domingo, fevereiro 06, 2011

Divagações Ao Sabor do Vinho e o Aroma do Ópio




Prefiro a Sombra Nocturnal Estrelada de Hécate e Nuit
Do que um Dia Ensolarado a caminhar como Gado
Perfiro as Profundezas da Alma e da Mente Obscuras
Do que a Superficialidade de uma Artificial Sociedade
Prefiro a Música e a Literatura da Arte Sonhadora
Do que os Produtos saídos da Fábrica criadora de Escravos
Prefiro o Entorpercimento Enebriante do Extase
Do que o Conformismo de uma TV Zumbificadora
Prefiro o Saltar Livre no Ar 
Do que a Longa Vida preso na sua propria mediocridade
Prefiro o Sonhar Louco de um chapeleiro ensandecido
Do que a Visão Vazia dos céticos Cinzentos
Prefiro a Insegurança da Liberdade
Do que a Segurança dos Escravos Adormecidos
Prefiro a fumaça do Ópio Impuro
Do que o estéril aroma anti-séptico dos Hospitais
Prefiro a Paixão Violenta e Luxuriosa de Lillith
Do que o Amor Casto e Puritano de uma Falsa Virgem
Prefiro o Amor e Ódio sincero
Do que o consenso viver numa Sociedade Hipócrita
Prefiro o Veneno em minhas veias a me devorar
Do que esta saúde perfeita de Robôs Programados
Prefiro um Céu nublado com chuva e cheiro de Orvalho
Do que um Céu poluído queimando o asfalto de uma Cidade Maldita
Prefiro a Sujeira Real de uma Vida Sincera
Do que esta Limpeza Falsa a esconder seus Podres sob os Tapetes
Prefiro o Reinar em um Inferno livre de serviçais medrosos
Do que ser o Serviçal de Anjos presos em sua propria Magnificência
Prefiro Ser um Demônio
Prefiro ser Lucifer
Do que ser um Arcanjo a me curvar perante um Poder Ilusório
Prefiro Ser Eu mesmo
Livre para Ser qualquer Coisa que Desejar
Do que ser parte de uma Civilização de Idiotas Cegos
A criarem sua propria Prisão Sem Muros
Eu Sou o Desgraçado
Eu Sou o Criminoso
Eu Sou o Impuro
Eu Sou Livre

Nenhum comentário: