27O marinheiro criou cidades, ruas, casas, gentes, portos, companheiros, infâncias, etc. Um dia, porém, o marinheiro cansou-se de sonhar. Quis recordar sua velha pátria, mas descobriu que não se lembrava de mais nada. Depois veio um barco que passou pela ilha, mas o marinheiro lá não estava. Uma das veladoras pergunta: "Talvez tivesse regressado à Pátria... Mas a qual?".28 Descobrimos que o Hades, o mundo dos mortos, é o mundo dos sonhos. Descobrimos também, como nos ensinou Heráclito, que há sonhos dentro de outros sonhos dentro de outros sonhos dentro de outros sonhos... Alma é profundidade. Não podemos encontrar seus limites.

TERCEIRA — Será absolutamente necessário, mesmo dentro do vosso sonho, que tenha havido esse marinheiro e essa ilha?

SEGUNDA — Não, minha irmã; nada é absolutamente necessário.

PRIMEIRA — Ao menos, como acabou o sonho?

SEGUNDA — Não acabou... Não sei... Nenhum sonho acaba... Sei ao certo se o não continuo sonhando, se o não sonho sem o saber, se o sonhá-lo não é esta coisa vaga a que eu chamo a minha vida?... Não me faleis mais... Principio a estar certa de qualquer coisa, que não sei o que é... Avançam para mim, por uma noite que não é esta, os passos de um horror que desconheço... Quem teria eu ido despertar com o sonho meu que vos contei?... Tenho um medo disforme de que Deus tivesse proibido o meu sonho... Ele é sem dúvida mais real do que Deus permite... Não estejais silenciosas... Dizei-me ao menos que a noite vai passando, embora eu o saiba... Vede, começa a ir ser dia... Vede: vai haver o dia real... Paremos... Não pensemos mais... Não tentemos seguir nesta aventura interior... Quem sabe o que está no fim dela?... Tudo isto, minhas irmãs, passou-se na noite... Não falemos mais disto, nem a nós próprios... É humano e conveniente que tomemos, cada qual, a sua atitude de tristeza.29

Fernando Pessoa denominou este texto de drama estático ou teatro estático, onde o enredo não se transforma em ação nem as figuras se movem. Mas há "a revelação das almas através das palavras trocadas".30Este drama estático é, em parte, semelhante ao que Hillman tenta com seus objetivos psicoterápicos: uma transformação radical da consciência, abandonando suas preocupações exclusivamente diurnas, para mergulhar no mundo noturno das imagens psíquicas, com a intenção de ouvir suas estórias com um ouvido poético, "reconhecendo que toda realidade, não importa de que espécie, é, antes de tudo, uma imagem da fantasia psíquica".31

Toda a psicologia de James Hillman tem como objetivo nos tornar capazes de suportar e aceitar as expressões da alma como ela é, não como gostaríamos que ela fosse. Abandona as fantasias de desenvolvimento, de cura, de totalidade e plenitude, em troca de uma perspectiva que nos faz mergulhar na dor do mundo e na dor do ser (no ser do ente), com seus conflitos e ambigüidades. O homem inserido no mundo. Sua alma fazendo parte da alma do mundo.

Em qualquer perspectiva há algo que não funciona. Em tudo há um sofrimento, uma limitação. Hillman chamou esta experiência de "infirmitas". Toda escolha envolve uma infirmitas. Talvez possamos compreender melhor as dificuldades pessoais de Fernando Pessoa, aceitar melhor suas abdicações. Aceitar melhor nossas abdicações, que uma psicologia baseada na idéia de crescimento, desenvolvimento e normalidade não nos permite.

Dessa forma, aspectos "positivos" e "negativos" de qualquer vivência estão intrinsecamente relacionados. Não podemos obter um, sem vivenciarmos o outro. Isto talvez explique, ou contribua com outra explicação para as cartas de amor ridículas , como diz Álvaro de Campos, de Fernando Pessoa para Ophélia Queiroz.

Quando nos poderemos nós encontrar a sós em qualquer parte meu amor? Sinto a boca estranha, sabes, por não ter beijinhos há tanto tempo... Meu Bebé para sentar ao colo! Meu Bebé para dar dentadas! Meu Bebé para... (e depois o Bebé é mau e bate-me...) "Corpinho de tentação" te chamei eu; e assim continuarás sendo, mas longe de mim.

Bebé, vem cá; vem para o pé do Nininho; vem para os braços do Nininho; põe a tua boquinha contra a boca do Nininho... Vem... Estou tão só, tão só de beijinhos...

***

Bebezinho do Nininho-ninho:

Oh!

Venho só quevê pâ dizê ó Bebezinho que gotei muito da catinha dela. Oh!

E também tive munta pena de não tá ó pé do Bebé pâ le dá jinhos.

Oh! O Nininho é pequinininho!

Hoje o Nininho não vai a Belém porque, como não sabia se havia carros, combinei tá aqui às seis ho'as.

Amanhã, a não sê qu'o Nininho não possa é que sai daqui pelas cinco e meia (isto é a meia das cinco e meia).

Amanhã o Bebé espera pelo Nininho, sim? Belém, sim? Sim?

Jinhos, jinhos e mais jinhos.32

A infantilidade destas cartas é muito comentada. Mas será que são diferentes de outras cartas de amor? E se são, quem está errado: Fernando Pessoa que escreve cartas de amor ridículas, ou alguém, que nunca se permitiu ser ridículo escrevendo cartas de amor? Além do mais, os críticos tiram conclusões acerca da sexualidade de Fernando Pessoa unicamente baseados nas cartas. Na verdade, ninguém sabe o que acontecia nos encontros entre o poeta e sua amada. Mas, acreditamos, que as reticências, "...", que aparecem em trechos de várias cartas são bastante eloqüentes. Mas, acreditamos, namorar Fernando Pessoa não devia ser tarefa simples.

Antônio Quadros cita duas dessas interpretações. David Mourão-Ferreira julga que o uso das expressões Bebé, Bebezinho, Bebé pequenino, Bebé-anjinho, etc. eram conjuros mágicos com a intenção de que Ophélia permanecesse no estado de mítica infância. Na mesma linha de pensamento, Yvette Centeno escreve que Fernando Pessoa não podia ver sua amada exceto como criança. "Pois como mulher poria em risco o seu próprio equilíbrio, todo feito de recusa, e não de aceitação do outro e de si mesmo".33

Sem dúvida, são leituras possíveis, mas não as únicas. A relação de Fernando Pessoa com a mulher ou com o casamento, que acreditamos ser mais básico aqui, é muito mais complexa do que parece. Além do mais — este é o ponto miticamente enfatizado por James Hillman em relação ao amor —, a experiência amorosa traz uma sensação de revitalidade juvenil, com brincadeirinhas, vozes infantis, chorinhos, demonstrações pueris de coragem, valorização de objetos ridículos como o celofane do primeiro bombom compartilhado, que é guardado como tesouros de inestimável valor, ou então, o cartão que acompanha o valioso presente, talvez mais importante do que ele próprio. Por isso, os gregos representaram acertadamente este encontro sob a forma de duas crianças, Eros e Psique. Para Hillman, não podemos experimentar a energia renovadora das imagens da infância, sem experimentarmos igualmente o infantilismo a ela associado. Comentando sobre a importância dos estórias para crianças, escreveu.

Ser adulto passo a significar ser adulterado com explicações racionalistas, e evitar infantilidades como as que encontramos nos contos-de-fadas.34

Como dissemos no começo deste capítulo, a obra de James Hillman é vastíssima e multi-direcionada.

2 Tarnas, Richard. The Passion of the Western Mind, págs. 405-406.

3 Pessoa, Fernando. Obra em Prosa, pág. 226.

4 Pessoa, Fernando. Obra Poética, pág. 211.

5 Vaihinger, Hans. The Philosophy of 'As If', pág. xli.

6 Hillman, James. Healing Fiction, pág. 111.

7 Pessoa, Fernando. Obra em Prosa, pág. 240.

8 The final belief is to believe in a fiction, which you know to be a fiction, there being nothing else. The exquisite truth is to know that it is a fiction and tha you believe in it willingly. Citado in Hillman, James, Healing Fiction, p. IX.

9 Costa, Dalila L. Pereira da. O Esoterismo de Fernando Pessoa, págs. 33 e 34.

10 Hillman, James. On Paranoia, pág. 39.

11 Corbin, Henry. Spiritual Body and Celestial Earth, pág. X.

12 Corbin, Henry. Creative Imagination in the Sufism of Ibn 'Arabi, pág. 4.

13 Pessoa, Fernando. Obra em Prosa, pág. 384.

14 Pessoa, Fernando. Obra em Prosa, pág. 386.

15 Pessoa, Fernando, Obra em Prosa, pág. 393.

16 Heráclito. Citado in: Hillman, James. The Dream and the Underworld, pág. 25. Outras traduções deste fragmento são as seguintes. Emmanuel Carneiro Leão: "Não encontraria a caminho os limites da vida mesmo quem percorresse todos os caminhos, tão profundo é o Logos que possui."; Rodolfo Mondolfo: "Los límites del alma, por más que procedas, no lograrías encontrarlos aun cuando recorrieras todos los caminos: tan hondo tiene su logos"; G. S. Kirk: "Não é possível descobrir os limites da alma, mesmo percorrendo todos os caminhos: tão profunda medida ela tem".

17 Heráclito. Citado in: Hillman, James. The Dream and the Underworld, pág. 26. Os outros autores citados, traduzem desta forma este fragmento. Emmanuel Carneiro Leão: "Surgimento já tende ao encobrimento"; Rodolfo Mondolfo: "Según Heráclito, la naturaleza suele ocultarse"; G. S. Kirk: "A verdadeira constituição das coisas gosta de ocultar-se".

18 Hillman, Archetypal Psychology, pág. 6.

19 Hillman, Plotino, Ficino and Vico as Precursors of Archetypal Psychology, p. 155.

20 Pessoa, Obra em Prosa, p.147.

21 Hillman, James. The Myth of Analysis, pág. 55.

22 Pessoa, Fernando. Obra Poética, pág.

23 Pessoa, Fernando. Obra Poética, págs. 357-359.

24 Hillman, James. Suicide and the Soul, pág.63.

25 Pessoa, Fernando. Obra em Prosa, pág. 94.

26 Hillman, James. Suicide and the Soul, pág.13.

27 Pessoa, Fernando. Obra Poética, pág. 446.

28 Pessoa, Fernando. Obra Poética, pág. 447.

29 Pessoa, Fernando. Obra Poética, pág. 448.

30 Pessoa, Fernando. Obra em Prosa, pág. 283.

31 Hillman, James. The Dream and the Underworld, pág. 137.

32 Pessoa, Fernando. Obras de Fernando Pessoa, Vol. II, págs. 241 e 248.

33 Centeno, Yvette. Fernando Pessoa, Ophélia-bebézinho ou o horror do sexo. In: Colóqui-Letras, nº 49, Lisboa, maio de 1979, pág. 16. Citado em: Quadros, António. Fernando Pessoa: Vida, Personalidade e Génio, págs. 176-177.

34 Hillman, James. A Note on Story, pág. 3.

fonte: http://rubedo.psc.br/Artigos/apresjh.HTM

sábado, maio 02, 2009

Tem socialite no funk

por Melina Dalboni

A mais nova funkeira do Rio não vem dos morros. Cunhada de João Gilberto e filha do conhecido dentista Olympio Faissol, a cantora Heloísa Faissol anda fazendo sucesso no Youtube com a música "Dou pra cachorro". Aos 38 anos, depois de ter sido estilista, acrobata, atriz, pintora e bailarina, a socialite resolveu cantar funk safadinho, chocando a família e o high society.

- Estou sem falar com minha família desde o ano passado. Tenho um irmão diplomata que está achando que eu estou doente - conta, às gargalhadas.

Heloísa vem sendo chamada de a nova Narcisa Tamborindeguy, de quem ela até admira a "autenticidade", mas acha que falta pé no chão. O outro apelido é Heloísa Quebra-Mansão.

Mas, por que agora a música? Por causa do Chico Buarque, ela exclama. Na tentativa de conquistá-lo, Heloísa escreveu textos, cartas, poemas, músicas e pintou quadros. Sua última cartada foi arriscar um rap: "Miau, miau, miau, pode até fazer au-au, pois só vou me sossegar quando eu te conquistar".

- Quando conheci o Chico, eu o admirei muito. Além de ser um grande artista, ele é ótimo pai, respeita a ex-mulher, é encantador, ético, ajuda outros artistas, ajuda os pobres, daí fiquei meio obcecada por ele. Tive até que fazer terapia porque minha vida parou - conta.

Admiradora de Preta Gil, Rita Lee e Carla Bruni, a funkeira que só tem "Dou pra cachorro" atualmente no repertório, atrai críticas. O DJ Marlboro disse que entende "quando os meninos da comunidade lançam músicas pornográficas, apesar de não concordar", mas uma patricinha ele não aceita porque "é muita queimação de filme para o funk". Por outro lado, Heloísa recebe o apoio de Tati Quebra-Barraco, com quem pensa em gravar.

- Por causa dessa música, ficam falando que eu sou burra. Mas deixa pra lá, um dia eu vou mostrar minhas outras letras, que falam de política, amor, crise, drogas - diz, enquanto fuma um... Marlboro.

Ela gostaria de gravar um CD e se apresentar no Via Show:
- Com a música, eu me encontrei. Não tenho dinheiro para fazer um CD agora, mas não vou desistir, mesmo sem o apoio da família.

Seu filho, João Artur, de 12 anos, entende o trabalho, ela diz.

Desde que começou a cantar seu primeiro e por enquanto único funk (Versão original: "Tô fervendo, tô no ponto, eu dou no primeiro encontro/ Se você for tarado, vem que eu gosto do babado"), as relações com a família estremeceram:
- Minha mãe mandou um recado de que me perdoou. Mas, de quê? Eu não matei, não roubei, não traí, não menti, mas eles não compreendem meu trabalho. Meu pai é um que vem com um discurso moralista.

João Gilberto, pai de sua afilhada Luisa Carolina - filha de sua irmã, Cláudia Faissol - também parece não aprovar.

- Soube que ele disse "A Lolozinha está muito doente. Precisa ser tratada". Ficou horrorizado - conta - Mas o João é um amor.

A carioca, que agora frequenta o Morro da Babilônia, no Leme, quer distância das "festas chatas" e dos "papos fúteis".
- O high society é falso. As pessoas mais simples falam na lata: "O cara transava mal pra caramba, parecia uma britadeira". As socialites dizem, com um sorrisinho: "Ai, ele é um amor". Às vezes, nem transam, nem gozam, mas têm que representar aquele personagem lady.

Depois de ser chamada de "Helouca" pelos antigos amigos, ela decidiu só andar com artistas e a turma da comunidade.

Formada pela Escola Suíço-Brasileira, em Santa Teresa, Heloísa estudou com Letícia e Tonico Monteiro de Carvalho, Marisa e Maria Rita Magalhães Pinto e Jaqueline De Botton. Aos 17 anos, foi morar em Paris, onde se formou em moda pela Esmod. Quando voltou ao Rio, resolveu abrir um ateliê, que durou pouco mais de um ano. Então estudou marketing, acrobacia, circo, pintura e namorou Duda Lacerda Soares, Andy Lundgren, João Pellegrino e o editor Charles Cosac.

Hoje, apesar de cantar para quem quiser ouvir que dá pra cachorro, conta que "está na seca".
- Eu adoraria estar dando pra cachorro porque quem dá pra cachorro deve estar feliz. Mas eu sou muito romântica. Escrevi essa letra inspirada numa amiga que estava dando mole para todos os homens num bar, e no Nietzsche, meu cachorro, que ficava trepando na perna de todo mundo que ia lá em casa.

A música que toca nas rádios é uma versão mais light da que roda na internet. Os DJs acharam o funk pesado demais e pediram uma letra mais leve.
- A maioria das pessoas para quem eu mostro a música cai na gargalhada. É quase uma coisa infantil, é lúdica, debochada.

Heloísa tem na gaveta o "Funk da galinha": "Cócórócócó, vem, me roça o fiofó/ Cócórócócó, te dou mole, dou sem dó".

Resta saber se as rádios vão pedir uma versão mais leve...

fonte: O Globo

:::

http://musicaoriginalbrasileira.blogspot.com/

:::

quarta-feira, abril 01, 2009

Anão vestido de palhaço mata 8 - A Saga de Josef

por Marcos Barbará

Prefácio

A saga de Josef, o Anão, se desenrolará sem o menor sentido, lógica ou coerência. Obviamente inspirada no pior de Monty Python, Woody Allen e Douglas Adams, começou a ser escrita em 2004 e jamais terminará, apenas para irritar a imprensa especializada. Não que o autor tenha alguma idéia do que está fazendo, ele apenas escreve em intervalos não-periódicos, normalmente intercalados com ofensas aos leitores.

Há aqueles que dizem que Josef tem um pouco de cada um de nós, e esses são os mais idiotas. A ligação com os fatos históricos narrados é perfeitamente plausível, desde que você acredite no Wikipédia.



Croácia, verão de 1999. Nevava. Era mesmo um verão estranho. Zagreb amanhecia escura, sem saber que Josef, o Anão, amolava sua faca com um carinho todo especial...

... naquela manhã, Josef acorda e descobre que seu papagaio foi nomeado Ministro da Economia. Morre de inveja e tenta suicidar-se, mas seu revólver é daqueles que disparam uma banderinha com a palavra "bum!". A bandeirinha acerta seu olho mas ele sobrevive, passando a enxergar tudo em duas dimensões.

Após correr pelado em um campo de golfe por não conseguir cortar os pêlos de suas costas, Josef, o Anão, consegue um emprego de tenor na Orquestra de Zagreb, e é demitido 15 minutos depois por não conseguir fazer o sinal de aspas com dois dedos de cada mão. Amargurado, ele dança até a beira do lago, onde contempla a si mesmo durante quarenta minutos. De repente dorme e sonha com um cabrão, uma besta mitológica com a cabeça e o corpo de um leão, mas não do mesmo leão.

Ao acordar, Josef decide procurar emprego no crime organizado, porque gosta de ser beijado na face como um italiano. Conhece então Little Joe Brumbble (também conhecido como Big Joe Brumbble), um sujeito tão desconfiado que não dava as costas a ninguém e, por isso, andava pelas ruas girando, rodopiando constantemente.

Foi então que Josef, o Anão, decide fazer uma ode a seu pâncreas, a quem chama carinhosamente de "Franklin Delano Roosevelt". A ode torna-se um sucesso instantâneo, e Josef é convidado para uma festa no Sindicato dos Produtores de Bibelô, onde bebe, faz um discurso, vira o centro das atenções, e faz amor com três mulheres, tudo isso em sete minutos.

Neste momento, percebe que sua alma está saíndo de seu corpo para fazer uma chamada telefônica. Dez minutos depois, é preso pela Interpol, pelo fato de sua obra "Ode à Franklin Delano Roosevelt, Meu Pâncreas" ser um plágio de "Ode à Winston Churchill, Meu Duodeno", publicado duas semanas antes pelo Rabino Zevin. Este processa Josef, que é condenado a pagar setecentos milhões de dólares ao Rabino e obrigado a usar suspensórios no Dia do Trabalho.

Josef se recusa a usar suspensórios, por "deixar a impressão que tenho 62 centímetros, e não 65", e é levado para a Prisão de Greb, em Zagreb. Lá conhece Ti Ma, um chinês que se veste de esquilo para não ser mais confundido com Mao Tse-Tung.

Treze segundos depois, Josef descobre que Ti Ma é seu irmão, e chora copiosamente como uma ovelha. Quatro minutos depois, Ti Ma morre de tifo. Utilizando apenas suas mãos e os conhecimentos adquiridos na Universidad Autónoma de Cochabamba, Josef faz uma cirurgia para ressuscitar seu irmão. Em quinze minutos de procedimentos cirúrgicos, Josef profere vida a seu irmão e cura sua lordose. Ti Ma levanta, prepara-se para fazer um discurso, porém é mordido por uma doninha, cai, e morre. A habilidade de Josef é reconhecida e ele é levado ao encontro do grão-vizir de Zagreb para acompanhá-lo em uma pescaria de atum.

Então disse o grão-vizir a Josef, "estive pensando em como minha vida seria diferente se eu tivesse nascido um dia antes do dia que nasci". Em um momento de sublime inspiração, Josef proferiu que "pouca coisa mudaria, a não ser o fato de que você teria feito essa mesma pergunta ontem". Libertado pelo grão-vizir por sua sabedoria, o Anão vai ao supermercado comprar tubérculos, e lá encontra John C. Willow, o homem que venceu o Prêmio Nobel da Paz após matar seus quatro concorrentes.

Willow confunde Josef com um pernil assado, coloca-o dentro de uma caixa de isopor e começa a correr em grande velocidade pela calçada, derrubando todos que encontra em seu caminho. Aproveitando-se de um breve momento de distração de John C., Josef salta da caixa, caindo dentro de um cesto de vime de uma mulher africana que colhia figos. No meio das frutas, o Anão tem um insight, levanta-se e proclama ao povo: "A verdade é a fortaleza dos inocentes!". Todas as pessoas param instantaneamente, inclusive o trânsito e todos os sons da cidade. Lentamente, começam a aplaudir, uníssonos, ao mesmo tempo que surge uma fanfarra. Josef é erguido aos braços da multidão, ganha a chave da cidade, e é nomeado como Mulá de uma religião xiíta ortodoxa.

Assustado, Josef percorre a planície do Cáucaso por 6 dias e 6 noites, e então encontra um sujeito que lhe faria uma revelação bombástica, se estivesse sóbrio. Janko Milaszkiewicz, um polonês desempregado, mantinha sua funções vitais ativas com a ingestão de leguminosas que ele próprio plantava em seu jardim hidropônico. Vivendo sozinho desde 1917, Janko nunca foi popular, e os poucos amigos o abandonaram ao descobrir que ele possuia dez dedos nos pés, sendo nove dedos no pé esquerdo e um no pé direito. Discreto, muitas vezes incógnito, caminhava rumo ao anonimato total. A única felicidade do polaco consistia em conversar com Puppy, uma fuinha maltesa. A diminuta criatura lhe transmitia carinho e confiança, ao mesmo tempo que cozinhava e anotava os recados. Após uma troca de olhares, Josef repudia a fuinha, cospe ao chão, e decide fazer do objetivo de sua vida a extinção de todos os animais do filo dos Chordata. Então Josef desafia Janko a um duelo que custaria a vida de um dos envolvidos na balbúrdia.

Janko afaga Puppy, sua fuinha maltesa, e após cantar "The Candy Man", atira com um estilingue em Josef, que desvia e comemora como se fosse um gol. Transtornado, o polonês se recolhe no canto da sala em posição fetal, ao mesmo tempo que Josef imita um quero-quero. Então uma revoada de patos migratórios invade o recinto, dispostos em V, capturam Puppy, e somem no horizonte em câmera lenta. Janko se aproxima de Josef e pede para ser sacrificado. O Anão apalpa sua cútis e declama: "Ninguém pode ser sábio com o estômago vazio". Miguel de Unamumo entra no ambiente, reclama por ter perdido a consulta no periodontista, e foge. Minutos depois, Janko é levado pela Companhia das Índias Ocidentais, em troca de rum e melaço. Livre da ameaça hidropônica, Josef segue livre seu caminho em busca de alcaparras, mas cai em um vórtice do espaço-tempo e é jogado no ano de 1327, onde decide abrir uma padaria de pães artesanais em sociedade com Sean Connery.

Enquanto a padaria seguia rumo à bancarrota, Josef divertia os locais com seus intrigantes passos de Lambada Escandinava. O ritmo frenético e contagiante fez com que Josef ficasse famoso da Prússia até o Reino Ostrogodo. Contaminado pelo ciúme, Sean Connery decide eliminar Josef utilizando uma broa envenenada, forjada meses antes para tal intento. Josef aceita a broa com júbilo, sorri, e ao aproximar seu maxilar da mortífera massa fermentada, Connery se arrepende, e gritando em câmera lenta, se arremessa na direção do Anão, que rola e cai ao solo, ao lado do quitute da morte. O escocês conta a verdade a Josef, que afaga a face de seu quase-executor, e o perdoa, declamando: "Poupe seus ovos e serás um grande galináceo". Sean Connery, em êxtase, ergue o Anão como um troféu e em seguida o abraça carinhosamente por 19 minutos, mantendo-se em catarse por tempo indefinido. A fama de benevolente de Josef se espalha com a ventania e dois dias depois ele é eleito Papa. Porém, o destino de Josef e, quiçá, de toda a humanidade, estaria nas mãos daquele que sabia tanto sobre sua importância para o mundo quanto um brócolis sabe sobre a história da União Soviética: Sr. Rufus Donato.

Sr. Rufus Donato estava satisfeito em seu cubo, ao qual denominou sabiamente de "cubo". A frustração por descobrir que a União Soviética ainda não havia sido criada em 1327, aliada ao fato do Trópico de Câncer se localizar no hemisfério norte, tornaram o Sr. Rufus Donato tão amargo quanto Robert De Niro em "Taxi Driver". Quando descobriu que Josef fora proclamado Papa, Sr. Donato pensou, enquanto roía obsessivamente as unhas do pé, que o Anão poderia evocar um movimento tectônico e criar a União Soviética. Partiu imediatamente à caça de Josef, não sem antes tropeçar nos pedaços de unha cuspidos no chão. O andar do Sr. Rufus, que a cada três pulinhos exclamava 'plim!' e sacudia os chocalhos costurados nos bolsos do seu paletó, chamou a atenção de todos do vilarejo, que taparam os olhos com a mão esquerda, fazendo com que Sean Connery despertasse de sua catarse cheio de flunfas em seu umbigo.

Exatamente ao mesmo tempo em que Josef vencia um duelo de rappers contra o Coral Grego de Canto Gregoriano, Sr. Rufus Donato corria em espantosa velocidade pelas ruas medievais, guiado por doze bilhões de vespas africanas, atrás dos rastros do Anão, seu suposto salvador. Porém, quando alcançou a velocidade mítica de 27 nós, tropeçou em Santo Agostinho, que ensaiava para um papel mediano em Procurando Nemo. Ouvindo a algazarra formar-se no vilarejo, Josef sai à varanda, e mais que automaticamente seu olhar se encontra com o olhar de Sr. Rufus Donato. E foi então que o mundo parou.

Eis que chega o momento de Josef revelar parte do segredo de sua felicidade. Do horizonte surge um urso panda de 120 metros chamado Chu, que corre ao encontro de seu satisfeito proprietário. Chu é uma entidade cativante, que acha todas as pessoas legais, e não pára de repetir que precisa de amor. Sem proferir uma palavra sequer, e fazendo um leve movimento com a cabeça, Josef manda Chu ao encontro do Sr. Rufus Donato, que, extasiado, começa a correr em círculos em volta de seus próprios cotovelos, e instantaneamente adota Chu oferecendo seu amor incondicional. Por maior que possa parecer, o amor do Sr. Rufus Donato não era suficiente para suprir a carência afetiva de Chu, que se transforma em um artefato inanimado. Chu, sugando todo o amor medieval do condado, cria um vórtice que leva todo o vilarejo para a remota Normandia, em 1066, no instante em que Haroldo III da Noruega invade a Inglaterra com a ajuda de Tostig Godwinson, ex-Conde da Nortúmbria e irmão renegado de Haroldo II, expulso da corte depois de tropeçar e cair em público.

Atordoado, Josef aproxima-se de um castelo, e sua única entrada está guardada por hunos truculentos que só o deixarão entrar se ele se chamar Douglas. Afortunadamente, aproxima-se dos portões do castelo uma multidão carregando uma faixa com os dizeres "XVII Convenção Anual dos Douglas". Josef se entranha em meio aos Douglas e consegue entrar, de ceroulas, mas é flagrado cantarolando "Assim Falava Zaratustra" durante a execução do hino normandio. O Anão alega tratar-se da canção-tema da "Pequena Sereia", e começa a dançar charleston com grande desenvoltura, mesmo amarrado como um cordeiro. Surge então o gerente do castelo, um homem com tanto poder que possui a alcunha de faraó grão-czar. Ele parece apreciar a agilidade de Josef, mas se distrai com duas pombinhas, e Josef é encaminhado ao calabouço, onde conhece Nietzsche, que está lá por não saber soletrar seu próprio nome.

E de um fosso no fundo do castelo, ao som de "Doze milhões de pulgas estão me carregando", grande sucesso da época, emerge um trono. Neste trono está sentado um homem minúsculo, que carrega como vestimenta seu crachá desproporcional com seu cargo gravado: "Faraó Grão-Czar - FGC". Cinco estagiários o ajudam a levantar sua micro-cabeça, que fica sempre baixa devido ao peso do cordão do crachá. Os estagiários acabam se confundindo e levantando os braços e as pernas de FGC, criando um estranho balé. Josef não suporta a idéia de comer pratos temperados com cominho todas as manhãs, e, com o punho erguido, declara a independência da Caxemira. Inexplicavelmente, Nietzsche começa a brigar consigo mesmo, atraindo a atenção de FGC, dos guardas e dos estagiários, deixando livre a passagem de Josef para a liberdade.

Josef se esquiva dos guardas e, tal como um saltador mexicano de penhascos, se atira ao mar, onde começa a fazer movimentos de golfinho, chegando desta forma no Estreito de Bering em seis minutos. A ginga frenética do Grande Anão causa um enorme atrito entre seu diminuto corpo e as moléculas da água do mar, tornando aquele pequeno espaço de oceano em um colapsal redemoinho do tempo, levando Josef e 20 milhões de litros de água salgada diretamente ao centro de Tebas, 297 a.C., onde o Anão conquistaria os corações e as mentes dos nativos, assim que todos se secassem.

No momento seguinte à hecatombe oceânica, uma pequena multidão viu Josef emergir do recém-formado lago e automaticamente ser reconhecido como Poseidon, o Rei dos Mares. O povo ateniense o saudava e ele foi levado ao encontro dos sábios da época, onde conheceu Sólon, o grande legislador, que tentava criar uma nova espécie de pepinos, e Mulipas, o agrimensor, que tinha acabado de descobrir que a Terra era em forma de G. Do outro lado da pólis, Josef, enquanto Poseidon, fora convidado para entregar a medalha de ouro no decatlo para o herói Aquiles, mas nota a extrema semelhança entre o atleta e Janko Milaszkiewicz, o polonês desempregado. Ressabiado, Josef simula estar maltratando uma fuinha, o que faz com que Aquiles perca o controle e revele-se como o Senador Republicano Greg Bingaman, de Idaho.

Apavorado, o Senador Bingaman tenta colocar a peruca que guardou desde a Grande Depressão, mas atrapalha-se com os protetores de orelha e fere sua própria gengiva, pela qual era obcecado. Josef o reconhece, e, encarando seu nêmesis, o obriga a dizer a palavra "Guatemala". O Senador erra a pronúncia e é preso. Uma grande e gorda mulher, aparentemente sem nenhuma ligação com os eventos, começa a pegar fogo, não parecendo se importar com isso. Em meio à balbúrdia, Josef considera seu trabalho em Tebas cumprido, mas fica triste porque lembra que seu celular não terá sinal nos próximos 2293 anos.

Desprezando os limites da física e do bom gosto, Josef salta sobre o Monte Olímpo gritando "tio Toby roubou minh'alma", sendo teleportado ao epicentro da Revolução Bolchevique de 1917, fato que deixaria Nikita Khrutchev confuso por algumas décadas. Como forma de auto-defesa, o Anão começa a ofender a todos chamando-os de "lambões" e "Bob McNamara", evocando a quinta emenda. Consegue confundir os sovietes e, aproveitando-se da inflação de 829.000% ao segundo, aplica 1(hum) rublo em um fundo DI e três minutos depois retira o valor suficiente para adquirir o Encouraçado Potemkin, rebatizando a embarcação de "Olof Mancuso", para fugir como um islandês.

Fanático por "Caçada ao Outubro Vermelho", Josef obriga os tripulantes a entoarem o hino soviético, porém como a União Soviética não existia ainda, todos começam a cantar "Bamboleo", do Gipsy Kings. Isso irrita o nano-capitão Josef, que inicia uma série de conquistas com o encouraçado, modificando o rumo da humanidade e fazendo inimigos nas editoras dos livros de história. Eis que ressurge Sean Connery, alegando ser o único a saber o nome do filme argentino no qual um esquilo cai em um recipiente com cádmio e vira o presidente da Noruega. Josef diz "El Rey Serelepe", compelindo Sir Connery a trocar seu sistema imunológico por um ouriço-do-mar. Liderada por Marcel Marceau, uma frota de submarinos patrocinados pelas grandes editoras aproxima-se ameaçadoramente do Encouraçado Olof Mancuso, onde Josef veste sua melhor polaina e ingere um refresco Mupy, apenas olhando o radar verde e aguardando o início do ataque.

Quando a frota de Marceu Marceau liberou seu primeiro torpedo na direção do Encouraçado Olof Mancuso, o único som que se ouvia era o alarme incessante e o som do radar anunciando a chegada do anjo da morte. Mais que conformada, a tripulação estava orgulhosa de sucumbir ao lado do Capitão Josef, o Anão. O cantar da sirene provavelmente seria o último som que os homens a bordo ouviriam antes de encontrarem-se com seus antepassados, mas Josef não desistiria tão fácil. Para um olho destreinado, o Anão estava apenas tentando lamber seu cotovelo, quando na verdade, ele acabara de ter uma idéia que salvaria a vida de todos, aniquilaria o inimigo, e tornaria ultrapassado o Grande Livro de Receitas da Vovó Esmeralda. Enquanto o suor fúnebre já emanava de toda a tripulação, Josef recordou que o Encouraçado carregava 412 toneladas de inhame, trocadas por um guaxinim no Porto de Minsk no mais bizarro escambo já registrado pelas autoridades aduaneiras do leste europeu. Quando restavam dez segundos para o impacto, e todos os homens se acotovelavam para padecer mais perto do Anão, Josef profere: "Libertem o inhame". O responsável pelo tubérculo aperta o botão vermelho que abre as comportas do depósito, e meio segundo depois, o torpedo inimigo explode contra a parede de inhame, eclodindo em um grande cogumelo de fogo e carboidratos. A chuva de inhame não só afundou a frota de Marceu Marceau como acabou com a fome de toda a Lituânia, fazendo com que Vladimir Lenin desistisse da Revolução Bolchevique para se tornar padeiro.

Após subjulgar a frota de Marcel Marceau, Josef é erguido em êxtase pelos seus comandados, enquanto saboreia um autêntico refresco Mupy e faz o V da vitória para a multidão. Porém, um sujeito não estava satisfeito com a glória do Anão. J. Gallardo ocupava o cargo de maior prestígio em Kiev – Bongo Humano – e não seria superado com tanta facilidade pelo Diminuto. Durante a marcha de Josef, J. Gallardo começa a espalhar o boato que o "V" de Josef quer dizer "ventoinha", ou ainda pior, "vinagrete". A população fica ouriçada e começa a se voltar contra o Anão, fazendo com que J. Gallardo inicie uma gargalhada cósmica. Prestes a ser linchado pela massa, Josef simula o som de uma cuíca com grande exatidão, atraindo onze mil macacos-bonobos, sendo o estopim de um caos jamais visto antes de 1917. J. Gallardo se arrepende de seu gesto cruel, e numa tentativa desesperada de salvar Josef, se lança em um recipiente com cádmio para atrair a atenção de todos, ao mesmo tempo em que sacrifica seu sonho de ser jóquei. A reação química somada ao rugir dos macacos-bonobos causa um fluxo de energia suficiente para sugar Josef, J. Gallardo e o czar Nicolau II para 2007, materializando-se os três bem no meio da cerimônia de abertura das Olimpíadas Escolares de Uberaba.

O discurso do Secretário de Esportes de Uberaba foi subitamente interrompido pela materialização de Josef, J. Gallardo e czar Nicolau II no alto da tabela de basquete, suficiente para arrancar alguns aplausos satisfeitos. Devido a uma confusão na entrega dos convites, o cônsul da Lituânia estava presente à cerimônia, e ao reconhecer o czar, avança sobre o monarca com tremenda virilidade, em repúdio ao regime totalitarista impetrado entre 1894 e 1917. Porém, czar Nicolau II só dava ouvidos ao seu peixe-beta, e começa a correr pelas ruas de Uberaba com seu suntuoso casaco de arminhos. Preocupado com essa pequena alteração no curso da história, Josef persegue e captura Nicolau, cedendo o casaco à recém-inaugurada loja de roupas Arminhomania. "Seja bom", diz Josef ao czar, que se arrepende instantaneamente de todos seus crimes de guerra e entende o verdadeiro sentido da vida, abraçando o Anão com ternura, logo após declarar a independência de Uberaba.

Satisfeito com o resultado da missão, Josef busca repouso em uma estalagem de nome "Abrigo de Tia Regina". Embora incomodado com alguns detalhes, como o fato de Tia Regina ser um sujeito de farda militar e rosto camuflado, que bradava ordens em alemão a outros trinta homens vestindo trajes espaciais que carregavam um recipiente amarelo com a palavra "Plutonium", decide entrar mesmo assim. Após aguardar, sem sucesso, resposta para o toque da sineta na recepção, Josef entranha-se furtivamente em uma sala onde Tia Regina prepara-se para apertar um botão vermelho, sob gritos de incentivo dos colegas e o mapa da Groenlândia na parede como final da rota de um míssil. Aproveitando-se da mesa de quitutes natalinos, Josef atira uma noz moscada em Tia Regina, que cai e morre. Inflamados com o acontecimento, os homens encurralam Josef, que, mesmo cercado, confunde os oponentes com uma ginga de corpo e se lança sobre o recipiente amarelo, que começa a vazar. O fim do Grande Anão era uma questão de segundos, já que os homens se aproximavam com palavras não amistosas, e o líquido derretia o chão perto de seus pés. Numa mistura de genialidade e ousadia, Josef retira do bolso seu estojo de Alquimia Mirim, e mesmo sem ler as instruções, atira pó de ferro e ácido sulfúrico no líquido esverdeado. A reação química ainda não compreendida pela ciência gera uma bolha protetora em volta de Josef, que gira em velocidades cósmicas e atira o Anão para o século VI a.C., no exato momento onde os persas, aparentemente, encontravam uma maneira de transportar um enorme golfinho até Utah.

Ao materializar-se no centro político da Pérsia, no século VI a.C., Josef estava nu e com fome. Levantou-se, mediu a velocidade do vento com seu indicador, e calçou suas meias da sorte. Os locais aproximavam-se com um misto de admiração e assombro, e o eficiente artesão Sa'dabad esculpia graciosas miniaturas do Anão em pedra-pomes, vendendo ao preço de três cabras. O líder espiritual foi prontamente chamado, e ao chegar renunciou ao seu cargo por se sentir cosmicamente ínfimo perante Josef. Tanto poder incomodou o Xá Pahlevi, que suspendeu a reunião com os emissários da Babilônia para ir a encontro do tumulto que se formava. "Apresente-se àquele que se materializou", bradou o porta-voz do Xá Pahlevi. "Sou Josef, o Anão, e desafio seu pavão para uma partida de War". A tensão tomou conta de todos os seres vivos em um raio de 4,2 quilômetros. Uma certa senhora Brewster desmaiou. Após alguns momentos de deliberação entre Xá Pahlevi, o pavão (acompanhado de seu empresário), e um sujeito extremamente parecido com Al Pacino, o desafio foi aceito e teve local e hora marcados, para alegria dos cambistas persas, que já tinham em mãos todas as entradas compradas com uma carteirinha de estudante em nome de Carlitos Tevez.

O duelo de War entre Josef e o pavão real era o evento mais importante do Império Persa desde que Arthos, o Grego, desafiou (e venceu por 2x1) um arbusto em uma partida de bocha. Embora a aparição apocalíptica do Anão tenha lhe rendido alguns seguidores, a casa de apostas de Ghulaman mostrava que o pavão tinha a preferência do povo e da crônica especializada. Conforme o momento da batalha se aproximava, o público se aglomerava no local do evento, sem que faltasse uma criatura sequer. Lá estavam todos, leões e pulgas, o sujeito extremamente parecido com Al Pacino, o eficiente artesão Sa'dabad, Arthos, quarenta mil garotas com carteirinhas de estudante (falsas) de Carlitos Tevez, uma certa senhora Brewster, e um arbusto. Tal como um Cassius Clay, o pavão surge envolto em um roupão, com seu séquito de treinadores, massageadores, advogados e um filósofo, conquistando a multidão com seu carisma inconfundível. Aproveitando-se da situação, Josef aparece despreocupadamente comendo uma mexerica, sem saber que morder o fruto poroso era considerado na Pérsia uma ofensa tão grande quanto lamber os cotovelos na presença de um marceneiro. Tomado pelo ódio, o pavão e as milhares de pessoas atacam o Anão de forma voluptuosa, e, naquele momento, pouco restava a Josef exceto sua honra e sua camiseta da seleção da Nicarágua assinada por S. Paladiño.

Ao ver Josef mordiscando a mexerica, o líder espiritual persa ordenou que o Anão fosse morto como prevê a lei que protege os frutos cítricos: cada habitante da Pérsia aplicaria um sopapo na nuca do réu, exceto crianças e idosos, que poderiam dar dois. Entregue à própria sorte, Josef é capturado, atado e levado na direção do Templo do Sacrifício, ao som da animada marchinha "Alimentem a hiena com o rim do desventurado". A fúria incontida da população persa contrastava com a serenidade de Duílio Kobayashi, obscuro membro da equipe de seguranças do pavão. Enquanto os demais protetores e empresários do pavão somavam-se à multidão enlouquecida, Duílio caminhava tranquilamente no sentido contrário ao fluxo, na direção do Anão imobilizado. Ao aproximar-se de Josef, o segurança se despe em um só movimento de seus trajes de segurança persa, revelando um uniforme militar russo. A multidão pára, e Duílio sussurra ao ouvido de Josef: "Foi uma honra servir com o senhor no Encouraçado Olof Mancuso". Em meio à surpresa geral, o misterioso benfeitor arma uma mini-hélice e fixa o artefato em Josef que é erguido do solo com a ajuda da exótica máquina, sendo guiado em câmera lenta pelo doce vento da liberdade, para desespero do povo e das autoridades persas.

continua...

segunda-feira, março 30, 2009

Timóteo Pinto Quer Participar no BBB10

Nosso Timóteo Pinto, não sei porque raios, decidiu participar do BBB10.

Bom, já que ele me garantiu que não mudaria de opinião, o nosso papel agora é ajudá-lo nessa sua mais nova OM. O que fazer? Como fazer um vídeo ideal para chamá-lo? Quais as estratégias?

Veja aqui a posição de Timóteo Pinto sobre o programa, como também a sua decisão.

Eu, você todos sommes Timóteo Pinto.

domingo, março 01, 2009

sexta-feira, fevereiro 27, 2009

Jovem cria painéis solares com esmalte e acetona


Além de gatinha, a australiana Nicole Kuepper, 23 anos, inventou "quase sem querer" um novo tipo de células fotovoltáicas - usadas para transformar energia solar em energia elétrica - com produtos parecidos com esmalte e acetona, uma impressora e um forno de pizza, baixando o preço da tecnologia.

fonte

sábado, fevereiro 21, 2009

República Livre Eristocrática Monarquista Absolutista Anarquista d’Avignon

Projeto Sái do Chão! -> Web Freak e Política Freak <-

República Livre Eristocrática Monarquista Absolutista Anarquista d’Avignon

História

Vossa Reverendíssima Santidade Majestade, =Papa= Reverendo Rafael Luis Apscal Rasputin Dionisio Trimegisto Beraldo, Guardião do Sagrado Cao, Alto Sacerdote (ou Polipadre, dependendo da intimidade) da Cabala Cavalo-de-pau de Éris & Tzara, cinco vezes Campeão do Mundo no Torneio Mundial de Tetris em Stalingrado, conhecido como “O Reverendo do Escrever na Areia (por ter traduzido o Principia Discordia para o Sânscrito, o Árabe e o Hebreu, depois escrevendo-o na areia, onde até hoje permanece)” no Oriente Médio, e como “O Papa que MUgia” entre zen-budistas de todo o mundo, amigo pessoal do Atual Dalai Lama, para todo o sempre, estava Viajando & Conjecturando durante uma Aula de Matemática, quando resolveu montar um país em seu quarto.

Em pouco tempo ele estava devidamente divulgado, com uma Carta Constitucional praticamente finalizada, etc. O monarca começou a estruturar seu país, distribuir cargos, cunhar moedas, comprar livros, colocou redes de internet sem fio por todo o território nacional, água encanada, áreas de diversão, filmes, enfim, fez a infraestrutura básica do país, bem como favoreceu fatores que poucos países possuem.

Independência

Quando a República estava Devidamente Formalizada, nosso Rei proclamou a independência do país das terras brasileiras ao 51° dia do Caos de 3175 YOLD. A independência teve repercussão mundial, especialmente entre os discordianos, que rapidamente reconheceram a nova nação.