sexta-feira, setembro 28, 2007

(não tenho como traduzir meu canto de golfinho sofrido na heroína do governo que controla em palavras, desculpem-me)

e o coco do chimpanzé anarquista ao ar se avoa! :D :D :D

CARTA EM TERROR E HORROR E AMOR TERRORISTA AO CORPO DE CRISTO, VAZIO DE ESPÍRITO, NO COVARDE URBANO QUE AO REBANHO SE APEGA E O CU, SEM VASELINA, ÚNICO PONTO DE CORAGEM DO GOZO DA MORTE QUE LHE ARREGA
(ou como ensina o pateta que habita o deus no interior das entranhas saborosas do espírito que mastigo, de dentro, e com permissão, do corpo mental do mestre R.A.W: todo seguidor é um bundão.bundão.bundão. Hey! mas um bundão quando dança tem sua salvação)

olá leitor, se vc me lê é pq deus adora rir e cutucar. vamos, apague a luz e chore!
:D :D (ouçam o riso comigo!)
olá leitor, se vc me lê, grandes chances de vc não ser um ente existente.
olá leitor, se vc achar tolo o tao em nós, com certeza, então, vc não é e nunca será um ente existente. entende?
:D :D :D (ouçam o esgar, suave, e sem som, comigo)

(seu robozinho lubrificado com louros de césar manufaturados pela cargil)
(seu robozinho lubrificado com louros de cesar manufaturados pela cargil)
(seu robozinho lubrificado com louros de césar manufaturados pela cargil)
.
.
(pausa para um peido, pois o peido que o corpo controla sobe e o coração entope)
.
.
.
olá leitor ocidental, você cria uma vida de detalhes. Os detalhes/repetição, de alguma forma, sugam a energia que está além da força desprendida para criar a sua vida de detalhes. Você cria uma vida de detalhes. Os detalhes, como filhos, moldam sua vida. Os detalhes, como filhos, comem sua vida pessoal, cuja energia, que não é dos filhos, pois em casa de coragem os filhos aprendem a potencializar a própria energia divina do zero que cria; e assim você é preso, olho a olho, pelos dez mil olhos nos poros de seu corpo, aos detalhes que você criou para esquecer que, fora dos detalhes, existe uma ordem maior que a ordem dos detalhes que criaram para você a segurança desse patético território de não viver. Não importa cá em nós, menino cristão, se você se cega pelos detalhes. Os detalhes vão lhe cobrar o direito pela liberdade que você não quer usar, pois teme errar, e por isso, os detalhes à você e à energia anterior a você, ah!, eles nos usarão, menino cuzão.

Com apenas um covarde que viva no mundo e, ah!, eles a todos nós usarão. Um homem livre no mundo e, ah! eles ainda nos usarão. Dois homens livres no mundo e, ah! eles pensarão. Três homens livres no mundo e eles, ah!, eles sumirão, pois bastam três espíritos livres na Terra para a hipnose do símbolo cristão, seu cheiro ao vento de todos lançar! :D

Você cria uma vida de detalhes, menino cristão. A compaixão, quando pura, cura. A compaixão, quando detalhada em limites que protegem a sístase que solidifica o mercúrio da alma, alimenta a dor e crucificação dos que não querem mais sua vida de detalhes medrosos e hipócritas, menino cristão.

Don Juan de Matus, segundo Castaneda em uma entrevista, viu Cristo eternamente crucificado além do tempo do detalhe que prende. Sabe, menino cristão, oque o azarado cristo disse ao brujo que não existe? "deixem-me em paz", "deixem-me em paz", pois o peso de atlas é para atlas e não para homens que egoísmo vestem como amor discreto no limite da auto-imagem que se ama antes de ao mundo amar.

Sim, tenha essa sua compaixão que lhe controla, menino cristão, essa compaixão detalhada em regras organizadas, mas, saiba, a compaixão livre e dolorosa com mil facas afiadas no coração do mundo que quer me habitar, por mim e por você e por quem, todos, morre dentro e fora mil vezes antes de de se ir, antes de sorrir para o intento que liberta um, dois, três, todos de uma só vez. Mas você não entende menino cristão! Sua compaixão pré-fabricada engana que vai lhe salvar, enquanto, ao espírito do mundo, mata com o medo de seu pesar.

2 mil anos já foram e quem sua compaixão salvou? 2 mil anos já se foram, menino cristão, e quem sua compaixão, que lhe controla e não lhe liberta, salvou? Salvação real pára a dor em um e em todos depois do um. Salvação de brincadeira finge que salva um e leva a liberdade de todos, depois do um, que só sofrem em vão. 2 mil anos menino cristão. O budista corajoso ao buda corajoso assassina todo dia como símbolo do assassinato do detalhe que o prende no véu da repetição. O cristão em paixão assassina a todos em sua ilusão. 2 mil anos e ainda a repetição de um mito que intoxica a visão. Acorde menino cristão ou então pule no vaso sanitário de sua vida sem germes, puxe a descarga e em espiral universal desça ao tubo da merda em que sua religião a todos nós prende. 2 mil anos, 10 mil sofrimentos em vão.

CHG! CHG! CHG! :D :D :D

Será que o riso do olimpo que, como a mãe rússia, só se finge de morto vencerá a hipócrita dor limítrofe do bundinha cristão? Uns acham que não. Eu não acho, pois como Picasso, o touro das artes, eu também não procuro. Entende, menino cristão? Quem procura, encontra. Quem não procura, avança.

CHG! CHG! CHG! :D :D :D

Agora, irmãos loucos, hilariantes e sem rumo, vamos às gaitas, vamos às flautas, pequenos bacos sem vinho, vamos! que o corpo de hórus quer pulsar nos que tem a coragem que falta aos 33% de humanos que se temem, nas 33 vértebras geladas, em cristo. Vamos às gaitas, vamos às flautas, vamos às escalas do capeta na música que vibra a vida que a vida vibra.

Vamos, irmãos e loucos varridos, vamos! O mar com a lua se eleva, o mar com a lua, que se eleva, nos dá, nos próximos momentos, janela para levantar, do inconsciente pacífico, o corpo sem orifícios do god-zilla china, humtum, aquele que ao iluminado cristão magnetiza com a inveja que, quando não mata, desorienta a bússola da crença e revive oque nunca morreu: a coragem e necessidade de expandir, por desejo da vida que para se auto-ver precisa nos expandir até o limite de si. O verdadeiro sacrifício, menino cristão, está dentro de você, para a vida, por todos nós, poder fluir, enfim. aqui. aqui. aqui.

Vamos às gaitas, vamos às flautas, pequenos bacos sem vinho, pois com o engarrafamento no corpo de todos, sujo em fuligem e sem banho, pois um dia, ainda, a água vai custar mais caro que o projeto da Nestle que está a "purificar" lá, no estado de minas gerais, algumas fontes de água que madre gaea insiste em me dizer, já eram puras antes da civilização que toma e não compartilha.

Como diz o Victor Schauberger, H2O não é água pura, por parecer pura na mente da ciência. A água pura, menino cristão, é aquela na fonte do ventre da selva, com seus 4,5graus. As musas no chumaço da selva, onde o simétrico h2O científico, esterilizado em laboratório quadrado, somado às impurezas científicas da natureza que cura...duvida? Então passe um mês bebendo apenas a água cientificamente pura, o H2O do cientista que apura, e eu o visitarei no morgue hostel, com um lírio maluco em mãos, que roubarei do túmulo da mãe de todos, éris que vive quando morte e morre quando vive em nós que um dia amamos, qual crianças sem televisão ou açúcar refinado, a todos que existem lá no cá, onde não-existimos e que um dia não existiremos mais. amém menino cristão. amém menino cristão. amém menino cristão. tudo bem? pronto pra quebrar as juntas do corpo e, livre na dor, se auto-remodelar? :D Seu papa, seu pastor, seu irmão, sua irmã, a mãe de seu deus, o filho de seu deus até que um dia foram legais, mas seu papa, seu pastor, seu irmão, sua irmã, a mãe de seu deus, o filho de seu deus são todos semi-deuses, pois esqueceram de lhe avisar: liberdade tem preço. Quem não paga à vista, sofre, exponencialmente, na vida, os juros do medo. aleluia então?

agora risadas. agora risadas. ri-sa-das. Lao Tsé está não-discutindo, via troca de fotons em feixe que liga, olho a olho, com Timothy Leary se java da sun é o cobol do momento ou não? Enquanto discutem, continuo a rir com o monty e a aprender a me orientar aos objetos do python na programação orientada que desorienta. Pois o prático, quando apenas prático, não cria vida de detalhes, mas des-programa o covarde que atrapalha, com seu corpo inerte, no caminho da liberdade de um por todos e de todos por um. Eu fui humano. Eu fui estrela. Eu fui filósofo. Eu fui monge. Eu fui guerreiro. Eu fui amante. Eu fui humano. Eu fui amargo. Eu fui doce. Eu fui. Eu estou. Ao espelho agora eu volto. No espelho o quarto mosquiteiro ri de mim. Um por todos e todos por um? O toma lá da cá dos romanos, quando não anal, ou quando não apenas anal, é um canal que une os que se libertam um por todos e todos por um. não?

Por favor, nada contra os filhos de Abraão -os legítimos e os não. Voltaire regozijou-se, "O cristianismo morre em 20 anos!". RAW cautelou-se, talvez em 200 anos ou mais 2000 anos ou mais 20000 anos. Os dois foram gentis. Nietzsche, não o anti-cristo, mas o dionísio 1.0, em coragem assassinou o espirito cristão. Então oque é isso que persiste do outro lado da visão? Um defunto. Uma fantasmagoria desarmônica. O cristianismo morreu no homem urbano perdido, pois não sabe como viver, como o pueblo dos anasazi que ensinou ao Jung o sentido da busca pela liberdade no caminho do sol. Como viu o pueblo dos anasazi que ao jung ensinou, cuidado com o homem branco perdido vindo da europa, seu olhar entrega um águia raivosa, perdida, mas orgulhosa, uma águia que quer caçar, mas longe da natureza, só nos sabe machucar. Perdoemos aos bobos que ainda se insistem cristãos.

mister delphinus pinctus curtus
28-09-2007
03:06 da madrugada que é chata pois não me mostra o sol e a lua ao mesmo tempo. :/

Não é lindo quando algo atrapalha o sono de minha máquina de carne, me tira da cama e me obriga a pensar oq não quero pensar e escrever oq não quero escrever? :D :D :D Liberdade só tem sentido depois que se vira robozinho em maquininha de carne com vazio que deseja sentir todo o universo em si. Dr. Leary, tem hora que te odeio! Mas não adianta! tu só ri só ri só ri! :D :D :D Why not? :D :D :D http://www.youtube.com/watch?v=u0T8YtIat7o o riso não é a chave. a língua não é a chave. o lsd não é a chave. a chave não é a chave. não há chave. não há camisa de força. há corpo. há força. quando quer vestir o universo vivo primeiro exploda o corpo, certo capitão clark? :D :D :D

Nenhum comentário: