sábado, outubro 27, 2007

Dinheiro como Deus: Uma mudança na percepção do dinheiro enquanto valor

Existem muitas formas de se atingir a prosperidade material, ou pelo menos é o que a experiência do dia-a-dia nos mostra. Mas uma análise do relacionamento de pessoas bem sucedidas com o dinheiro revela que, para ser bem sucedido, precisa haver uma mudança de percepção do dinheiro enquanto valor. O dinheiro, para estas pessoas, não é apenas moeda de troca, passando a ser, depois da mudança de percepção, uma categoria nova de coisa, um objeto que pode se multiplicar, de acordo com as regras do mercado e a habilidade dessas pessoas em manipulá-lo. Não é a toa que George Soros, megaespeculador húngaro naturalizado americano, chamou um de seus livros de “A Alquimia das Finanças”.

Parece confuso no principio, mas é simples perceber que, por exemplo, um químico ou engenheiro, por mais habilidoso e competente que seja, nunca poderá transformar uma tonelada de minério de ferro em duas toneladas de minério de ferro. Mas se você puder dar tempo suficiente a um financista competente, ele pode transformar cem reais em duzentos, e por mais incrível que pareça para o leigo, quanto mais dinheiro você tem, mais fácil fica de multiplicá-lo. Somando se a isso a necessidade de uma mudança de consciência para a adequada manipulação do dinheiro, chegamos a conclusão de que o dinheiro deve ser cultuado.

Isso quer dizer que vou colocar a moedinha da sorte numa redoma, como o Tio Patinhas? Pode até ser, se isso tiver um valor simbólico forte o suficiente para ajudar na mudança de consciência necessária para alterar sua percepção sobre o dinheiro. Como citei numa conversa com um amigo, o que o dinheiro “quer” é que você o perceba como valor e comece a usá-lo racionalmente. Visto dessa forma, parece muito simples. Mas porque na prática não funciona assim?

Robert Anton Wilson, em a Ascensão de Prometeu, liga a necessidade de conseguir dinheiro às necessidades básicas de biosobrevivência, o que causaria, segundo ele, a ansiedade típica da vida moderna. Desde os primórdios, nossos ancestrais caçadores-coletores, quando confrontados com um período de abundância, simplesmente se fartavam o máximo possível (quando a expectativa de vida média era de 30 anos, não fazia mesmo muito sentido em pensar no futuro) por isso o uso racional dos nossos “tickets” de biosobrevivência é um comportamento tão raro, afinal, nossa civilização ainda é muito recente do ponto de vista da humanidade como espécie.

Logo, já nascemos gastadores compulsivos, e no caso dos brasileiros, culturalmente desprezamos a sabedoria financeira preferindo o prazer rápido (não estou fazendo juízo de valor aqui, é apenas uma afirmação) ou a rejeição cristã ao sucesso material (“é mais fácil um camelo...”). Por isso, para ter um relacionamento mais saudável com o dinheiro devemos alterar nossa percepção dele, e no caso de caoístas com altares abarrotados de deuses, um deus a mais, só pode deixar a coisa mais interessante.

Nesse exato momento os Cristãos, Marxistas, e outros tipos com aversão ao deus capital estão esbravejando: “Mas você estaria deixando de viver para cultuar o Grande Cifrão!”
Minha experiência com o $ diz que ele, ao contrário do Pai Estado e de YHVH, ele não é possessivo, e dependendo da habilidade de quem cultua, pode conviver bem com outros deuses, afinal, ele não exige retórica ultrapassada, sexo apenas para procriação ou bebidas não destiladas.

19 comentários:

outlaw_n disse...

O grande Cifrão, como vc coloca no texto, já deixou de ser apenas uma moeda de troca, mas acredito que não esteja à portas de se tornar um Deus, longe disso, ele está à portas de se tornar um ser vivo, que respira, pensa, e tem acessos de frescura extrema. O pior dos seres vivos criados por outros seres vivos é que eles se apossam do que é pior de seus pais. A respiração do mercado depende exclusivamente de fatores irrelevantes da humanidade como emoções, principalmente o medo, por isso o mercado, ou o grande Cifrão se torna um monstro de Frankstein moderno para a nossa sociedade. Eu mesmo não tenho muita percepção da existência do monstro, o que me torna um alvo bem chamativo de suas maquinações de vingança, minha mãe nunca se quer pensou em me dar uma mesada para que eu já tivesse um adestramento de como respeitar o dinheiro, tenho que aprender isso enquanto tento ser "adulto". Estou pensando seriamente em comprar um Monopoly para aprender a mexer com dinheiro. :)

Anônimo disse...

