quarta-feira, março 18, 2015

NOVA DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA

Depois de muitas pesquisas, os professores do Instituto de Pesquisa Histórica (H.P.I, Universidade de Cambridge) juntamente com o Instituto Tecnológico de Pesquisas Aeroespacial (Universidade de ForkCity) descobriram em uma cova na Síria duas tábuas de argila datadas de 6520 anos A.C.
As tábuas foram traduzidas do sumério cuneiforme e os pesquisadores se surpreenderam ao descobrir o  que continha naquelas tábuas aparentemente inocentes. A descoberta das tábuas por  si só já é um grande marco para a arqueologia.
O professor Mark Zureiman (HPI) disse para a revista local que quando acharam as tábuas “todos festejaram em tom de crianças quando ganham um brinquedo novo dos padrinhos”.
As tábuas escritas na frente e verso conta mais sobre a possível origem da espécie humana e sobre a tecnologia já dominada pelo Homem há 8000 anos.
Levou cerca de 6 meses para as análises de datação e mais 12 meses para a conclusão das traduções. O texto abaixo é o que a o jornal londrino publicou quando houve a descoberta em 2014.
“Nove eram os astros que aqui circundam o grande globo de fogo. Jamais pensaríamos  o propósito dessas gigantes se não fosse por suas forças de puxar uns aos outros facilitando a entrada e saída de nossos visitantes”

Os professores são comedidos a afirmar o  que os ufólogos declaram como “a clara informação de que nossos irmão espaciais estiveram aqui”.
O professor Jaime Juikov disse que as tábuas afirmam  que houve um visitante, mas que em nenhum momento aponta a localização de onde vieram. Afirma ainda que tem nada haver com as tábuas Sumérias, mas entra em contradição quando o colega de pesquisa Zurik Hortma diz que “a análise química dessas tábuas são idênticas ás que Zecharia traduziu. O percentual de semelhança das análises de composição chegam a ser 98%.”

No verso da tábua dois um texto no mínimo curioso:

“E foi para o domínio de um povo menos sóbrio que viemos. Ensinar a lavrar não era mais preciso, era necessário ensinar os porquês da Terra. Aqui estamos para ensinar e dominar a espécie animal para sair das árvores. Fomos perseguidos por nossos semelhantes, mas estamos aqui e aqui permaneceremos até o fim dos fins. Observamos os passos curtos desses animais, corrigimos seus traços em espiral para que pudessem caminhar por suas próprias pernas. O dez foi o que arrumou o três. O dez vem de trinta. Dar conselhos foi o objetivo. Aquele que constrói também destrói”

Nenhum comentário: