quinta-feira, abril 01, 2010

Black Parrachian


Um terror ronda os quintais das senhoras incautas e anorexigenas espalhadas paralelamente pelo chão.

Findam-se os dias das bonitinhas histórias gansianas e devém o tempo saturnino do trovão: Black Parrachian, nice day.

Parrachianos gritam dos confins de Santa Teresa ou de Belvedère para se esconderem de tamanho horror.

Parrachianos obscuros tomam o confronto com o que parecia ser mais bonito: a vida. A exaltação do ganso pelos parrachianos é invertida e os adeptos do Bela-parrachianismo negro acabam por forçar um culto ao Pato.

Lembremos das leis básicas do Parrachianismo:

- Tudo é ganso
- Ganso é tudo
- O que não é tudo é nada.
- Quem nada é pato.

Ao louvarem o nada - o Pato - os black parrachians descobriram, em seu surto de terror, novos paradigmas como leis cósmicas. Eis então que:

- Se puder dar merda, dará.
- Merdas acontecem.
- Alguem tem que se fuder.
- Sempre pode ser pior...

E foi assim que o céu fez-se noite no mundo dos vivos.

Nenhum comentário: