domingo, abril 06, 2008

LaranjaPoente, 22 de Confusão de 3174.

A historia aconteceu ontem e as falas são basicamente estas (creio não sejam nessa ordem, mas foi o máximo que minha memoria afectada conseguiu gravar)

Acordo dia 22 de Confusão do Meu Calendário (correspondente à 22 de Discórdia do Calendário Discordiano)
Abro os olhos o mais forte que consigo. Me estico. Penso. Falo sozinho:
-Hoje, sábado, aula... porracaralho.
Não! Grita minha pineal.
- Hoje, sair para vários lugares com muitos amigos.
Bem lembrado.


Marcamos com umas 5 pessoas para se encontrar na Lapa e ver o que fazer, onde ir, o que usar.
Uma hora e meia de esperas alcoólico-malabarizadas e vamos todos prum encontro alternativo na 5a da Boa Vista.

Sexo, Drogas e Rock 'n' roll.

Já estava anoitecendo e nosso fogo esfriando,
quando um coroa muito doido, que antes bebia com uns estranhos,
aparece falando coisas zensentido para nós.

nem quero dar muita atenção...
Não!
Escuto claramente ele dizendo que não é daqui,
disse ser do planeta Éris.
-Espere! Eu é que sou de lá! Grito para o homem.
Ele olha bem para mim e diz:
-amor, paz, guerra e ódio; viva e deixe viver;
Intrigado, respondo achando que ele sabe do que sei:
-Ganso, Éris, Caos, Arroz, Chuva e 23!
Ele se desvia de meu fnord e continua a caosofar messianicamente.
Deixa para lá,
ele acabou indo embora mesmo.

Fui dar um rolê com uma amiga,
andamos perto de lagos,
conversamos,
altistamos,
paramos perto de uns gansos disfarçados de patos
conto a identidade secreta deles para ela,
eles fogem desesperadamente enquanto ela ri.
Sentamos,
brincamos um pouco de Afunda!.
Deitamos,
olho bem nos olhos dela
-Não Não. ela diz
Eu rio.
Continuamos lá por uma quantidade inquantificável de tempo...

Fantasia de pato, joelho ralado, céu cinza, cores mortas, cores mortas-vivas, cheiros, cara, coroa doido, hodge-podge, docepicantebumespinholaranja, Mu.

-Vamos?
-Vamos.
Pego minhas coisas, me despeço dos que ficam.
Na fila do metrô, quem eu encontro?!
O coroa-doido-maconhado!
Ele diz que o roubaram e pede preu inteirar a passagem dele.
-Faltam 15 centavos!
Compro 3 bilhetes (eu, ela e ele) quando estamos para entrar no vagão
ele me agradece,
aperta minha mão e correspondo com um aperto sincero.

O mundo muda.

Assim que entramos ele olha profundamente nos meus olhos e diz:
-Você apertou minha mão como não faziam a muito tempo.
Por que você fez isso?
-Por que não? respondo com seriedade.
-Era tudo o que eu precisava...
Preste atenção no que lhe digo,
você... você é um ser especial!
Você deu tudo o que eu precisava sem pensar duas vezes. Por isto, lhe sou grato.
Lhe reverencio com a cabeça.

[Deste momento em diante não recordo mais da lógica da conversa...]

-Já me roubaram três vezes ... ia matar os filhas da puta ... Deus me falou para não ...
-É, queria ouvir esse seu Deus, quero conversar com ele um dia.
-Já estudei t e o l o g i a (ele falava com dificuldade). Já fui hare krishina, budista e outras coisas que você não conhece...
"esse tal de Deus" você disse... falas como ateu.
-Não sou ateu, sou um dadarkoindividuparrachidiscordjzen,
traduzindo, minhas crenças são como uma colcha de retalhos.

-Como?
-Acredito em um deus como você, mas ele é ela e seu nome é Éris. Creio sabendo que não é verdade,
estou convicto em "abolir qualquer convicção que dure mais que um estado de espírito".

Ele estava suado e beeem alterado por substâncias que não saberia diz,
eu estava sujo de lama e alterado também.
Sobre ela eu não sei dizer, nunca entendi muito bem as mulheres..
Ficamos a viagem inteira conversando, TODOS olhavam para nós dois enquanto minha amiga fitava o vazio.
mas naqueles segundos,
alguém foi iluminado.

3 comentários:

Frei Nando disse...

cara! que bonito..

Iza disse...

Já viu o trailler de Blindness ?
vai lá no meu blog

eu postei lá
deixe um comentário sobre o que achou.

Um abraço

Cachaça disse...

valeu cara!
(eu te tenho no msn nao eh)