segunda-feira, julho 30, 2007

Individualismo

por Reverendo Peterson Cekemp

Eu sou individualista, e eudemonista. O eudemonismo é um adjetivo que procuro não usar, porque afinal de contas é um conceito que não domino totalmente, entretanto, gostei da definição no Wikipédia, então tomo a liberdade de me chamar assim, fica legal.

O que não significa que sou egoísta. Minha linha de pensamento individualista segue o seguinte lema, expresso através de linhas que representam meus pensamentos:

Domínio da razão sobre as emoções, certo? Certo. Dominei minhas emoções… E agora?

Que saco.

Não vou fazer isso não.

Opa! Mas espera um pouco, eu viro um escravo se eu não fizer isso…

Que saco, o que eu faço agora?

Eu procuro usar o domínio da razão pra conquistar objetivos que obedeçam aos sentimentos. Entendeu? Usar a razão pra cooperar com a emoção. É uma cooperação, no maior estilo anarco-coletivista.

Portanto, sou eudemonista porque, através do domínio das emoções, você vai ficar calmo, sereno… Tranqüilo… E vai perceber que é um saco. Aí, você vai querer mais, vai sair dessa tranqüilidade e vai passar a agir conscientemente pelo que você quer, mas quer de coração, não de mente. Entendeu?

Através do domínio das emoções, eu entendo que só o que vale a pena nessa vida é felicidade. Não o “estado de espírito” felicidade. Momentos felizes. Momentos. Segundos. Acontecimentos. Aqui e agora, o mais rápido possível, meu espírito tem fome de felicidade aqui e agora. Nada pra depois, oras!

Por isso sou eudemonista. E através da razão, isso me impede de viver igual a um animal procurando por sexo, drogas e rock’n’roll, sacou? ;)

Mas e quanto ao individualismo? Bom, há quem diga que quando atitudes individualistas são tomadas, todo mundo se fode. Bom, é algo que eu conheço muuuuuuuuito superficialmente, a tal teoria dos jogos. Dizem que funciona com a teoria da evolução, e funciona com a nossa sociedade.

Eu penso o seguinte: se cada um parasse de se preocupar com o outro, tanto de mandar no outro, quanto de julgar o outro, quanto de tentar sempre ser melhor que o outro, no sentido de humilhar o outro, enfim… Se cada um parasse de olhar pros lados e esquecer que existe pra viver a vida em função dos outros, e cada um vivesse a sua vida, todo mundo seria mais feliz.

Só que aí vêm dizer que o individualismo prejudica a sociedade em geral. É claro que prejudica! Somos educados (na base da lavagem cerebral) a nos doar pros outros, a servir aos outros, esperando em troca boa vontade e uma imagem positiva. O altruísmo evolucionário levado ao extremo.

O problema é que quando um espertinho começa a fazer tudo por si mesmo, os bobos que estão esperando que alguém faça alguma coisa por eles, ficam na mão. Há. É aí que o sistema se prejudica.

Então como é que eu defendo o individualismo? Eu defendo é que a teoria dos jogos está certa para a teoria da evolução e para a sociedade capitalista. A sociedade capitalista reproduz exatamente uma selva, uma barbaridade total. Os humanos viraram, afinal, animais educados pra se disfarçarem de humanos. Por isso é que não dá pra ser individualista na sociedade capitalista. Uma sociedade de vícios, de podres, de espertinhos que resolveram que iriam dominar a todos, e acabaram conseguindo, criando a Máquina ©. Não dá.

Agora, você me pergunta: daria pra ser individualista na sociedade capitalista?

Bom, daria sim. Daria pra ser individualista em uma sociedade em que ninguém se preocupasse em ficar escravizando as pessoas. Individualismo não é egoísmo, caramba. Que droga. Individualismo é confiar no potencial de cada um, do indivíduo. É pensar primeiro em si, depois nos outros. Egoísmo é pensar só em si mesmo, sem chance. Não é isso.

Não é isso mesmo.

2 comentários:

Alysson Bruno Assunção disse...

Olá, professor Jean Lauand

trabalho como jornalista no Diário da Manhã, periódico diário da cidade de Goiânia. Estou fazendo uma matéria que envolve individualismo, para o caderno de cultura do jornal, e gostei muito do texto de sua autoria publicado no endereço eletrônico http://pipa55.blogspot.com/2007/07/individualismo-por-reverendo-peterson.html

Quero saber se eu posso retirar alguma citação sua desse texto para usar na minha reportagem.

Atenciosamente,

Alysson Assunção
Editoria do DM Revista

Rev. Peterson Cekemp disse...

Alysson,

Não conheço nenhum professor Jean Lauand, mas se você se refere mesmo a este texto, bem, eu (Rev. Peterson Cekemp) sou o autor dele e autorizo sim que você utilize partes dele, desde que me cite, claro =) Fico muito feliz com isso.

A propósito, essa matériam, quando pronta, pode ser lida pela internet?

Até