Minha experiência com o $ diz que ele, ao contrário do Pai Estado e de YHVH, ele não é possessivo, e dependendo da habilidade de quem cultua, pode conviver bem com outros deuses, afinal, ele não exige retórica ultrapassada, sexo apenas para procriação ou bebidas não destiladas.
----------------------
YEAH! &outloaw_n, se você vê o bastardinho comedor de chi do corpo social como FILHO FRANKSTÓIDE do desejo humano, BLZ! Mas isso não o impede de pegar esse FILHO FRANKSTÓIDE e ensiná-lo a ser feliz. ;)

E no geral o dinheiro é um exemplo da falta de APEGO. Ele tá nem ai se tá comigo ou com vc, mermão! :D ele quer é energia e RODOPIAR! ;) é um deus safadinho de espuleta. E se ele não tem APEGO, ele tá nem ai

FernandoR. disse...

q merda de post..

Dan. disse...

minha Éris... destrua esse post em meio a gargalhadas descontroladas! Ou há algo de muito errado com a glândula pineal de alguns discordianos, ou eu me chamo Belvederius Adolphus Astophilus III.

Nunca passaria pela minha cabecinha muito bem irrigada de melatonina da santa glândula que um post desses estaria no tudismocroned. Essa porra podia muito bem estar em alguma 'Você S/A', 'EXAME', ou qualquer baboseira de executivo certinho corporativo e ávido por dinheiro.

Se cair uma bagatela na minha mão eu vou GASTAR TUDO MESMO, sem essa de economista safado que fica se privando pra multiplicar capital ilusório! Vou fazer um festival autônomo em casa, imprimir 'flyers' pra mandar distribuir até no Ceará, e deixar todo mundo morar, comer, beber e trepar em casa por uns dias, até a grana toda acabar. Uma orgia da criatividade humana.

Grandes somas de dinheiro, no caso da sorte de se deparar com alguma, servem apenas para esses propósitos. O resto é martírio. E discordianos, subgenii, etc etc do caralho a quatro 'kallisti e muito slack no cu de jezuis' não levam o menor jeito para serem mártires.

um beijo kallisti e um tofu com alpiste
-><-

Dan. disse...

ok. tudo isso só pra dizer: "não gostei do texto".

quanto drama. =)

beijo kallisti e tofu com alpiste
-><-

Reverendo Johnny P. disse...

É bastante interessante como "dinheiro" é um assunto sensível para muita gente...

Anônimo disse...

deixa eles. os cristão, comunista, vão tudo virar suco na mão dos capitalistas do demo! :D agora, QUEM tem peito de entrar na dança dos capitalistas do demo e NÃO SE SUJAR e ainda LIMPAR/REDIMIR os capitalistas do demo?

mister johnny p. tem! e ele pode. Anda logo, mister Johnny P.! PUXA O CARRO DO BRASIL E CRIA AQUELE POP linux com a hierarquia e a flexibilidade de uso de bibliotecas que o GOBO linux tem! :D

vá ser megahipernano gauche no exterior, reverendo! :D, pois aqui no país do ruralismo da cargill (sabiam q a ÚNICA VEZ q mostraram na tv q a cargill DESVIAVA carregamento de comida de outras empresas foi no jornal da RedeTV do Marcelo nariz de batata q acha q castaneda escrevia livros pró maconha?)... é, aqui no país do ruralismo petista da cargill (afinal o lulah não falou q ia cuidar da amazônia, tá cuidando e bem! :D) ... enfim, aqui no país do ruralismo cristão da cargill tu vai virar é mais um judas em dia de malhação na tv blobo! :D :D

E é complicado... os filhos de zezuis, o cisto, acusam o NARCÓTICO de ser do mal, quando o mal está nos olhos e mente de quem consume! :D os filhos de marx (o q mentiu sobre o santo anarquista BAKUNIN, pra mudar o rumo da internacional) acusam o dinheiro de ser do mal, claro, enquanto apoiam o assassinato de dissidentes em CUBA, ou a polícia chinesa dar choque elétrico em praticantes de Falun Gong (não apoio esse chikun sem respiração, mas meu ex-sócio pratica e não é nenhum lunático, como eu q pratico outro chikun! :D)... enfim... enquanto os magistas negros (aqueles que fortalecem o ego, como o povo que acha q viagem astral é real e não construção mental!:D) foram a força majoritária, esse pedaço de terra chamado de brasil no mapa vai feder e servir o mais "forte".

vá-se embora, reverendo, seu 'crescimento' mental, físico e espiritual por aqui vai ser mais lento, pois obstáculos não necessários, isto é, a sombra fria de terceiros, sempre vai aparecer sobre nossas sombras! pois quem tá na merda, quer q todos fiquem na merda. quem SERVE um deus, mitológico como todo e qualquer deus com FORMA, quer q todos sirvam tb. Quem se entrega a uma ideologia, em vez de criar seu modo de navegar a realidade coletiva, vai querer que todos sigam essa ideologia.

E pq? pq no fundo todos temem adimitir q a única certeza é q, já q DEUS é SEM FORMA/Não-dual, não há certeza e tudo é permitido.

Agora, ser tudo permitido com um ego que quer realizar SUA VIDA PESSOAL, assusta... mas quando tudo é permitido com um SAGA se espalhando pela mente e coração, só o infinito é divertido, e quando começa-se a SENTIR o infinito pulsando no coração e cérebro ao mesmo tempo, só há um desejo, sim a sinoidal no taiji é o desejo supremo de Deus/Tao, e esse desejo é retornar ao Tao/Deus, e isso só se faz aqui aceitando TUDO, TUDO, TUDO, BOM ou RUIM, que foi criado pela consciência sem forma.

Mas pq escrevi tudo isso? só pra lembrar q tu tá certo reverendo, é hora de abandonar, como bom rato mágico/taoísta, esse barco territorial chamado Brasil. Pois aqui o negócio é a covardia, covardia que faz com q espelhemos nossos medos em coisas de terceiros, como a droga do drogado, o espiritismo do alucinado sem droga, o quimbandismo do mago primal, o capitalismo do midas que torna o SUJO DINHEIRO em OURO humano, algo q poucos entenderam em seu textículo sintético e direto.

eu gostei do texto. E gostei mais ao perceber q tocou nervos dos nervosos filhos de ideologias q não percebem que ser da igreja do insanto bob é ficar nu, na mente, e pq não no corpo!

TODO MUNDO NU!! :D :D: D

Anônimo disse...

A respiração do mercado depende exclusivamente de fatores irrelevantes da humanidade como emoções, principalmente o medo, por isso o mercado, ou o grande Cifrão se torna um monstro de Frankstein moderno para a nossa sociedade.
------------------
FATORES IRRELEVANTES DA HUMANIDADE COMO EMOÇÔES! :O

na boa, quem tá com problema, o deuzinho cifrão ou o ser humano q espelha-se nele? ;)

Geo disse...

aliasmente, em meio a essa polêmica super fine, vou produzir uma lasagna.
quem quiser um pedaço, me add.

beigos mim ligue!

Dan. disse...

não podemos nos iludir. a religião do dinheiro já existe, ora ora. há pelo menos uns 400 aninhos. é um culto seleto e secreto, que escolhe a dedo seus novos fiéis. pra entrar pro clubinho você precisa já TER dinheiro ANTES. os religiosos são os que vivem a religião e o resto é showzinho. mesmo que tentemos ter o dinheiro como religião, para nós - os que não fazem parte do 'clubinho' - ele só se apresenta sob formas extremamente mediadas, e a mediação levada a grandes níveis gera alienação crescente. a 'religião do dinheiro', para nós - a galera que não tá no camarote; a galera que assiste na pista - SEMPRE está sob um véu de espetáculo: muita luz, muito sonzinho, muito toque de celular polifônico, mas NENHUM contato com a COISA. para realmente viver a religião do dinheiro, é preciso estar nos bastidores. adentrar nos bastidores sem ser notado seria de fato um feito incrível que nos deixaria exultante. mas quem vai conseguir, hein?

Anônimo disse...

essa idéia de que pra ter dinheiro é preciso ter dinheiro antes é papo de tia pobre divorciada

O bill gates não tinha... ok, ele não é bom exemplo, já q é marionete dos illuminati...

O Steve Jobs não tinha. Tá ai. Perdeu. Re-ganhou. Comeu merda, hj é vegetariano.

O Governador Arnoldão tb. Chegou na pátria do capital alquímico sem um puto. Só com o muque em poses gays já ficou rico.

O John Gilmore é outro exemplo. Além de fazer ótimo uso do dinheiro dele, como processar o George Bush, claro que de brinde ficou em prisão domiciliar, oq não é tão bolinho como acham não.

Oras! o David Blane só teve de levitar e subir pelas paredes pra ter seu milhãozinho! ele era oq? um iogue pobre com calcanhar sujo de hippie! :D

O mister Hubbart! poxa! só criou uma maquininha q hipnotiza atores ricos e famosos e tchuns! ficou rico e se vingou de quando produzia maravilhas eletrônicas que era ridicularizadas! :D

Na boa. Para entrar no "clube" do dinheiro, e falo como quem já teve muito e perdeu e ficou com raiva do dinheiro do demonio! :D, para entrar no clube é preciso mudar a mente, o foco da mente em relação ao dinheiro.

Mas é como magia. Se tu fortalece o Ego, a energia do dinheiro vai alimentar teu ego. Dai é óbvio q o dinheiro vai produzir muita merda, como bandas q choram pq os pais se divociaram, programas de tv onde biquinhos de seios sofrem de blur, etc...

E Dan, a relação com o dinheiro que você descreveu é a relação do cristão com o deus dele, é a relação do eleitor com o político dele.

O dinheiro não liga se alguém media sua energia criadora e destrutiva. Ele não se apega. Ele quer energia pra gerar mais energia e seguir rodopiando.

Se o crápula manipulador fizer melhor que você, é com o crápula manipulador que ele vai dançar.

O dinheiro é só uma energia.
A raiva é só uma energia.
O medo é só uma energia.

Agora, como seria a relação da pessoa com o dinheiro se ela deixasse de ter raiva ou medo?

Talvez gerar dinheiro sem medo ou raiva por trás seja o caminho. É como diz o J.Campbell, o herói não quer louros, ele quer redenção, e me diga, esses heróis comunistas, ou cristãos, taoístas, budistas, algum deles venceu o dinheiro?

não! e pq? pq o dinheiro é veloz. Aprende rápido, e continua sem apego, como diriam os china, pelos dez mil cães de palha no simulacro que abraçamos com medo e chamamos de realidade suja! :D

E entrar nos bastidores sem ser notado não é um feito incrível. O problema é entrar nesse 1% global e mudar a vibração do chi ali. Isso é alquimia. Isso é magia q vale tentar. não?

Agora, se houver medo de fracasso, é pq o dinheiro já subornou o ego, dai fudeu. goétia ai vamos nós! :D
http://malprg.blogs.com/francoatirador/2005/08/uma_nova_gocia.html

Lênon Kramer disse...

velho

não vejo grana como deus, mas como egrégora-elemental.

e outra coisa:
ele não é elemento terra... e sim elemento ar. não tente segurar o dinheiro, que ele se voltará contra ti. tens que fazê-lo fluir e circular. fazer exatamente o que o dan disse no post dele. gastar.

mantram:
cirandacirandacirandadinheiro
volteparamimaofimdoroteiro

Dan. disse...

os exemplos ali não se encaixam no 'clubinho'.

ser um 'simples milionário' não é ser um 'devoto'.

quem são os peixes grandes?

não se trata de simples trocas de valores... não se trata de mandar uma porrada de produtos até ali na outra margem pra alguns terem a ilusão de transcedência pelo iPod ou por dirigir uma Ferrari. esses são peixes pequenos, tão sujeitos à mediação quanto nós.

arrisco até mesmo dizer que o 'clubinho' nem seria representado por pessoas. QUEM SÃO OS PEIXÕES?

De fato, não acho impossível, como foi dito, "mudar a vibração do chi" que se assenta nos bastidores. Mas sinceramente, e sentimentos megalonmaníacos à parte: ninguém é invencível (com pouca chance, os invisíveis). Isso quer dizer: quem disse que o que rola nos bastidores não pode mudar VOCÊ, até mesmo sem que você perceba?

Além do mais, os membros do clubinho sabem muito bem se proteger. "Quem quer entrar na reunião do G8 pra decidir sobre o mundo junto com os peixões põe o dedo aqui, que já vai fechar!"

Todo mundo corre pra colocar o dedo... mas quando a gente chega lá, vê que a mão do 'representate burocrático' sempre esteve fechada.

E se você conseguir abrir a mão, são capazes de mudar a reunião pra Antártida.

"Tá aqui o seu convite, mas se vira com a hospedagem... Raw! Raw! Raw!"

Respeito quem se arrisca a se aproximar da podridão dos bastidores (quem disse que não é podre? soda cáustica no leite é só a ponta do iceberg). Mas conviver com os PEIXÕES, fazer parte do clube, pra mim já é uma martirização gradual, uma tortura inaceitável. Talvez eu seja frouxo mesmo nesse ponto, porém a bravura não passa de juízo de valor.

"Zézinho foi lutar no Iraque. Voltou com mil medalhas e condecorado por matar de montão. Voltou pinel da cabeça e acorda todas as noites sonhando com árabes que o ameaçam. Joãozinho não se alistou, foi chamado de frouxo por papai, mas todo dia fazia amor com adoráveis garotas."

Ora ora, pra entrar pro clube tem que demonstrar sangue frio também. Toda seita secreta exige do novo adepto a passagem pela prova de fogo. Iraque e clubinho do culto ao dinheiro tem tudo a ver.

Sendo assim, ser dissidente é tão mais sedutor e convidativo que eu não consigo resistir. Sem essa de me alistar pra entrar no clubinho, se me exigirem demonstração de honra ou bravura.

Anônimo disse...

tens que fazê-lo fluir e circular. fazer exatamente o que o dan disse no post dele. gastar.
--------------

sei não. só gastar, o brasileiro é rei nisso, veja o índice de devedores nos cartões do deus monêta! :D devedor apenas gasta, e lucra quase nada com essa energia aplicada.

só gastar é DOAR SUA ENERGIA para o dinheiro seguir. vc continua servo de um deus que não quer servo, e nem vai falar "obrigado" pela energia doada! :D

Segurar dinheiro tb é foda, pois ele se revolta. vc está certo, ele quer fluir.

Mas o oposto, de só gastar, geralmente com desejos egoístas apenas, é oq todos os escravos das finanças já fazem. Não mudou nada.

A questão é a alquimia do dinheiro, acho q esse ponto do texto do Rev. tá sendo ignorado.

E ao o dinheiro virar um Deus, bom, ele é um deus num templo com trocentos deuses, um templinho mental caoísta, onde deus não tem o mesmo valor de CULTO de um deus institucionalizado.

Mas vendo esse deus monêta como um deus institucionalizado, mediado e distante, bom, a relação será e já é a mesma q os zé ninguém têm com o deus cristão e adjacentes.

Anônimo disse...

ser um 'simples milionário' não é ser um 'devoto'.

quem são os peixes grandes?
-------------------

bom, um "simples milionário" se tiver mais de U$2mi já tá no clubezinho dos 0,5% da população global.

Os peixes grandes? os banqueiros, q fazem alquimia financeira desde q o lastro do ouro morreu.

E quem sustenta os banqueiros? Quem tem conta em banco, quem pega o dinheiro e já vai gastar, gerando mais dinheiro pro banqueiro cujo SISTEMA prevê essa atitude impulsiva com o dinheiro.

Culturar o deus monêta ou culturar o valor de troca ilusŕio do deus monêta?

cultuar o deus monêta SEM MEDIAÇÃO, ou ser usado pelo deus monêta COM MEDIAÇÃO via seu trabalho e o valor dele, via o banco e suas taxas q valorizam o banco, etc...

negar o deus monêta é negar um pedação da sombra. ;) diminuir a influência do deus monêta não é feita desse modo. ou é?

tony wildcock disse...

quem disse que o que rola nos bastidores não pode mudar VOCÊ, até mesmo sem que você perceba?
---------------
dan, a pessoa só é mudada pelo q ela não aceita dentro dela. esse é o ponto fraco.

por isso esse texto do grande mestre da mente gentil, mister sniper, é interessante:
http://malprg.blogs.com/francoatirador/2005/08/uma_nova_gocia.html


a goécia tá na negação nenem, já dizia o nem-nem do Austin Osman Spare. ;D

Dan. disse...

o milionário pode estar nos 0,5% da população, mas ele não passa de um cara que 'senta na primeira fileira' dentro da igreja do dinheiro. ele não tem acesso profundo ao que está por vir.

o dinheiro não passa da um ícone, uma mensagem. uma religião do deus monêta é a mesma coisa que o cristão que se acha muito fiel só de ficar olhando pra cruz. tem autoridade envolvida, tem muitos véus a serem retirados. e se você retira todos os véus, já era. a essência do dinheiro é esse véu... é o clubinho.

como eu disse, é um ícone. o dinheiro simboliza a troca, e por isso o deus monêta é uma mediação POR SI SÓ. Mesmo se você estiver dentro do clubinho, a religião do dinheiro é a religião cultuando mediação. cultuar o deus moneta dessa forma é algo que te obriga a deixar os outros 'manetas'. Atar e decepar mãos, pq senão todo mundo vêm e acaba com sua mediação, e sem mediação é impossível que exista o deus moneta!

o dinheiro, como símbolo de troca, impede a troca real e a substitui por troca mediada. aí que reside minha discordância. paremos de pensar em termos de horas de trabalho, de salários. o que eu desejo é a troca. quero trocar experiências, trocar palavras, trocar fluídos. acontece que o dinheiro tenta se impor no meio dessas trocas e não me deixa trocar tudo que eu quero. se todas essas trocas são possíveis sem ele, e eu já consegui viver situações riquíssimas, em uma grande opulência de situações memoráveis sem ele se colocar no meio das trocas, então ele não é tão necessário assim. Pior! Algumas vezes se mostra um entrave.

Quando eu falo que devemos GASTAR, eu digo GASTAR pra gerar TROCA. Não descontextualize meu exemplo. Eu falei que gastaria tudo em um festival na minha casa, e um festival que geraria trocas imediatas, muito além do que o dinheiro pode pegar de volta.

Ele pega um pouquinho de volta, claro. Mas os momentinhos de liberdades temporárias não são recuperados pelo deus moneta. Logo, pro deus moneta eu seria um herege, se eu fizesse isso!

O conceito de trabalhar, ganhar o saláriozinho mizerento que fica no banco, e gastar em tranqueirinhas e guloseimas está fora disso. Eu não estou falando de trabalho. Estou falando dos momentos que superam o trabalho.

Eu não preciso de dinheiro nenhum pra gerar troca. Nunca ninguém precisou. Quando a gente percebe isso, saca que o deus moneta é um deus maneta.

(claro que se funciona pra alguém... lindo & ótimo. infelizmente pra mim não. pode ser que eu seja mudado por esse ponto que não aceito em mim, e que outros sejam mudados por pontos que não aceitam em si presentes no meu texto [que na verdade é o texto NOSSO, já que não passam de extensões do comecinho que falava sobre o deus maneta]. no fim eu fico feliz pq as coisas vão se equilibrando. não é pq discordo do deus maneta que discordei ou dicordarei de tudo que colocam aqui.)

Reverendo Johnny P. disse...

Apenas uma observação sobre o método: Em nenhum momento do texto eu disse que o dinheiro não deve ser gasto. O que eu falei, duas vezes inclusive, é que ele deve ser usado racionalmente. Entre "usar racionalmente" e "guardar compulsivamente" há um oceano de distância, se não citei isso no texto, foi simplesmente por ter usado a cultura brasileira como caso particular.

lênon: Você acredita em Deuses como entidades objetivas, que existem independente da sua mente e/ou da mente humana?

iquiz disse...

Certo dia, um juiz perguntou ao mestre Nasrudin:

- Mestre, no caso de você ter de escolher entre a justiça e o dinheiro, o que você escolheria?

- O dinheiro, é claro - respondeu Nasrudin, sem pestanejar.

- O quê! - disse o juiz. Pois eu escolheria a justiça sem pensar duas vezes, porque
a justiça não é fácil de ser encontrada, enquanto o dinheiro, este não é tão raro assim. Podemos encontrá-lo por aí sem grandes dificuldades. Estou sinceramente espantado com a sua opção, Nasrudin. Não o julgava capaz de uma ambição, sendo um mestre!

- Meritíssimo, cada um deseja aquilo que mais lhe falta! - respondeu tranqüilamente o mestre Nasrudin.