segunda-feira, junho 04, 2007

Abismo

Quando eu estou trancada em minha casa, quando não faço muita questão de olhar o céu, trafegar pelas ruas, olhar as pessoas ao redor, sinto que eu estou protegida, mas que também estou me fechando, estou evitando fazer parte de um macrocosmo, de um Caos que funciona lá fora, independente de minha presença ou não.


Mas, quando eu me decido por abrir os portões de minha casa e colocar meus pés na rua, é como que se eu tivesse entrado num novo mundo, um universo ainda maior, ainda mais confuso, ainda mais caótico, ainda mais atrativo, receptivo, constante, inconstante, tudo e nada pode acontecer. Um dia tudo parece bastante calmo, no outro tudo acontece. É como atravessar os enormes portões dessa realidade tão conhecida, para uma outra, ainda que mais arisca, ainda que mais selvagem.

É estar a mercê de forças estranhas, é poder observar todas as sincronicidades, é ter os resultados de muitas das coisas que você produziu enquanto estava sozinho em seu quarto, é fazer e ser parte de algo ainda maior. É ser respondido em suas expectativas, é responder as expectativas alheias. Tudo está fora do seu controle, ainda que sob seu controle. Tudo simplesmente é permitido, ainda que pode não ser verdadeiro!


Quando você olha para o abismo, o abismo olha para você.”


Atraímos alguns, repelimos outros, atraímos situações, simplesmente acontece... Somos chamados, somos rodeados, estamos num enorme e infindo vórtice de energia, alguns presos aos seus transes diários não podem notar o poder da instabilidade, não podem notar a presença soberana do caos universal, mas para os que estão despertos, para àqueles que estão além dessa medíocre realidade, é como lançar-se num delicioso mar de possibilidades!


http://www.4shared.com/file/17230909/2492e495/The_Matrix_Soundtrack_-_Crystal_Method_-_Replacement_Killers.html



Viaje você também!

Um comentário:

Marilane disse...

Oi, achei seu BLOG por acaso procurando pela frase do Nietzsche sobre o abismo e adorei seu texto. Têm dias em que me sinto exatamente como você descreveu. No fundo, somos quase todos iguais ... Boa sorte, um abraço, Marilane